Arquivo de tag Câncer

porpjbarreto

Patos: Hospital do Bem registra cura do câncer em 24 mulheres

O Hospital do Bem, unidade de oncologia que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, de Patos, tem um papel importante no que diz respeito ao acolhimento e tratamento de pacientes com câncer no sertão paraibano. Somente no ano passado, a unidade realizou 1.296 sessões de quimioterapia, 3.342 consultas por especialidades e ainda 534 cirurgias, em pacientes de 84 municípios. Nesse universo, ao longo de 2019, 24 mulheres comemoraram a cura da doença e tocaram um sino, localizado no hall da unidade, que simboliza a superação do câncer após o final do tratamento.

Uma dessas mulheres foi a professora aposentada  Miriam Medeiros dos Santos, de 65 anos, da cidade de Malta, que superou um câncer de mama. Dona de uma alegria contagiante, Miriam desde o diagnóstico da doença até a cura, nunca perdeu a alegria de viver, nem deixou de sorrir. Nem mesmo quando seus cabelos caíram após a primeira sessão de quimioterapia. “Eu sou muito prática e acho que a vida é feita de escolhas e eu escolhi ser feliz. Eu escolhi que iria viver e fazer o possível para me curar e tive a sorte de contar com o Hospital do Bem nessa jornada”, afirma ela, que iniciou o tratamento na unidade em novembro de 2018, fez cirurgia em janeiro de 2019 e começou a quimioterapia em março do mesmo ano, encerrando o ciclo de tratamento com a radioterapia, no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa. Ela tocou o sino da cura em setembro do ano passado.

“O Hospital do Bem faz jus ao nome. As pessoas lá são muito humanas, acolhedoras, amáveis, tratam os pacientes muito bem e isso faz toda a diferença para quem está passando por um tratamento, especialmente, o câncer que tem todo um estigma”, afirma Miriam, que está lançando no próximo dia 15 de fevereiro, no CRAS de Malta, o livro ‘Lições da Vida’. A obra é uma coletânea de pensamentos e reflexões sobre como encarar os desafios, contratempos e adversidades, sem perder a fé na vida, nem a alegria de viver. “Não escrevi o livro unicamente por causa da doença, mas por um conjunto de fatores que me levaram a refletir que posso, através de minhas reflexões, de minhas experiências e superações, inspirar outras pessoas”, disse ela, que perdeu a única filha mulher, aos 36 anos, de um enfarte fulminante. “Eu sou feliz por mim e por ela”, afirma Miriam que em partes do livro, o primeiro que ela escreve, faz referências ao Hospital do Bem e agradecimentos à equipe da unidade.

Um fato curioso na história de Miriam, é que ela descobriu o câncer após sonhar com pessoas de branco que apontavam para seu seio. “Acordei de madrugada, após esse sonho, com dor de cabeça e fui tomar um analgésico. Lembrei do fato e fui apalpar meus seios e descobri o nódulo”, conta ela, que um ano antes tinha feito uma mamografia que não tinha acusado nada de anormal. “Uma das primeiras coisas que me perguntei ao saber da doença foi: Deus, o que eu preciso aprender com essa experiência? e superado todas essas etapas acho que descobri: a felicidade é uma escolha que a gente faz e eu escolhi ser feliz”, destaca ela.

Das 24 mulheres que junto com Miriam tocaram o sino da cura do Hospital do Bem, em 2019, 19 se trataram de câncer na mama, quatro de câncer no ovário e apenas um caso foi na Vesícula Biliar. 16 pacientes fizeram tratamento adjuvante, ou seja, primeiro realizaram a cirurgia de retirada do tumor para, em seguida, passar pela quimioterapia e oito fizeram tratamento neoadjuvante, quando a quimio é feita antes da cirurgia. Essa última terapêutica é indicada para pacientes com tumores acima de 5cm. Essas 24 pacientes, com idades entre 31 anos, a mais nova, e 75 anos, a mais idosa,  são da cidade de Bom Jesus, Coremas, Água Branca, Malta, Santa Luzia, Taperoá, Santana dos Garrotes, Areia de Baraúnas, Pombal, São Mamede, Imaculada, Belém do Brejo do Cruz, Vista Serrana, São Jose do Bomfim, Santa Luzia, Sousa e Patos.

A oncologista do Hospital do Bem, Dra. Nayarah Castro, afirma que é uma alegria muito grande cada sino tocado, porque isso simboliza o sucesso do tratamento e superação da doença. “Como médica me sinto feliz em poder fazer parte destas 24 histórias de sucesso, de alegrias e de vitórias. É uma honra ver o quanto avançamos em relação ao tratamento oncológico e podemos oferecer esperança aos pacientes e seus acompanhantes. Me sinto feliz por saber que os pacientes são tratados não apenas no que diz respeito às medicações administradas: me sinto feliz em poder fazer parte de uma equipe que trata o paciente nas esferas emocionais, espirituais e orgânicas”, destaca a oncologista.

A médica esclarece que a cura definitiva da maioria dos cânceres é dada após o acompanhamento por 5 a 10 anos, sem demonstração de retorno da doença. “O sino da cura marca o término dos tratamentos de quimioterapia, após a realização dos primeiros exames que demonstraram a não existência de doença em atividade. Por isso, é importante que os pacientes façam o acompanhamento oncológico a cada três meses”. Reitera Dra. Nayarah.

A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, destaca que o Hospital do Bem vem cumprindo com muita satisfação a sua missão de não apenas acolher bem como tratar os pacientes de câncer no interior do Estado. “É muito gratificante para todos da equipe, quando um paciente toca o sino da cura porque sabemos quantas batalhas cada um deles teve que enfrentar pela superação da doença. E essa superação, que é individual de cada paciente, termina tornando-se coletiva porque envolve todos os profissionais que empregam seu talento, competência, conhecimento e doação para que essas pessoas consigam ressignificar a vida e continuarem suas jornadas livres de uma doença que é ainda muito estigmatizante, apesar dos avanços do tratamento”, reitera Liliane, lembrando que o Hospital do Bem tem atendimento ambulatorial, tratamento quimioterápico e cirúrgico, para quatro tipos de câncer: pele, próstata, mama e colo de útero. A sala de quimioterapia da unidade tem capacidade para atender dez pacientes simultaneamente.

Para o coordenador Administrativo do Hospital do Bem, Thiago Viana, um profissional que tem contato com todos os pacientes e não raro os recebe na porta do Hospital, reunir tantas histórias de superação é um estímulo nessa árdua batalha contra o câncer. “Vivemos intensos sentimentos ao conhecer a história de vida de cada um de nossos pacientes, então o sentimento da felicidade ganha outra dimensão com a tão sonhada vitória na luta contra o câncer que é a cura e a batida do sino”, destaca ele que atua na unidade desde a inauguração, em setembro de 2018.

 

Assessoria 

porpjbarreto

Hospital do Bem: Pacientes comemoram cura após cirurgia e tratamento

Dados do Instituto Nacional de Câncer – Inca atestam que o câncer de mama atinge 60 mil mulheres por ano no Brasil. Ele é o tipo de tumor mais temido pelas mulheres e com razão, já que é o mais incidente entre elas depois do câncer de pele não melanoma e também uma doença que mexe com uma parte do corpo da mulher que é muito significativa. Mas, com o avanço da Medicina e das técnicas cirurgicas e de tratamento, o diagnóstico da doença não significa mais uma sentença de morte. Os vários casos de cura atestam que é possível superar a doença e ressignificar a vida após esse episódio. E é isso que farão a partir de hoje as pacientes do Hospital do Bem, Franceilma da Silva, 32 anos, Maria Lúcia da Silva, 57 anos e Francisca Maria dos Santos, 53 anos, que nesta quinta-feira (23) tocaram o sino da cura e deram a volta por cima após realizarem, com sucesso, o tratamento cirúrgico e quimioterápico no Hospital do Bem, de Patos.

O momento do toque do sino, que simboliza que o tratamento realizado no Hospital do Bem surtiu efeito sobre a doença, foi acompanhado pela diretora do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos, Liliane Sena, pela oncologista da unidade, Dra. Nayarah Castro, e pelo cirurgião oncológico do Hospital, Dr. Wostenildo Crispim. As pacientes Franceilma da Silva, da cidade de Mato Grosso, que iniciou seu tratamento em maio de 2019, Maria Lúcia da Silva, da cidade de Patos, que começou em agosto do ano passado e Francisca Maria dos Santos, de Brejo dos Santos, que se tratava desde julho de 2019, receberam alta nesta quinta-feira e tocaram o sino, após passarem por cirurgias e quimioterapias. O ateste da cura veio após a realização de tomografias de tórax e abdômen inferior, além das cintilografias que mostraram a inexistência de tumor pós-tratamentos. “Esses exames indicam que as pacientes que fizeram cirurgias no hospital e quimioterapia, durante seis meses, tiveram sucesso e não mais apresentam tumor neste momento”, afirma a Dra. Nayarah, lembrando que todas elas tiveram câncer de mama.

Ainda segundo a médica, é importante que ao menor sinal de nódulo endurecido ou caroço (no seio ou na axila), irritação ou aparecimento de irregularidades em alguma parte da mama, como afundamentos ou franzidos que fazem a pele parecer com uma casca de laranja, inchaço na mama toda ou em parte dela e vermelhidão ou descamação da pele da mama ou do mamilo (bico do seio) e ainda ao se notar a saída de secreção pelo mamilo (que não leite), dor ou inversão do mamilo (quando o bico do seio fica para dentro), a mulher deve procurar um médico e fazer exames para afastar a possibilidade de câncer ou  diagnosticar a doença em estágio inicial. “Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maiores são as chances de cura”, disse Dra. Nayarah. O Hospital do Bem faz parte do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC) e integra a rede estadual de saúde.

 

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Após reunião com Mandetta, Wilson Filho diz que Ministério irá avaliar construção de Hospital Federal do Câncer na Paraíba

O deputado estadual Wilson Filho (PTB) esteve presente em audiência com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, nessa quarta-feira (9), para expor a situação dos equipamentos públicos especializados em oncologia no Estado da Paraíba. Com a crise financeira no Hospital Napoleão Laureano, que atende 74% dos casos de câncer na Paraíba, a questão se tornou uma prioridade para o parlamentar.

Wilson recebeu do ministro a garantia de que um corpo técnico será formado para fazer um diagnóstico da rede de oncologia na Paraíba e, desta maneira, avaliar se é necessária a construção de um hospital federal no Estado. Na ocasião, o deputado explicou a Mandetta que não existe serviço público para o tratamento de câncer em João Pessoa, com os hospitais que fazem o atendimento pelo SUS sendo privados/filantrópicos e não conseguindo suprir a demanda.

O Ministério vai se reunir e enviar uma equipe técnica para fazer uma vistoria nos hospitais que tratam o câncer para descobrir onde está o gargalo. Por que a concentração maior é em um único hospital? Há possibilidade de continuar com esta rede em nível de Estado? Vão saber o que é necessário, se a rede atual pode dar conta do recado, para decidir sobre a possível construção de um novo hospital na Paraíba”, sintetizou Wilson Filho.

Acompanhado de uma comitiva de deputados estaduais e federais, o parlamentar pediu ao ministro o aumento do custeio dos hospitais públicos/filantrópicos, como o Laureano e o São Vicente de Paula, ambos em João Pessoa; a FAP de Campina Grande e o Hospital do Bem, em Patos. Wilson solicitou ainda o acréscimo do teto de gastos nos hospitais e a aquisição de novos equipamentos, como aceleradores lineares – equipamentos de alta tecnologia desenvolvidos para emitir a radiação utilizada em diversos tratamentos para combater a doença.

Participaram da reunião, os deputados estaduais Cabo Gilberto (PSL), Tovar Correia Lima (PSDB), João Henrique (DEM), e Drª Paula (Progressistas); além dos deputados federais Wilson Santiago (PTB), Edna Henrique (DEM) e Ruy Carneiro (PSDB). Participou da reunião, ainda, o diretor-presidente do Hospital Laureano, Drº Carneiro Arnaud.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

CÂNCER DE ESTÔMAGO: Doença deve atingir mais de 21 mil pessoas no Brasil

No Brasil, o câncer de estômago é o terceiro tipo que mais ocorre entre os homens e o quinto entre as mulheres. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, a estimativa de novos casos é de cerca de 21 mil, sendo mais de 13.500 homens e mais de 7.700 mulheres. Não há sintomas específicos do câncer de estômago. Porém, alguns sinais podem indicar a doença, como explica o diretor da Divisão de Cirurgia Oncológica do INCA, Odilon de Souza Filho.

“Os sintomas são de acordo com a localização do tumor. A pessoa vai ter dificuldade de ingerir, vai ter aquela eruptação, vai ter uma queimação chamada pirose. Esses são os sintomas mais altos. No estômago, propriamente dito, a pessoa vai ter queimação, vai ter refluxo, perda de peso, perda do apetite e, às vezes, você repulsa uma massa abdominal, esse tumor cresce e palpa no abdome uma massa”.

Outro dado importante de se prestar atenção é o número de mortes decorrentes da doença, que está em 14.264, sendo 9.132 em homens e 5.132 mulheres. Odilon de Souza Filho comenta quais as pessoas estão mais suscetíveis a contrair o câncer de estômago.

“Dependente de alguns fatores de risco que a gente tem, por exemplo, pessoa obesa, a pessoa que come muito gordura, a pessoa que fuma, que bebe [álcool], ela tem muito mais chances de ter câncer de estômago”.

A detecção precoce do câncer é uma estratégia para encontrar um tumor em fase inicial e, assim, possibilitar maior chance de tratamento e cura. O tratamento do câncer de estômago vai ser de acordo com a área afetada e o tipo de tumor. O importante é realizar um acompanhamento médico para avaliar qual a melhor forma de tratar da doença.

 

Reportagem – Janary Damacena

Fonte: Agência do Rádio