Categoria RURAL

INDICADORES: Café tem queda no preço nesta sexta (1); valor do açúcar sobe

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho subiu 1,07% e é negociada a R$ 45,49

Indicadores

A saca de 60 quilos do café arábica começou a sexta-feira (1) com queda de 0,12% no preço e é vendida a R$ 456,63 na cidade de São Paulo. Já o café robusta apresentou elevação no preço. A alta foi de 0,25% e a saca é comercializada a R$ 334,76 para retirada no Espírito Santo.

O açúcar cristal teve aumento de 0,54% no preço e o produto é vendido a R$ 55,73 em São Paulo. Já em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, teve elevação de 0,20% e a mercadoria é comercializada a R$ 55,63.

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho subiu 1,07% e é negociada a R$ 45,49. Em Campinas, em São Paulo, o produto também ficou mais caro, já que sofreu alta de 1,75% no valor e a saca passou a ser comercializada a R$ 45,39 Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 40. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o produto é vendido a R$ 29. Em Barreiras, na Bahia, o preço a vista também é R$ 29. Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Reportagem: Marquezan Araújo

 

Cadastro Ambiental Rural é prorrogado até o fim do ano

O governo federal decidiu prorrogar o prazo do CAR (Cadastro Ambiental Rural) para o final desse ano. O prazo para adesão venceria nesta quinta-feira (31), mas segundo decreto assinado pelo presidente Michel Temer e publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (30), os produtores rurais de todo o Brasil terão até 31 de dezembro deste ano para fazer a inscrição. Quem não aderir ao CAR fica impedido de acessar o Programa de Recuperação Ambiental (PRA) pelo qual fará a recomposição de áreas desmatadas e, sem recuperar o passivo ambiental, não pode recorrer a novas linhas de crédito rural.

O CAR é um registro eletrônico obrigatório para os proprietários de imóveis rurais, e se constitui em um importante mecanismo para implementar o Código Florestal. É através dele que são identificadas as áreas de reserva legal e de preservação permanente nas propriedades rurais do país. Com o cadastro, os órgãos ambientais podem saber quem tem passivo ambiental e quem está seguindo o que determina a lei.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), José Inácio de Morais, diz que a prorrogação do prazo foi uma grata surpresa para os produtores. “O governo já tinha prorrogado o prazo e tinha anunciado que não o faria mais, mas, teve a  sensibilidade de entender que muitos produtores ainda não tinham conseguido aderir ao CAR  e prorrogou o prazo novamente. Esperamos que até o final do ano todos consigam se regularizar”, destacou José Inácio. O dirigente canavieiro lembra que a Associação mantém um plantão permanente, no Departamento Técnico da entidade, em sua sede, em João Pessoa, para tirar dúvidas e orientar os associados como proceder para ficar em dia com o CAR.

 

Assessoria

PIB brasileiro sobe 0,4% no 1º trimestre de 2018

Destaque para a retomada foi para o setor agropecuário, que cresceu 1,4% em comparação ao último trimestre

O produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no Brasil, avançou 0,4% no 1º trimestre deste ano, em relação aos três meses anteriores. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (30) pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado, nessa base de comparação, é a quinta alta consecutiva, após oito quedas seguidas. Já em relação ao primeiro trimestre de 2017, a alta foi de 1,2%.

Agropecuária

Ainda em relação ao trimestre encerrado em dezembro, o destaque para a retomada foi para a agropecuária, que cresceu 1,4%. Em seguida, os melhores avanços foram nos setores da indústria e serviços, que apresentaram variação positiva de 0,1% cada.

O consumo das famílias continuou em recuperação e registrou elevação de 0,5%, os investimentos subiram 0,6%, enquanto o consumo do governo teve recuo de 0,4%.

Em 2017, o PIB teve uma alta de 1%, após dois anos consecutivos de declínio no indicador. As projeções para este ano apontavam para alta de até acima de 3%. No entanto, as perspectivas tiveram que ser revisadas e agora estão em torno de 2%.

De acordo com a última divulgação do boletim Focus, do Banco Central, os analistas do mercado financeiro reduziram a previsão de alta do PIB para o ano de 2,50% para 2,37%. Além disso, o próprio governo diminuiu a previsão de crescimento da economia brasileira em 2018 de 2,97% para 2,5%.

 

Reportagem: Marquezan Araújo

 

Prazo de adesão ao Refis Rural é prorrogado para 30 de maio

Programa prevê a quitação de dívidas de produtores rurais vencidas até 30 de agosto de 2017

O prazo para produtores rurais aderirem ao Programa de Regularização Tributária Rural foi adiado mais uma vez. O novo prazo se encerrará no dia 30 de maio. Marcada anteriormente para terminar em 30 de abril, a data foi alterada na última semana através de uma medida provisória assinada por Temer.

A mudança foi publicada no Diário Oficial. Em nota divulgada em seu site oficial, a Receita Federal ressaltou que a adesão ao programa deve ser formalizada após o contribuinte fazer o requerimento. O produtor rural deve ir até uma unidade da Receita no domicílio tributário, sem a obrigatoriedade de agendamento, segundo o órgão.

O produtor rural deve ir até uma unidade da Receita no domicílio tributário, sem a obrigatoriedade de agendamentoTambém conhecido como Refis Rural, o programa foi sancionado por Temer em janeiro, com 24 vetos ao texto original. Um desses pontos rejeitados pelo presidente da República era o que concedia desconto de 100% nas multas que deveriam ser pagas pelos produtores rurais.

No entanto, por 360 votos de deputados federais e 50 votos de senadores, o Congresso Nacional derrubou os vetos de Michel Temer ao texto, que restabeleceu, por exemplo, a redução das contribuições previdenciárias dos empregadores, de 2,5% para 1,7% da receita oriunda da comercialização dos produtos agrícolas.

Segundo o deputado federal Alfredo Kaefer, do PP paranaense, a aprovação do projeto, sem vetos, dá mais fôlego para um dos principais setores da economia brasileira. “É o que possibilita tanto empresas quanto produtores a colocarem a sua vida tributária no quesito Funrural em ordem e continuar tocando a vida como tem que ser”, salientou.

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), Marcos da Rosa, acredita que o Refis (Lei 13.606/2018) faz justiça aos produtores rurais. Produtor do grão no Mato Grosso, ele destacou que as condições ainda não são as melhores para o crescimento agropecuário.

“Deu uma amenizada. Nós saímos do pior para o menos ruim. Com toda essa pressão nos custos de produção, o produtor vai começar a sair, diminuir a produção. A produção ficaria cara, o milho, arroz. Essa seria a grande consequência, caso não acontecesse a derrubada dos vetos”, explicou ele.

A proposta veio com o intuito de ajudar os produtores rurais a quitar dívidas acumuladas durante dois anos, período em que a Justiça discutia se a cobrança do fundo era constitucional ou não. Extinto por quase 10 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em 2016, que a cobrança era legal.

O produtor que aderir ao Funrural terá sua contribuição incidindo diretamente em sua receita bruta, e terá que pagar um percentual da dívida consolidada em duas parcelas de igual valor, mensais e seguidas. A partir daí, o produtor terá a possibilidade de dividir os débitos em até 176 prestações. O programa prevê a quitação de dívidas vencidas até 30 de agosto de 2017. O texto é de autoria da deputada Tereza Cristina (DEM-MS), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Por Raphael Costa

INDICADORES: Preços do boi gordo e frango ficam estáveis nesta terça (29); suíno oscila

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve elevação de 0,60%

A cotação da arroba do boi gordo começou esta terça-feira (29) estabilidade no preço, sendo negociado a R$ 142,35 em São Paulo. No sul da Bahia, o preço aumentou 6,2%, e chegou aos R$ 136. Já no Noroeste paranaense, a arroba teve alta de 0,36%, vendida à vista a 138,50.

Indicadores

O frango congelado não teve variação no preço, vendido a R$ 3,37 o quilo. O frango resfriado teve valorização de 5,33% e é comercializado a R$ 3,59.

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve elevação de 0,60%, vendida a R$ 4,82 na Grande São Paulo. Em Minas Gerais, o suíno vivo teve elevação de 0,63% no preço, vendido a R$ 3,20. Já no Paraná, o preço do suíno vivo caiu 0,36%, vendido a R$ 2,45. Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Reportagem, Raphael Costa

 

INDICADORES: Preços do café e do milho ficam têm queda nesta terça (29); açúcar se mantém estável

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve queda de 0,23%

A terça-feira (29) começa com diminuição de 0,27% no preço da saca de 60kg do café arábica, que é vendido na cidade de São Paulo a R$ 454,95. Já o café robusta teve alta de 0,68% no preço, vendido a R$ 333,78.

Indicadores

Em São Paulo, o preço do açúcar cristal se manteve estável e a saca de 50 quilos é vendida a R$ 54,43. Em Santos, no litoral paulista, o açúcar cristal também não variou, vendido a R$ 54,71.

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve queda de 0,23% e é vendido a R$ 44,13. Em Campinas, São Paulo, o preço da saca de 60kg do milho teve elevação de 0,09%, vendida a R$43,43. Em Barreiras, na Bahia, o preço da saca do milho é R$ 29,00. Em Cascavel, Paraná, o preço é R$40. Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Reportagem, Raphael Costa