Arquivo de tag Vitoria

porpjbarreto

Atlético faz 10 pontos e lidera o Grupo A, com vitória por 1 X 0 em cima do Campinense no Perpetão em Cajazeiras

O Atlético provou, neste domingo, que tem time para brigar pelo título estadual. Em seu reencontro com a torcida, o Trovão Azul venceu o Campinense por 1 a 0, no Estádio Perpetão, em Cajazeiras.

Paulinho, que saiu do banco de reservas, marcou o tento do time sertanejo no segundo tempo. Com o triunfo, o Atlético se manteve na liderança isolada do Grupo A, com 10 pontos.

Já o Campinense, que vinha com 100% de aproveitamento na competição, ainda se mantém na ponta do Grupo B, com seis pontos, mesma pontuação do Sousa, que deve ter seu jogo adiad com o Botafogo-PB, pela quarta rodada.

Na próxima rodada, o Campinense fará clássico com o Treze, domingo. Antes, estreia contra na Copa do Brasil diante do Atlético Mineiro, nesta quarta-feira. O Trovão Azul vai enfrentar o Sousa, domingo, em Cajazeiras.

Ficha Técnica

Atlético-PB
Ariel, Filipinho, Wesley, Egon e Davi; Ferreira, Edgar (Paulinho), Mendes e Marcinho; Éder Paulista e Costela (Caíque). Técnico: Ederson Araújo

Campinense
Adilson Júnior, Allefe (Igor), Vitão, Uesles e Matheus Camargo; Pêu, Robertinho, Matheus Silva e Romário Becker; Fábio Júnior (Zé Paulo) e Vargas (Andrew). Técnico: Oliveira Canindé

Árbitro – Marcelo Aparecido Ribeiro
Assistentes – Kildenn Tadeu e Rafael Guedes
Gols – Paulinho (A), aos 15min do 2º T
Cartão amarelo – Paulinho (A), Robertinho (C).

 

Com Paraíba Online

porpjbarreto

Operadora de plano de saúde deve fornecer tratamento home care para idosa de 100 anos

Desembargador José Ricardo Porto

O desembargador José Ricardo Porto manteve decisão do Juízo da 5ª Vara Cível da Capital que determinou a Unimed Vitória – Cooperativa de Trabalho Médico e a Benvix Administradoras de Benefícios Ltda. fornecerem o tratamento denominado “home care” (atendimento médico em casa), em 24 horas, a uma idosa, com 100 anos de idade, que padece de insuficiência cardíaca diastólica, pneumonia por brancoaspiração, fibrilação antrial crônica, diabetes não insulino-dependente, hipotireoidismo e mal de Alzheimer. A decisão foi proferida nos autos do Agravo de Instrumento nº 0813222-47.2019.815.0000.

Nas razões do recurso, a agravante alegou que a sua responsabilidade na prestação de serviços é aquela delimitada em contratos e nos termos da legislação que rege a saúde suplementar, bem como que a agravada não contratou plano de saúde domiciliar. Alegou, ainda, que a assistência domiciliar tem que ser concedida pelo SUS e até mesmo pela família.

Ao decidir a questão, José Ricardo Porto ressaltou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que na hipótese em que o serviço de home care não conste expressamente do rol de coberturas previsto no contrato do plano de saúde, a operadora, ainda assim, será obrigada a custeá-lo em substituição à internação hospitalar contratualmente prevista, desde que respeitados alguns requisitos, quais sejam, tenha havido indicação do tratamento pelo médico assistente, o paciente concorde com o tratamento domiciliar e não ocorra uma afetação do equilíbrio contratual em prejuízo do plano de saúde.

Segundo o desembargador, os requisitos impostos pelo STJ estão devidamente preenchidos, já que houve indicação médica e a paciente concordou com o tratamento, tanto que buscou, na esfera judicial, sua prestação. Além do que, a operadora não demonstrou que a oferta do serviço lhe ocasionaria qualquer prejuízo consistente em gastos superiores ao que teria em caso de internação.

“É importante consignar que o tratamento domiciliar em questão não é um procedimento simples, a ser facilmente executado pelos familiares e pessoas sem conhecimentos técnicos, mas, ao contrário, requer rígido acompanhamento profissional de alta responsabilidade”, ressaltou. Cabe recurso da decisão.

Assessoria – TJPB