Arquivo de tag Hospital do Bem

porpjbarreto

Hospital do Bem realiza ação para marcar Dia Mundial de Combate ao Câncer

Estima-se que 1,5 milhão de mortes anuais por câncer poderiam ser evitadas com medidas adequadas de prevenção. Esse alerta foi feito na manhã desta terça-feira (04), por profissionais que atuam no Hospital do Bem, na data em que se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer. Na ocasião, a Oncologista Nayarah Castro e o Cirurgião Oncológico Wostenildo Crispim realizaram uma abordagem com orientações de saúde e prevenção para pacientes, acompanhantes e funcionários da unidade oncológica que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, de Patos.

“Essa data é muito importante para que a gente possa relembrar a diferença que faz a identificação da doença ainda em seu estágio inicial. Quanto mais precoce for o diagnóstico, melhor para o paciente, para a terapêutica e para o sucesso do tratamento também”, destaca a médica. Ela reitera que as pessoas devem estar atentas a alguns sinais, tipo manchas estranhas na pele, nódulos nos seios e axilas, febre contínua, feridas que não cicatrizam, indigestão constante e rouquidão crônica e que os homens realizem o exame da próstata e dos testículos periodicamente após os 40 anos. “Hoje nós temos disponível aqui em Patos uma unidade que é um espaço que pode ajudar neste diagnóstico precoce e possibilitar um imediato início do tratamento”, destaca Dra. Nayarah.

Dr. Wostenildo Crispim reforçou a importância da identificação precoce da doença, lembrando que essa data comemorativa de 04 de Fevereiro já completa duas décadas e que ela torna-se ainda mais relevante a cada ano.  “A detecção precoce se baseia na seguinte premissa: quanto mais cedo diagnosticado o câncer, maiores as chances de cura, a sobrevida e a qualidade de vida do paciente, por isso, identificar a doença em seu estágio inicial faz toda a diferença tanto no atendimento a esse paciente, quanto nas chances de cura dele”, enfatizou o médico, lembrando que as estratégias para a detecção precoce do câncer incluem rastreamento e diagnóstico precoce.

A paciente Marlene da Silva Melquiades, 56 anos, da cidade de Patos, esteve hoje no Hospital do Bem para dar continuidade a sua quimioterapia e disse que a identificação mais cedo faz toda a diferença. “Tive que fazer uma mastectomia, por causa de um câncer de mama que talvez não tivesse sido tão invasivo se eu descobrisse a doença mais cedo, mas, o importante é encarar o tratamento e não perder a fé que tudo dará certo”, disse ela, elogiando a equipe do Hospital do Bem. “O atendimento aqui é ótimo, todos no tratam muito bem, da auxiliar de serviços até o médico, todos aqui os acolhem com muito carinho”, afirmou ela, enquanto tomava sua medicação intravenosa na sala de quimioterapia da unidade.

A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, reforçou a diferença que faz o diagnóstico precoce. “Muitas de nossas pacientes que tiveram câncer de mama e que já tocaram o sino da cura descobriram a doença em sua fase inicial e atestam essa premissa de altos índices de cura quando a doença é identificada no início”, reforça ela.

Sobre o Dia Mundial do Câncer

O Dia Mundial do Câncer, 4 de fevereiro, é uma iniciativa global organizada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). Criada em 2000, por meio da Carta de Paris contra o câncer, a data tem como objetivo aumentar a conscientização e a educação mundial sobre a doença, além de influenciar governos e indivíduos para que se mobilizem pelo controle do câncer evitando, assim, milhões de mortes a cada ano.

 

Assessoria

porpjbarreto

Patos: Hospital do Bem registra cura do câncer em 24 mulheres

O Hospital do Bem, unidade de oncologia que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, de Patos, tem um papel importante no que diz respeito ao acolhimento e tratamento de pacientes com câncer no sertão paraibano. Somente no ano passado, a unidade realizou 1.296 sessões de quimioterapia, 3.342 consultas por especialidades e ainda 534 cirurgias, em pacientes de 84 municípios. Nesse universo, ao longo de 2019, 24 mulheres comemoraram a cura da doença e tocaram um sino, localizado no hall da unidade, que simboliza a superação do câncer após o final do tratamento.

Uma dessas mulheres foi a professora aposentada  Miriam Medeiros dos Santos, de 65 anos, da cidade de Malta, que superou um câncer de mama. Dona de uma alegria contagiante, Miriam desde o diagnóstico da doença até a cura, nunca perdeu a alegria de viver, nem deixou de sorrir. Nem mesmo quando seus cabelos caíram após a primeira sessão de quimioterapia. “Eu sou muito prática e acho que a vida é feita de escolhas e eu escolhi ser feliz. Eu escolhi que iria viver e fazer o possível para me curar e tive a sorte de contar com o Hospital do Bem nessa jornada”, afirma ela, que iniciou o tratamento na unidade em novembro de 2018, fez cirurgia em janeiro de 2019 e começou a quimioterapia em março do mesmo ano, encerrando o ciclo de tratamento com a radioterapia, no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa. Ela tocou o sino da cura em setembro do ano passado.

“O Hospital do Bem faz jus ao nome. As pessoas lá são muito humanas, acolhedoras, amáveis, tratam os pacientes muito bem e isso faz toda a diferença para quem está passando por um tratamento, especialmente, o câncer que tem todo um estigma”, afirma Miriam, que está lançando no próximo dia 15 de fevereiro, no CRAS de Malta, o livro ‘Lições da Vida’. A obra é uma coletânea de pensamentos e reflexões sobre como encarar os desafios, contratempos e adversidades, sem perder a fé na vida, nem a alegria de viver. “Não escrevi o livro unicamente por causa da doença, mas por um conjunto de fatores que me levaram a refletir que posso, através de minhas reflexões, de minhas experiências e superações, inspirar outras pessoas”, disse ela, que perdeu a única filha mulher, aos 36 anos, de um enfarte fulminante. “Eu sou feliz por mim e por ela”, afirma Miriam que em partes do livro, o primeiro que ela escreve, faz referências ao Hospital do Bem e agradecimentos à equipe da unidade.

Um fato curioso na história de Miriam, é que ela descobriu o câncer após sonhar com pessoas de branco que apontavam para seu seio. “Acordei de madrugada, após esse sonho, com dor de cabeça e fui tomar um analgésico. Lembrei do fato e fui apalpar meus seios e descobri o nódulo”, conta ela, que um ano antes tinha feito uma mamografia que não tinha acusado nada de anormal. “Uma das primeiras coisas que me perguntei ao saber da doença foi: Deus, o que eu preciso aprender com essa experiência? e superado todas essas etapas acho que descobri: a felicidade é uma escolha que a gente faz e eu escolhi ser feliz”, destaca ela.

Das 24 mulheres que junto com Miriam tocaram o sino da cura do Hospital do Bem, em 2019, 19 se trataram de câncer na mama, quatro de câncer no ovário e apenas um caso foi na Vesícula Biliar. 16 pacientes fizeram tratamento adjuvante, ou seja, primeiro realizaram a cirurgia de retirada do tumor para, em seguida, passar pela quimioterapia e oito fizeram tratamento neoadjuvante, quando a quimio é feita antes da cirurgia. Essa última terapêutica é indicada para pacientes com tumores acima de 5cm. Essas 24 pacientes, com idades entre 31 anos, a mais nova, e 75 anos, a mais idosa,  são da cidade de Bom Jesus, Coremas, Água Branca, Malta, Santa Luzia, Taperoá, Santana dos Garrotes, Areia de Baraúnas, Pombal, São Mamede, Imaculada, Belém do Brejo do Cruz, Vista Serrana, São Jose do Bomfim, Santa Luzia, Sousa e Patos.

A oncologista do Hospital do Bem, Dra. Nayarah Castro, afirma que é uma alegria muito grande cada sino tocado, porque isso simboliza o sucesso do tratamento e superação da doença. “Como médica me sinto feliz em poder fazer parte destas 24 histórias de sucesso, de alegrias e de vitórias. É uma honra ver o quanto avançamos em relação ao tratamento oncológico e podemos oferecer esperança aos pacientes e seus acompanhantes. Me sinto feliz por saber que os pacientes são tratados não apenas no que diz respeito às medicações administradas: me sinto feliz em poder fazer parte de uma equipe que trata o paciente nas esferas emocionais, espirituais e orgânicas”, destaca a oncologista.

A médica esclarece que a cura definitiva da maioria dos cânceres é dada após o acompanhamento por 5 a 10 anos, sem demonstração de retorno da doença. “O sino da cura marca o término dos tratamentos de quimioterapia, após a realização dos primeiros exames que demonstraram a não existência de doença em atividade. Por isso, é importante que os pacientes façam o acompanhamento oncológico a cada três meses”. Reitera Dra. Nayarah.

A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, destaca que o Hospital do Bem vem cumprindo com muita satisfação a sua missão de não apenas acolher bem como tratar os pacientes de câncer no interior do Estado. “É muito gratificante para todos da equipe, quando um paciente toca o sino da cura porque sabemos quantas batalhas cada um deles teve que enfrentar pela superação da doença. E essa superação, que é individual de cada paciente, termina tornando-se coletiva porque envolve todos os profissionais que empregam seu talento, competência, conhecimento e doação para que essas pessoas consigam ressignificar a vida e continuarem suas jornadas livres de uma doença que é ainda muito estigmatizante, apesar dos avanços do tratamento”, reitera Liliane, lembrando que o Hospital do Bem tem atendimento ambulatorial, tratamento quimioterápico e cirúrgico, para quatro tipos de câncer: pele, próstata, mama e colo de útero. A sala de quimioterapia da unidade tem capacidade para atender dez pacientes simultaneamente.

Para o coordenador Administrativo do Hospital do Bem, Thiago Viana, um profissional que tem contato com todos os pacientes e não raro os recebe na porta do Hospital, reunir tantas histórias de superação é um estímulo nessa árdua batalha contra o câncer. “Vivemos intensos sentimentos ao conhecer a história de vida de cada um de nossos pacientes, então o sentimento da felicidade ganha outra dimensão com a tão sonhada vitória na luta contra o câncer que é a cura e a batida do sino”, destaca ele que atua na unidade desde a inauguração, em setembro de 2018.

 

Assessoria 

porpjbarreto

Hospital do Bem realizou mais de 3 mil atendimentos em 2019

O Hospital do Bem – unidade de oncologia do Sertão, que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos, está cumprindo sua missão de acolher e tratar os pacientes de câncer no interior do Estado. Absorvendo boa parte do contingente de pessoas que antes da unidade só tinham a opção de tratamento de câncer em Campina Grande ou em João Pessoa, o Hospital contabilizou, a longo de 2019, a realização de 1.296 sessões de quimioterapia, 3342 consultas por especialidades e ainda 534 cirurgias, em pacientes de 84 municípios do sertão paraibano.

O Hospital tem atendimento ambulatorial, tratamento quimioterápico e cirúrgico, para quatro tipos de câncer: pele, próstata, mama e colo de útero. A sala de quimioterapia da unidade tem capacidade para atender dez pacientes simultaneamente. Das 3342 consultas por especialidade, a maior parte delas foi de Oncologia Clínica, com 1.939 casos, seguido de Mastologia com 419, Colo Uterino com 407, Pele com 391 casos e Urologia com 186.

 A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, reitera a importância do Hospital do Bem no atendimento de pacientes próximos de suas cidades. “Antes da disponibilidade de nossos serviços, os pacientes oncológicos do interior viviam uma dura rotina de ter que se deslocar cerca de 350 km até a Capital ou Campina Grande, para realizarem seus tratamentos. Com a disponibilidade dos serviços oncológicos de média e alta complexidade em Patos, esse tratamento pode ser feito mais próximo da residência dos pacientes, o que impacta positivamente na melhoria da qualidade de vida dessas pessoas, que não mais precisam enfrentar o tratamento, seguido do desgaste do deslocamento destas viagens muito longas, tendo toda a assistência necessária no Hospital do Bem que segue os mesmos protocolos de hospitais que tratam o câncer”, destaca Liliane.

Hospital do Bem, lembra Liliane, só atende pacientes regulados, ou seja, com consultas e procedimentos já agendados previamente, via Secretarias de Saúde dos municípios, através da Central de Regulação do Estado. Desde que foi fundado, em 03 de setembro de 2018, os tipos de maior incidência de câncer atendidos na unidade foram os de mama e colo uterino.

Assessoria 

porpjbarreto

Maternidade de Patos capacita colaboradores para melhor assistir pacientes que forem vítimas de violência sexual

Desde 2013 que os hospitais públicos do país devem ofertar assistência integral a pacientes vítimas de violência sexual. Isso é o que preconiza a Lei 12.845. Na Maternidade Dr. Peregrino Filho, de Patos, essa questão é levada muito a sério, tanto que a equipe é frequentemente treinada para atuar nessas circunstâncias, ofertando um serviço que estimule a empatia, a solidariedade, o acolhimento humanizado e sobretudo um serviço eficiente e de qualidade para pacientes que sofreram violência sexual. Nesta quinta-feira (19), houve uma capacitação neste sentido para os colaboradores recém contratados e também para outros funcionários que sentiram a necessidade de se atualizar.

A capacitação aconteceu no auditório do Banco de Leite e foi conduzida pela Psicóloga, Tuanny Dantas e pelo Farmacêutico, Rodrigo Jefferson, que integram a Comissão de Violência Sexual da unidade. “Atualizamos nosso pessoal em relação às políticas nacionais mais recentes, como se dá o fluxo de atendimento, quais intervenções precisam ser feitas nestes casos de violência sexual, qual a importância desse atendimento obrigatório e outras questões inerentes a essa temática”, explica a psicóloga. Thuany. Ela lembra que a Maternidade é um serviço de referência e que esse atendimento precisa ser diferenciado, ininterrupto e realizado 24h, por uma equipe multidisciplinar.

O Farmacêutico, Rodrigo Jefferson falou sobre as profilaxias para HIV, infecções sexualmente transmissíveis e hepatites para vítimas de violência sexual atendidas na Maternidade. Foi apresentado os medicamentos que são utilizados durante o tratamento, o fluxo de dispensação e orientações a serem discutidas com a pessoa exposta a essa violência. “Essa intervenção se faz necessária para evitar que a vítima de violência sexual adquira uma doença transmitida pelo agressor, tanto o vírus HIV como outras infecções sexualmente transmissíveis que podem ser evitadas com essa assistência imediata”, explica Rodrigo, lembrando que todas as profilaxias adotadas na Maternidade seguem protocolos do Ministério da Saúde, que são obrigatórios em toda a rede de atendimento do SUS.

O diretor geral da Maternidade, Dr. Umberto Marinho Júnior, reitera a importância da equipe da unidade estar preparada para atender casos desta natureza e da paciente buscar atendimento o mais rápido possível. “É preciso saber identificar e mais ainda tratar de forma adequada e imediata as pacientes que apresentem sintomas que possam estar relacionados ao abuso e à agressão, possibilitando, dessa forma, um atendimento integral e de qualidade. E é isso que essa capacitação busca, além, é claro, de disponibilizar um serviço que acolha essa paciente com humanização a fim de minimizar os traumas oriundos dessa violência”, destaca o médico, lembrando que a Maternidade mantém uma Comissão de Violência Sexual que tem justamente esse desafio cotidiano. Dr. Umberto reitera que é imprescindível que as vítimas busquem assistência o mais rápido possível e que essa assistência passa ainda pela Delegacia da Mulher e por um acompanhamento psicossocial.

Assessoria 

porpjbarreto

Exposição ‘Bruta Flor’ transforma sofrimento em arte e retrata a beleza de pacientes do Hospital do Bem que ainda estão em tratamento

Ressignificar o sofrimento e angustia de mulheres que fazem tratamento contra o câncer de mama transformando esse processo de cura em arte e mostrar que a beleza existe e resiste mesmo em condições adversas. Essa é a tônica da exposição fotográfica ‘Bruta Flor’ que utilizou como personagens 13 pacientes do Hospital do Bem, de Patos, que fazem tratamento contra câncer de mama na unidade. A mostra, que está na Livraria Nobel, no Guedes Shopping, até o próximo dia 21, na sequência, com data a ser definida, estará exposta no hall de entrada do Hospital do Bem. Depois segue em exposição itinerante. As fotos foram feitas por Thayse Gomes.

A mostra foi uma iniciativa da dermatologista Marcília Lopes, que produziu para sua Clínica, que leva seu nome, em parceria com a ONG ‘Amigas Viva a Vida’, um calendário com as modelos paciente. Como o resultado ficou muito bonito, o projeto inicial foi ampliado para a exposição que deve passar a ser itinerante, tendo como segundo local de apresentação o Hospital do Bem. Os calendários serão vendidos e toda a renda revertida para a ONG.

A diretora geral do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC), Liliane Sena, foi quem solicitou que a mostra também fosse exposta na unidade. “O resultado ficou muito lindo. As fotografias ficaram maravilhosas e valorizam de uma forma muito singular a beleza dessas mulheres que ressignificam o sofrimento com o sorriso, passando uma mensagem de otimismo diante do enfrentamento de todos os percalços da doença”, destaca a diretora. O Hospital do Bem integra o Complexo e atende não apenas casos de câncer de mama, como de pele, próstata e útero.

A presidente do grupo ‘Amigas Viva a Vida’, Gerusa Delfino, ficou muito contente com o calendário e com o resultado final da mostra e mais ainda com a mensagem que passa a exposição. “Essas fotos passam esperança e alegria, exaltam a beleza dessas mulheres guerreiras e mostra que é possível sorrir e se achar bonita mesmo passado por um tratamento oncológico. Essa mostra é, na realidade, uma fonte de inspiração para todos nós”, disse Gerusa.

Ficha técnica

A fotografa Thayse Gomes foi quem fez as imagens e toda a produção em estúdio, a maquiagem foi Philip Aires e Chaiane Mendes. A iniciativa contou ainda com o patrocínio de Maciel Martins- Cabelos, da Casa Pronta, Pharmapele, Colégio Geo, Rei dos Salgados, Mithus Jóia, Afetto, Carolina Presentes Rebeca da Maison A, Guedes Shopping e Livraria Nobel.

Assessoria

porpjbarreto

Paciente com tipo raro de câncer de mama recebe diagnóstico de cura após fazer cirurgia e tratamento no Hospital do Bem

Essa quarta-feira (04) marca um momento muito especial para a Sra. Marineide de Sousa Lima, 39 anos, da cidade de Pombal, que foi diagnosticada com um tipo raríssimo de câncer de mama: um carcinoma metaplásico de células fusiformes, responsável por menos de 1% dos diagnósticos, sendo, este o 9° caso em todo o mundo. Mas, o marco da data para Marineide, que hoje tocou o sino da cura do Hospital do Bem, não está atrelado ao diagnóstico do câncer, e sim a batalha vencida, ao tratamento de sucesso e a volta por cima, com um recomeço surpreendente. Todo o tratamento da paciente foi feito no Hospital do Bem, em Patos, desde a cirurgia de mastectomia, realizada pelo mastologista Thiago Pereira, logo após a identificação da doença, em junho, e depois todo o acompanhamento das sessões quimioterápicas, pela oncologista, Nayarah Castro. “Eu nasci de novo e só tenho gratidão em meu coração por todos deste hospital”, disse Marineide após tocar o sino.

A médica que acompanhou a Sra. Marineide destaca que o caso dela tem uma importância destacada em função da natureza rara do tumor, o que motivou, inclusive, que equipes de centros oncológicos de São Paulo acompanhassem a evolução da paciente. “O Carcinoma ductal infiltrante é um tipo mais frequentem histologicamente falando em relação aos tumores da mama, porém o tumor de nossa paciente se trata de um carcinoma metaplásico de células fusiformes e por isso ele se tornou especial, além de raro é agressivo e muito provavelmente tem relação genética por conta do histórico familiar dela, que teve sua mãe, uma prima e uma tia acometidos da mesma doença.  Diferente de suas parentes que não resistiram à doença, além de ter tido um diagnóstico precoce, ela teve uma abordagem rápida, tanto da cirurgia como o tratamento adjuvante o que culminou com a cura”, disse Dra. Nayarah.

Ainda segundo a médica, após exames específicos que incluíram o Linfonodo Sentinela, que apontou que a doença estava no estágio inicial e localizado, foi feita a cirurgia e, posteriormente, as sessões de quimioterapia que consistiram de 12 aplicações semanais de Carboplatina e Paclitaxel, seguido de mais quatro ciclos de Adriarrubicina, mais Ciclofosfamida, a cada catorze dias. O tratamento quimioterápico foi iniciado no dia 10 de junho e encerrado no dia 13 de novembro. Segundo a médica, o tratamento foi mais intenso exatamente por causa da agressividade do tumor eu necessitava desse tipo de conduta.

O fato da paciente ser jovem, com apenas 39 anos, não ter doenças pré-instaladas como diabetes ou hipertensão, ter sido bem acompanhada, e ter descoberto a doença no estágio inicial, facilitou o sucesso de seu tratamento, segundo a Dra. Nayarah. Ela lembra que cerca de 80% dos diagnósticos de câncer de mama são carcinomas ductais invasivos, que se inicia em um duto de leite, rompe a parede desse duto e cresce no tecido adiposo da mama. “No caso da Sra. Marineide era uma variante muito rara e agressiva, mas com o tratamento adequado conseguimos superar a doença e hoje ela está curada”, reitera a médica.

O exame que identificou o tipo de câncer da paciente foi o imuno-histoquímico (uma biópsia), realizado através do próprio Hospital do Bem. Esse é um método de análise dos tecidos via microscópio para identificar características moleculares das doenças. A análise tem diversas aplicações, como o diagnóstico de doenças inflamatórias, infecciosas e neoplasias, sendo determinante também no prognóstico do câncer, já que o exame pesquisa moléculas associadas a diferentes tipos de tumor. Já o exame que identificou a cura foi o Estadiamento Tomográfico de corpo inteiro.

Para a diretora do Complexo, Liliane Sena, ouvir o sino tocar novamente e num caso tão raro como esse enche de esperança toda a equipe. “Todo paciente que atinge a cura, nos enche de alegria e nos impulsiona ainda mais, porque essa é uma vitória do paciente, que acredita e se trata, mas, também é de toda uma equipe que direciona seus esforços, talento, competência e instrumentos para que isso aconteça. Ouvir o badalar do sino toca os nossos corações profundamente porque isso significa a vida para todos nós”, disse Liliane, lembrando que o toque do sino foi criado para marcar simbolicamente cada história de sucesso após tratamento na unidade.

O Hospital do Bem faz parte do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos e oferta serviços de diagnóstico, tratamento ambulatorial com consultas médicas, cirurgias oncológicas e quimioterapia para os casos de câncer mais incidentes na região que são os de próstata, mama, colo de útero e pele.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

Pacientes participam de atividades lúdicas no Hospital do Bem em alusão ao Novembro Azul

A hospitalização é um acontecimento na vida que traduz diferentes sentimentos tais como dor, esperança, recomeço e até perdas. E quando o tratamento envolve serviços oncológicos a tensão tende a ser ainda maior, muito mais pelo estigma da doença que do próprio diagnóstico, haja vista a evolução da cura do câncer nos últimos anos. Nesse sentido, além do auxílio da equipe de saúde e de serviços disponibilizados, nesta sexta-feira (22) os pacientes do Hospital do Bem, de Patos, viveram momentos de ludicidade e durante toda a manhã transformaram a recepção da unidade num ambiente de alegria com a realização de jogos de cartas, de dama, de xadrez e dominó. Era facultado a cada um deles brincar à vontade, antes ou depois das consultas e tratamento.

“O uso de atividades lúdicas contribui para a humanização do atendimento prestado, proporcionando momentos de descontração. A ideia dos jogos faz parte das atividades do Novembro Azul eu estamos desenvolvendo ao longo deste mês e teve como objetivo transformar o ambiente, proporcionando uma melhor aceitação e elaboração da situação vivenciada no hospital”, destaca a diretora geral do Complexo Hospitalar  Regional Deputado Janduhy Carneiro, Liliane Sena.

Assessoria 

porpjbarreto

Crianças do projeto AABB Comunidade visitam Hospital do Bem e se encantam com estrutura, acolhimento e serviços da unidade

Crianças e jovens que integram o projeto de Inclusão Digital da AABB Comunidade estiveram na manhã da última segunda-feira (11) no Hospital do Bem, em Patos, e tiveram a oportunidade de conhecer as instalações da unidade e os serviços oncológicos disponibilizados à população, conversar com pacientes e funcionários. A visita, que faz parte de atividades de um curso piloto desenvolvido pelo AABB Comunidade em parceria com o Instituto Cesar- Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, foi acompanhada pela educadora do projeto em Patos, Priscila Melquíades. Além de conhecerem toda a estrutura do Hospital, os alunos interagiram com os pacientes, inclusive, os que estavam fazendo sessões de quimioterapia.

Segundo Priscila, os alunos ficaram encantados com a estrutura do Hospital e com o acolhimento dos colaboradores. “Foi uma experiência gratificante. A ideia era conhecer o espaço, levar um abraço, mas, fomos recebidos de forma tão carinhosa que nem lembramos que estávamos num ambiente que trata de doenças. Foi inclusive emocionante para todos nós. Fomos acolhidos com muito carinho e atenção”, destaca a educadora do projeto, que busca capacitar crianças e jovens carentes da cidade, através deste projeto de inserção na Economia Digital. Ainda de acordo com a educadora, dentro disso desse projeto houve uma divisão por áreas, entre elas, a saúde. “Foram os alunos que tiveram essa ideia de fazer a visita ao Hospital do Bem, para conhecer, levar alegria. E a experiência foi muito válida”, destaca Priscila.

A diretora geral do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, Liliane Sena, que recepcionou o grupo junto com o coordenador do setor de quimioterapia, Thiago Viana, e outros colaboradores, lembra a importância das pessoas conhecerem o Hospital, inclusive, para desmistificarem que o local é apenas um espaço de tratamento e dor. “Aqui, trabalhamos, sobretudo, a humanização, o acolhimento, o amor ao próximo, além claro, de disponibilizar um serviço oncológico que está em consonância com os protocolos dos grandes centros de referência oncológica do país. E é muito gratificante saber que além de prestarmos um bom serviço, sentir que quando as pessoas chegam aqui mudam completamente de atitude diante do câncer e passam a encarar a doença não como um fim, mas como um recomeço”, disse Liliane.

A visita de hoje faz parte da segunda etapa do projeto, que ainda terá um momento de culminância onde os alunos participarão de oficinas, concluíram a capacitação e receberão seus certificados. De acordo com Priscila, esse momento deve acontecer até o final de novembro, provavelmente, no dia 29, e a diretora do Complexo, Liliane Sena, segundo ela, será uma das convidadas deste encerramento. Atualmente, cerca de 60 crianças e jovens de Patos, com idades entre seis e 18 anos incompletos, participam da capacitação, que acontece três vezes por semana, na sede da AABB da cidade. Lá, eles têm atividades educativas, lúdicas e alimentação e são preparados para ingressar no mundo digital, tendo a oportunidade de transformar suas vidas e seu futuro. O projeto AABB Comunidade existe há 18 anos.

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Várias atividades marcarão o Novembro Azul do Hospital do Bem em Patos

Rodas de Conversas, Bates Papos, Dia de Beleza e Fotografias, Musicoterapia, Dia de Atividades Lúdicas e Happy Day. Essas atividades vão movimentar o Novembro Azul do Hospital do Bem entre os dias 04 e 27 deste mês. Na abertura das ações, na manhã desta segunda-feira, colaboradores, pacientes e acompanhantes foram recebidos com músicas na recepção da unidade, que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, de Patos.

“A exemplo do que fizemos no Outubro Rosa, quando conscientizamos as mulheres a se cuidarem, também realizaremos muitas ações ao longo do Novembro Azul, desta vez, com direcionamento de atividades para a conscientização da importância dos homens cuidarem da sua saúde como um todo, com ênfase para eles realizarem o exame de próstata”, destaca a diretora geral do Complexo, Liliane Sena.

Programação

A programação do Novembro Azul segue no dia 07, com uma Roda de Conversa às 8h, com profissionais da UNIFIP, sobre o tema ‘Cuidado do Cuidador’, e às 15h, com um Bate Papo, sobre ‘Oncologia voltada para a saúde do homem’, com o enfermeiro Fernando Régis. Na sexta (08) outra Roda de Conversa, desta vez, com a oncologista Nayarah Castro e a psicóloga, Pryscilla Guedes, vai abordar o tema ‘Valorização da vida após o diagnóstico’.

Na segunda (11), às 9h, os Doutores Sorrisos preparam surpresas para pacientes e colaboradores do Hospital do Bem no Happy Day. No dia seguinte, haverá outro Bate Papo, às 15h, sobre ‘Acolhimento multiprofissional ao paciente oncológico’, com a Dra. Nayarah Castro e a enfermeira Aretusa Delfino. A programação segue no dia 14, com duas Rodas de Conversa, sendo às 8h, sobre ‘Direitos dos pacientes oncológicos’ e, às 14h, com o tema ‘Ética no serviço de saúde com ênfase no sigilo das informações’. As duas atividades serão conduzidas por profissionais da UNIFP.

Na segunda-feira (18), haverá um dia de beleza e fotografias, às 9h. Na terça, a programação continua, às 9h, com uma Roda de Conversa sobre ‘Relação alimentação x câncer’, com a nutricionista Riama Sobral. Na quinta, haverá um Bate Papo sobre ‘Oncologia para não oncologistas’, com a Dra. Nayarah Castro.

No domingo (24), o Hospital do Bem fará um Dia de Atividade Social, com consultas, massoterapia, musicoterapia, entre outras atividades e na última semana de ações, a programação começa no dia 25, às 9h, com um dia de Atividades Lúdicas. Na terça-feira (26), acontecerá um Bate Papo sobre ‘Fitoterapia na prevenção e tratamento do câncer’, com a Dra. Nayarah Castro e o coordenador de quimioterapia do Hospital do Bem, Thiago Viana.

E no encerramento das ações, no dia 27, está programado uma Roda de Conversa, a partir das 9h, sobre ‘A importância da equipe multidisciplinar’, com a diretora do Complexo, Liliane Sena e a oncologista, Nayarah Castro e, em seguida, outro momento, sobre ‘A ética do cotidiano e o sigilo profissional’, com Anarita, coordenadora do curso de Serviço Social da Universidade, que conduzirá o momento junto com alunos da instituição. Essas atividades acontecerão no auditório da Gerência Regional de Saúde.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

Funcionários do Hospital do Bem realizam Dia do Lenço em homenagem aos pacientes que realizam tratamento na unidade

Essa quinta-feira (31), foi um dia diferente para os funcionários do Hospital do Bem, de Patos. Ao invés de exibirem seus cabelos e penteados, os colaboradores envolveram suas cabeças com lenços. A iniciativa, batizada do Dia do Lenço, teve o objetivo de criar empatia com os pacientes e vivenciar como eles se sentem ao usarem o adorno para ajudar a elevar a autoestima em função da queda dos cabelos provocada pela quimioterapia.

“A ideia inicial era homenagear os pacientes que estão realizando tratamento, mas, no final do dia o que se percebeu foi uma mudança de visão em relação a quem está do outro lado de lá da história, pois percebemos o quanto de preconceito tem num olhar direcionado para alguém que perde seus cabelos por causa da quimioterapia e precisa usar um adorno para se sentir mais bonito”, disse o coordenador do setor de quimio do Hospital do Bem, Thiago Viana.

“Esse gesto simbolizou a solidariedade da equipe do Hospital do Bem para com os pacientes que estão em tratamento contra o câncer em nossa unidade. Sabemos que o cabelo é um elemento importante para a autoestima, principalmente, para as mulheres e que o lenço ou as perucas atenuam esse sentimento de tristeza e usá-los neste dia significou o mesmo que dizer a eles que não há diferença entre nós, que somos todos iguais, já que a doença pode acometer qualquer pessoa”, destaca a diretora geral do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, Liliane Sena. O Hospital do Bem integra o Complexo, que faz parte da rede estadual de saúde.

Assessoria de Imprensa