Arquivo de tag pública

porpjbarreto

Convite: Câmara Municipal de Cajazeiras vai realizar sessão para debater sobre segurança pública

O presidente da Câmara Municipal de Cajazeiras, Vereador José Gonçalves de Albuquerque – “Delzinho da Arara”, convida toda sociedade, para importante debate sobre segurança pública e grande número de assaltos e roubos na cidade.

A referida sessão é uma propositura do Vereador Rivelino Martins Ferreira (PSB).

Data: segunda-feira (10) de fevereiro, de 2020.

Local: Câmara Municipal de Cajazeiras.

Horário: Às 18 horas.

 

Assessoria

porpjbarreto

Imagens fortes: Duplo homicídio em praça pública de Catolé do Rocha, no Sertão paraibano

Grande correria se deu na noite da última terça-feira (07), por volta das 20hs20, quando uma moto com dois elementos se aproximou de um grupo de jovens e acabou praticando um duplo homicídio na Praça Sérgio Maia, (ao lado da Avenida Américo Maia), Centro de Catolé do Rocha, no Sertão paraibano.

De acordo com informações recebidas nas redes sociais, dois homens em uma motocicleta de cor preta se aproximaram de um grupo de jovens e efetuaram vários disparos de arma de fogo, atingindo às vítimas, duas delas morreram no local. Renan da Silva Gomes, foi atingido em uma das pernas, foi socorrido para o Hospital Regional de Catolé do Rocha e não corre risco de morte.

Após efetuarem os disparos, os autores do referido crime tomaram rumo ignorado.

A Polícia Militar foi acionada, mas até o momento não conseguiu localizar ou identificar os criminosos.

– As vítimas foram identificadas por Maria Clara Rodrigues, companheira de Renan da Silva Gomes e sua irmã, Adriana da Silva Gomes. De acordo com o delegado que investiga o caso, quatro jovens seriam alvos do ataque, sendo atingidos os três acima mencionados.

Redação

porpjbarreto

Vídeo: Psicóloga do CAPS de Cajazeiras ameaça chamar a polícia para radialista nesta manhã de segunda (18)

A radialista Gorete Videres tem enfrentado nos últimos meses muitas pressões, agressões verbais e, principalmente ameaças.

Após uma série de denúncias que a mesma tem feito a pedido da população sofrida e carente, agentes públicos e servidores de órgãos da Prefeitura de Cajazeiras – têm massacrado a profissional de rádio.

Em uma visita nesta manhã de segunda-feira (18), desta vez, ao CAPS da Rua Barão do Rio Branco, no Centro de Cajazeiras, Gorete realizava seu trabalho e foi ameaçada por uma servidora que chegava ao referido local, a moça que é psicóloga contratada empunhava o dedo indicador e brava ameaçou chamar a polícia.

A pedido de um usuário, Gorete se viu no direito e na razão de levar as informações ao público, que na maioria das vezes se cala por alguma razão.

A direção do órgão publicou nas redes sociais, uma Nota de Esclarecimentos dando conta que o trabalho de Gorete Videres é “Fake News”.

Leia abaixo, a nota na íntegra:

 

Nota de Esclarecimento CAPS AD: Denúncia falsa sobre Caps Ad

Em virtude das notícias falsas em circulação acerca da possível denúncia do usuário Adriano (Pintinho), a coordenação do Caps Ad (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas )– que é um dispositivo da saúde mental que acolhe e trata usuários do SUS e seus familiares com prejuízos decorrentes do uso abusivo e dependência de Substâncias Psicoativas, vem a público reforçar que o trabalho desenvolvido vem da valorização do Centro e segue fortalecido com portas abertas o tratamento de todos que precisam , temos toda equipe capacitada para este trabalho , onde existe um cronograma de atividades com os profissionais e atendimentos médico ( psiquiatra ) , enfermagem , psicólogos , assistente social , monitores , cozinheira , auxiliar de serviços gerais e farmacêutico. Uma equipe completa.

Infelizmente o Adriano (usuário) ultimamente vem ao Caps embriagado, sob efeito de drogas e fazendo desordem no local, agredindo funcionários e ameaçando. Tivemos que pedir por várias vezes reforço ao batalhão para ter que sair do Caps AD onde o mesmo já frequenta a mais de 14 anos e não aceita o tratamento. Lembrando que a senhora Goretty Videres entrevistou o usuário em uma situação em que o mesmo não estava em si. Usando a imagem onde o próprio mostra estar sob efeito de álcool e outras substâncias. Para haver uma denúncia precisamos primeiramente ouvir as duas partes e não dessa forma manipuladora em questão da politicagem.

Em nota, o CAPS AD reforça a necessidade de os profissionais e da população não compartilharem informações que possuam origem duvidosa ou que não sejam fidedignas, tendo em vista a crescente distribuição deliberada de desinformação e boatos, as Fake News (notícias falsas).

Abaixo, a denúncia do usuário conhecido por “Pintinho”. Veja!

 

Redação 

porpjbarreto

Convite: Audiência Pública da ALPB e Câmara Municipal de Cajazeiras, para tratar da revitalização do Açude Grande

O presidente da Câmara Municipal de cajazeiras, “Casa Otacílio Jurema”, Vereador José Gonçalves de Albuquerque, tem a grata satisfação de convidá-lo(a) à participar de Audiência Pública, conjunta com a Assembleia Legislativa do Estado, atendendo propositura do Vereador Rivelino Martins Ferreira (PSB).

Tema: Debate sobre a revitalização do Açude Senador Epitácio Pessoa, (Açude Grande).

Data: sexta-feira (25/10/2019)

Horário: 18 horas

Local: Câmara Municipal de Cajazeiras, Praça Ana de Albuquerque, S/N, Centro – Cajazeiras – PB.

porpjbarreto

Divulgado resultado de chamada pública para aquisição de alimentos no IFPB, Campus Cajazeiras

O Campus Cajazeiras divulgou o resultado da chamada pública para aquisição de gêneros alimentícios oriundos da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar Rural. A abertura dos envelopes aconteceu na última sexta-feira (18) na sala de reuniões da Diretoria de Administração, Planejamento e Finanças.

Segue os resultados: Ata de Abertura de Envelopes e Resultado por Fornecedor.

 

Assessoria de Imprensa – IFPB/Cajazeiras

porpjbarreto

Justiça condena ex-vereador de JP e mais três pessoas por desvio de verba pública no valor de R$ 53 mil

Juiz Rusio Lima de Melo.

O magistrado Rusio Lima de Melo julgou procedente em parte a denúncia para absolver o réu Adelbarã Bezerra de Melo e condenar Evandro Sérgio de Azevedo Araújo, ex-vereador de João Pessoa conhecido como Sérgio da SAC (quatro anos de reclusão e dois de detenção, com 40 dias-multa), Michelle Pinto Araújo, filha de Evandro Sérgio (um ano de reclusão e 10 dias-multa, substituído por prestação de serviço à comunidade ou entidades públicas), Paulo Sérgio da Silva Carneiro e Moacir Rodrigues da Silva Júnior (ambos, a cinco anos de reclusão e dois, de detenção, com 50 dias-multa), acusados de desviarem recursos públicos. O ex-vereador Evandro foi condenado por fraude licitatória, apropriação indébita, falsificação de documento particular e falsidade ideológica. Paulo Sérgio e Moacir, pelos mesmos crimes, além do de uso de documento falso. Michele, apenas por apropriação indébita.

Conforme a síntese da denúncia do MP, os réus Paulo Sérgio da Silva Carneiro, Moacir Rodrigues da Silva Júnior, Aldebarã Bezerra de Melo, sob a coordenação do então vereador de João Pessoa, Evandro Sérgio, e Michelle Pinto, montaram um esquema para desviar recurso público por meio da Associação Esportiva, Cultural, Recreativa e Comunitária do Bairro Valentina de Figueiredo.

Ainda de acordo com os autos, eles teriam se apropriado do valor de R$ 53.300,00, oriundos do Convênio nº 23/2010, falsificando documentos comprobatórios da capacidade financeira da entidade, fabricando cheques e extratos bancários, a fim de comprovar a possibilidade de adimplir a contrapartida financeira para, assim, receberem os recursos, e, em outro momento, atestarem ter depositado e utilizado o valor integral do convênio (R$ 53.300 originário da PBTur e R$ 4.264,00 correspondente à contrapartida da Associação convenente, totalizando R$ 57.564,00).

A denúncia afirma que o vereador Evandro Sérgio de Azevedo Araújo foi de fundamental importância no esquema, pois, através de lobby político, angariou do Governo do Estado o convênio para a realização de uma festa carnavalesca denominada II Carnaval do Sol, permitindo a transferência do valor para os cofres da Associação, por meio de convênio celebrado com a Empresa Paraibana de Turismo (PBTur), tudo com divulgação jornalística na internet e em jornais que noticiavam que a quantia liberada havia sido resultado da atuação do vereador Sérgio da SAC.

Moacir Rodrigues, além de ter assinado o convênio como testemunha, era o proprietário da empresa Zen Produções, responsável pela produção do evento. Por ocasião da prestação de contas do convênio, identificou-se a falsificação de documentos, a exemplo da montagem do extrato bancário que serviu de comprovante da contrapartida da associação, e o cheque de saque no valor de R$ 57.564,00, que nunca existiu, conforme o extrato verdadeiro, e, que segundo o Banco do Brasil, não foi sequer impresso.

Segundo a peça acusatória, também, que os réus Paulo Sérgio e Aldebarã Bezerra assinaram os cheques de saque. Paulo Sérgio, presidente da Associação, também assinou convênio com a PBTur e encaminhou a prestação de contas ao órgão. Já Michelle Pinto teria recebido o valor referente ao cheque e preparado os papéis para o recebimento do convênio, sendo responsável por organizar e executar a festa (junto a Moacir), manuseando a verba pública sem nenhum tipo de controle, a ponto de haver incompatibilidade na prestação de contas.

“No caso dos autos, pelo confronto dos depoimentos e análise da documentação existente, resta claro que todos os acusados assumem alguma conduta em relação ao convênio, bem como se acusam mutuamente em relação a outras ações delitivas”, afirmou o juiz.

Ao julgar, Rusio Lima de Melo observou que, no caso em tela, havia previsão de se observar o regramento atinente ao procedimento licitatório, tendo sido feita uma montagem de proposta de preços das empresas, a fim de beneficiar quem realmente foi contratado: a Zen Produções, de Moacir Rodrigues, um dos réus. Também ficou comprovada a materialidade dos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e uso das referidas peças adulteradas.

O magistrado afastou o requerimento de condenação pelos crimes de formação de quadrilha – por entender que a denúncia se reportou, exclusivamente, ao Convênio 23/2010, sem comprovação de que existia estabilidade ou permanência do grupo – e de peculato, por ser crime praticado por funcionário público contra o patrimônio da entidade que integra, o que não ocorreu, pois o fato envolve uma Associação sem fins lucrativos.

Em relação ao réu Adelbarã, o juiz explicou que, embora haja a sua assinatura no cheque fraudulento, nenhum dos réus cita o nome dele como envolvido de maneira consciente nos crimes. O próprio acusado afirmou ter assinado o cheque em branco para uma finalidade diversa, havendo falta de provas que evidenciem a sua participação dolosa nos crimes mencionados, devendo, portanto, ser absolvido. Da decisão cabe recurso.

Assessoria de Imprensa – JTPB