Categoria POLÍTICA

Maranhão lança aplicativo e nega desistência de candidatura

O candidato a governador da Paraíba, José Maranhão (MDB), anunciou, durante coletiva de imprensa na sede do MDB da Paraíba, o lançamento de um aplicativo que deverá servir como plataforma de interação entre os eleitores e a sua candidatura.

A coletiva estava cercada de suspense. Anunciada na manhã desta quinta-feira (16), levantou teorias sobre adesões de nomes pesados da política paraibana ou, até mesmo, uma eventual retirada de candidatura.

Ainda na ocasião, Maranhão negou renunciar ao pleito e acusou o “submundo” da imprensa de tentar minar a sua candidatura.

“Esses são alguns dos nossos objetivos: olhar pra frente, fazer diferente e resolvemos começar agora. O celular hoje é ítem indispensável e vamos, através dele, levar nossas propostas para todos os paraibanos.Tudo vai estar ao alcance da mão”, afirmou.

A coletiva estava cercada de suspense. Anunciada na manhã desta quinta-feira (16), levantou teorias sobre adesões de nomes pesados da política paraibana ou, até mesmo, uma eventual retirada de candidatura.

Ainda na ocasião, Maranhão negou renunciar ao pleito e acusou o “submundo” da imprensa de tentar minar a sua candidatura.

 

Assessoria

Em Sousa: Lucélio Cartaxo encontra “Mulheres da Esperança do Sertão” nesta sexta-feira (17)

A força feminina do Sertão paraibano estará ao lado de Lucélio Cartaxo (PV) nesta sexta-feira (17), na nova edição do Encontro PV Mulheres da Esperança, que acontecerá na cidade de Sousa. Ao lado de Micheline Rodrigues (PSDB), Daniella Ribeiro (PP) e Cássio Cunha Lima (PSDB), Lucélio vai apresentar seu Programa de Governo e escutará as ideias e sugestões das paraibanas presentes no evento.

“Depois de encontros em João Pessoa e Guarabira, vamos levar essa mensagem de esperança ao Sertão. Defendemos que a sociedade só será justa quando existir igualdade entre homens e mulheres, tanto que construímos nossa chapa com igualdade de gênero. E da mesma forma construiremos nossa equipe de governo: buscando o equilíbrio entre os homens e mulheres que farão parte do nosso primeiro escalão”, disse.

Lucélio defendeu ainda políticas públicas que permitam às mulheres melhor qualidade de vida. “Infelizmente, a Paraíba se tornou um dos Estados mais perigosos para as mulheres. O nosso Encontro é um espaço para reforçarmos nosso comprometimento com mais proteção e segurança a estas mulheres, equipando e fazendo funcionar 24 horas por dia as Delegacias da Mulher, que hoje se encontram fechadas no período noturno, além de promover ações que acabem com a violência doméstica e promovam independência econômica”, disse.

Encontro PV Mulheres da Esperança
Local: ASK Recepções – Sousa
Hora: 17h.

Assessoria

TRE barra pedido de candidatura avulsa de Vital Farias ao Governo do Estado

O cantor Vital Farias teve negado o pedido de candidatura avulsa ao Governo do Estado

O caso foi julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral na sessão desta quarta-feira (15).

Por unanimidade, a Corte Eleitoral indeferiu a petição inicial “ante a ausência de interesse processual”.

O relator do processo foi o juiz Márcio Maranhão.

Ele destacou em seu voto que “além da inviabilidade técnica, tem-se como impossível, na prática, a implementação de candidatura avulsa, nas eleições de 2018, sem que exista uma completa alteração no sistema eleitoral vigente, inclusive com as necessárias adaptações de ordem técnica nos softwares que serão utilizados nas eleições”.

Abaixo o voto do relator:

Exmo(a). MARCIO MARANHAO BRASILINO DA SILVA (Relator)

RELATÓRIO

Cuida-se de pedido de registro de candidatura avulsa formulado por Vital Farias e José Wagner de Oliveira aos cargos de governador e vice-governador, respectivamente.

Os postulantes alegam em síntese que com a adesão do Brasil ao tratado de São José da Costa Rica (ONU), estaria revogado o dispositivo constitucional que estabelece que a filiação partidária como condição de elegibilidade.

Pedem a tutela antecipada, nos termos do artigo 300 do CPC, para autorizar os requerentes proceder ao registro da sua candidatura de forma independente, sem filiação partidária, ao cargo de governador e vice governador do Estado da Paraíba nestas eleições gerais de 2018.

Em despacho (ID 29986), antes de apreciar a tutela de urgência, determinei que a Secretaria Judiciária da Informação certificasse sobre a viabilidade da autuação do presente pedido pelo sistema de registro de candidaturas, após remessa ao Ministério Público Eleitoral para manifestação.

Com parecer do MPE (ID 30957) pelo indeferimento do pedido.

Certidão da SJI (ID 30621) informando que os requerimentos de registro de candidatura só estão disponíveis para os pedidos gerados a partir do sistema CANDex, como assevera o art. 22, § 1º, da Resolução TSE nº 23.548/2017.

Petição dos postulantes (ID30719) reiterando o pedido da tutela de urgência.

Conclusos, trouxe em mesa para julgamento.

É o relatório.

VOTO

Egrégia Corte.

A questão ora trazida tem causado grandes debates nos meios político-jurídicos. Por essa razão trouxe a matéria ao plenário, embora pudesse decidir monocraticamente, nos termos regimentais.

A tese formulada pelos requerentes da candidatura “Avulsa” teria arrimo no Pacto de San José da Costa Rica, criado em 1969 e ratificado pelo Brasil em 1992. De acordo com o artigo 23 do pacto, todo cidadão deve ter direito de “votar e ser eleito em eleições periódicas autênticas”. Não haveria qualquer menção à filiação partidária como condição para candidatura, daí a interpretação segundo a qual não é preciso estar filiado.

Ora, sabemos que o nosso sistema político-eleitoral fundado na Constituição de 1988 assevera os requisitos formais de elegibilidade aos quais todos os cidadãos estão submetidos, senão vejamos o que diz o art. 14 § 3º da CF:

§ 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:

I- a nacionalidade brasileira;

II- o pleno exercício dos direitos políticos;

III- o alistamento eleitoral;

IV- o domicílio eleitoral na circunscrição;

V- a filiação partidária;

VI- a idade mínima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador;

b)trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal;

c)vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

d)dezoito anos para Vereador.

Destaco que a própria Constituição Federal no art. 14 § 8º faz a ressalva da desnecessidade de filiação quanto a elegibilidade dos militares, que se vinculam aos partidos quando da convenção, mediante condições quando diz:

Art. 14, 8º- O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condições:

I – se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se da atividade;

II – se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

É sempre importante registrar que o nosso sistema jurídico-eleitoral é lastreado em um regramento onde é preponderante e indispensável a participação dos partidos políticos. São as agremiações partidárias detentoras de autonomia, gerenciadoras do fundo partidário, escolhem os candidatos, coligações, dentre outras prerrogativas. É bem verdade que a Justiça Eleitoral fiscaliza e controla a realização do processo eleitoral, mas não se pode fugir do ordenamento legal das eleições inserido na Constituição Federal, na legislação ordinária e nas resoluções do Tribunal Superior Eleitoral.

Em que pesem os argumentos expostos pelos interessados, registre-se que ainda está pendente de julgamento no Supremo Tribunal Federal, a repercussão geral ARE-1.054.490, todavia em sede de liminar em tutela provisória de urgência (incidental), em 23/06/2018, o Ministro Luis Roberto Barroso assim entendeu ao indeferir a medida postulada em relação ao tema:

“Não bastasse o exposto e como se pode constatar dos debates da questão de ordem que teve por objeto o reconhecimento da repercussão geral nesse feito, os departamentos técnicos do Tribunal Superior Eleitoral teriam informado, em resposta à indagação da presidência, que não é possível instalar a candidatura avulsa de forma imediata justamente porque o sistema eletrônico está baseado na idéia de eleições ligadas a partidos (…) Entendo, portanto, que, além das circunstâncias já descritas acima, há um obstáculo relevante ao deferimento de cautelares em matéria de candidatura avulsa, a qual merece inclusive ser sinalizado à justiça eleitoral como um todo. Segundo as informações disponíveis no momento, há importante periculum in mora inverso que contraindica de imediato, sem uma reflexão aprofundada, pode comprometer a viabilidade e a segurança das eleições”.

Pois bem. Além da inviabilidade técnica, tem-se como impossível, na prática, a implementação de candidatura avulsa, nas eleições de 2018, sem que exista uma completa alteração no sistema eleitoral vigente, inclusive com as necessárias adaptações de ordem técnica nos softwares que serão utilizados nas eleições. Ressaltamos na decisão do Min. Luis Barroso, que a legitimidade das agremiações na designação das candidaturas é a regra vigente, a qual devemos observar, notadamente para este pleito próximo vindouro.

Dito isto, nada mais resta a discutir no presente caso, devendo ser indeferido o presente pedido, uma vez que resta patente a falta de interesse processual na espécie (adequação).

Isto Posto, em harmonia com o Ministério Público Eleitoral, voto pelo indeferimento da petição inicial, ante a ausência de interesse processual do autor, nos termos do art. 17 c/c arts. 330, inciso III, e 485, VI, todos do Código de Processo Civil.

É como voto.

 

TRE-PB com Os Guedes

Maranhão convoca coletiva de imprensa para esta quinta-feira (16), no MDB às 15hs

A assessoria do senador José Maranhão, candidato do MDB, ao Governo da Paraíba, acabada divulgar um comunicado, convidando a imprensa para uma entrevista coletiva, nesta quinta-feira (16), às 15h.

Veja abaixo o comunicado:

Comunicado

O candidato ao Governo da Paraíba pelo MDB, Zé Maranhão, informa a todos que nesta quinta-feira (16) irá conceder uma entrevista coletiva. Será às 15h, na sede do MDB, que fica na Avenida Duarte da Silveira, João Pessoa.

 

Com Assessoria

Candidatos à Presidência têm patrimônio somado de R$ 834 milhões

João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) têm as maiores cifras entre os 13 que disputarão o cargo em outubro

Os presidenciáveis João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) possuem os maiores patrimônios entre os 13 candidatos que vão disputar o cargo em outubro.

Amôedo declarou bens que somam R$ 425 milhões, e Meirelles, R$ 377,5 milhões. Os 13 candidatos, somados, possuem bens de R$ 833,7 milhões.

Veja quanto declarou cada candidato (os dados referentes a campanhas anteriores não estão atualizados pela inflação):

Lula (PT)

Declaração de bens 2018: R$ 7.987.921,57

Declaração anterior (2006): R$ 839.033,52

Jair Bolsonaro (PSL)

Declaração de bens: R$ 2.286.779,48

Declaração anterior (2014): R$ 2.074.692,43

Marina Silva (Rede):

Declaração de bens: R$ 118.835,13

Declaração anterior (2014): R$ 181.019,32

Ciro Gomes (PDT):

Declaração de bens: R$ 1.695.203,15

Declaração anterior (2006): R$ 426.840,92

Geraldo Alckmin (PSDB):

Declaração de bens: R$ 1.379.131,70

Declaração anterior (2014): R$ 1.069.498,27

Alvaro Dias (Podemos):

Declaração de bens: R$ 2.889.933,32

Declaração anterior (2014): R$ 2.912.001,70

Henrique Meirelles (MDB):

Declaração de bens: R$ 377.496.700,70

Declaração anterior (2002): R$ 45.077.777,90

Cabo Daciolo (Patriota):

Declaração de bens: Não declarou nenhum

Declaração anterior (2014): R$ 40.000

Guilherme Boulos (PSOL):

Declaração de bens: R$ 15.416

Declaração anterior: não tem

João Amoedo (Novo):

Declaração de bens: R$ 425.066.485,46

Declaração anterior: não tem

Vera Lúcia Salgado (PSTU):

Declaração de bens: R$ 20.000

Declaração anterior (2016): Não declarou

João Goulart (PPL):

Declaração de bens: R$ 8.591.035,79

Declaração anterior: não tem

José Maria Eymael (DC):

Declaração de bens: R$ 6.135.114,71

Declaração anterior (2014): R$ 5.134.884,36

Com Folhapress

Zé Maranhão participa de Festa de Nossa Senhora dos Remédios em Araruna

Como faz todos os anos, Zé Maranhão participou nesta quarta-feira (15) da tradicional Festa de Nossa Senhora dos Remédios, promovida pela Paróquia Santuário de Nossa Senhora da Conceição, de Araruna.

Filho da Araruna, Maranhão foi recebido com muito carinho pelos fiéis que foram acompanhar a missa que marcou o encerramento do novenário. Ele falou da ligação com essa festa: “Tenho um carinho especial pela festa de Nossa Senhora dos Remédios. Todos os anos faço questão de estar presente. É um momento de fortalecimento da fé e de ligação com as minhas raízes.”

Também estiveram presentes na missa o candidato a Senador Roberto Paulino, o Deputado Federal Benjamin Maranhão, o Deputado Estadual Raniery Paulino além de Olenka e Vilma Maranhão e Lindolfo Pires.

Com ParaíbaJá

Condenado e preso pela Lava Jato, Lula registra candidatura a presidente

Inscrição oficial da chapa do ex-presidente – com Fernando Haddad como candidato a vice – foi acompanhada por cerca de 4.000 manifestantes no entorno do TSE

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado e preso pela Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo envolvendo um tríplex no Guarujá, registrou oficialmente no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a sua candidatura a um terceiro mandato como presidente da República – ele foi eleito pela primeira vez em 2003 e reeleito em 2006.

O ato do registro, feito no final da tarde desta quarta-feira, 15, foi acompanhado por cerca de 4.000 manifestantes, segundo a Polícia Militar, que ocuparam o entorno do TSE – a grande maioria é formada por militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e por outros movimentos sociais que apoiam o petista.

A chapa foi registrada com o nome “O Povo Feliz de Novo”. O ex-presidente Lula foi identificado como “torneiro mecânico” no quadro “ocupação” (veja reprodução da ficha abaixo).

 (reprodução/Reprodução)

O pedido de registro foi entregue pela presidente do partido, a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR), o vice formal na chapa de Lula, Fernando Haddad, a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) – que será a vice de fato tanto no caso de Lula ter a candidatura confirmada quanto na hipótese de ele ser barrado pela Justiça e substituído por Haddad – e a ex-presidente Dilma Rousseff.

Em discurso antes de entrar no TSE para registrar a candidatura, Gleisi manteve o tom de que o ex-presidente é um “preso político”. Segundo a senadora, o registro ocorre “a despeito dos que não queriam, dos que deram o golpe e tiraram Dilma, dos que tiraram os direitos dos trabalhadores, dos que julgaram e condenaram Lula sem provas. Estamos aqui hoje de cabeça erguida para dizer a eles que não tivemos medo, acreditamos no povo brasileiro e na caminhada que nos propusemos a fazer e estamos aqui pelos direitos do povo”.

Já Haddad afirmou que o registro da candidatura “põe fim ao golpe de 2016 (impeachment de Dilma), que abalou os alicerces da nossa democracia”. Para o ex-prefeito paulistano, não há nenhum dispositivo que impeça a candidatura do ex-presidente de ser registrada.

Sobre como será a campanha sem Lula, Haddad e Manuela disseram que vão se dividir em viagens nos estados para tentar compensar a falta de participação nos debates eleitorais. “Somos militantes e estamos no lugar que sabemos estar. Fazendo campanha, pedindo voto e dizendo que o Brasil pode ser feliz de novo”, disse.

Em relação à participação nos debates eleitorais, Haddad falou que o desejo do partido é que o “próprio Lula participe”. “O Código Eleitoral é claro ao dizer que Lula tem o direito de participar de [propagandas no] rádio e TV”, declarou.

Questionado sobre se o fato de estar em campanha nas ruas não dá a impressão de que ele já assumiu a candidatura do PT à Presidência da República, Haddad afirmou que vice “tem direito de fazer campanha”. “Vocês estão diminuindo a posição do vice”, brincou. Sem citar o nome do presidente Michel Temer (MDB), ele ironizou: “Vice é uma coisa importante, sobretudo se for leal.”

Haddad também foi perguntado a respeito da Lei da Ficha Limpa e afirmou que “o caso de Lula é particular”. “Ele está completamente protegido por um dispositivo da própria Lei da Ficha Limpa que garante recursos em casos como o dele, no qual há flagrante cerceamento do direito de defesa e julgamento muito parcial”, afirmou.

Veja

Saiba quanto declararam os candidatos ao governo da Paraíba

De acordo com as declarações de bens registradas na Justiça Eleitoral e já disponíveis no site do Tribunal Regional Eleitoral, o candidato a governador com o maior patrimônio é o senador José Maranhão (MDB), com R$ 8.037.673,96. Apesar do valor, o montante é 9% inferior ao declarado na eleição de 2014, quando ele disputou o mandato – naquele pleito os bens declarados somavam R$ 8.830.629,26. O segundo colocado no ranking patrimonial, ainda de acordo com a declaração de bens, é o ex-secretário de Infraestrutura João Azevêdo, do PSB, com R$ 1.058.340,88.

Ele nunca disputou cargo eletivo, daí a ausência de comparativo com bens.
O terceiro maior valor entre os titulares de chapa é Lucélio Cartaxo, candidato a governador pelo Partido Verde, com R$ 746.963,23. Ele foi candidato a senador há quatro anos, pelo Partido dos Trabalhadores, e na oportunidade declarou bens no valor de R$ 590.986,52.

Os dados agora publicizados atestam um aumento patrimonial de 26,39% no período. O assistente social Tárcio Teixeira, candidato a governador pelo Psol, declarou bens no valor de R$ 299.157,64 – montante 18,28% superior ao declarado na eleição anterior, quando também concorreu ao governo do Estado. Naquela ocasião, o seu patrimônio pessoal somava R$ 252.928,00. A quinta candidata, a professora Rama Dantas, do PSTU, declarou os mesmos R$ 8 mil de patrimônio que já havia informado à Justiça Eleitoral no pleito de 2014, quando disputou o mandato de senadora.

Os vices – Entre os candidatos a vice-governador, quem declarou maior patrimônio pessoal foi o advogado estreante na disputa Bruno Rodrigues, do PR, com R$ 4.335.706,33. Em seguida, figura a vice-governadora atual, médica Lígia Feliciano, do PDT, com o montante declarado de R$ 3.734.160,93. O valor é 16,9% superior ao que foi declarado na eleição de 2014, quando ela concorreu na chapa do atual governador Ricardo Coutinho. A terceira candidata a vice com maior patrimônio é a médica Micheline Rodrigues (PSDB), esposa do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, com R$ 414.675,04 em bens informados à Justiça Eleitoral. O vice da chapa do PSTU, Emanuel Candeia, declarou bens no montante de R$ 12 mil. Estreante como Bruno, Micheline e Emanuel, a professora Adjany Simplício declarou apenas um veículo no valor de R$ 5 mil como patrimônio.

Já os 21 candidatos das chapas concorrentes a duas cadeiras no Senado mencionaram bens no valor total de mais de R$ 14 milhões – titulares e dois suplentes cada. Os dois concorrentes com maior patrimônio declarado, curiosamente, são suplentes. Alexandre (PRP), segundo suplente do deputado federal petista Luiz Couto, possui R$ 4.620.905,89. Em seguida vem Diego Tavares (PV) com R$ 3.186.185,42 – ele é primeiro suplente da deputada Daniella Ribeiro, do Progressistas. Entre os titulares, o maior patrimônio é de Roberto Paulino (MDB), com bens no total de R$ 1.680.00,00. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) declarou R$ 892.798,73 – aumento de 2%. O deputado federal Veneziano Vital do Rêgo declarou ter R$ 735.413,02 – aumento de 155,39% em comparação com 2014, quando venceu disputa à Câmara. Já Daniella Ribeiro (PP) declarou possuir R$ 138.407,47.

 

Os Guedes

Saiba quem é o candidato a vice-governador mais rico na Paraíba

Entre os candidatos a vice-governador, o que declarou o maior patrimônio pessoal foi o advogado estreante na disputa, Bruno Roberto (PR), com R$ 4.335.706,33. Em seguida vem a atual vice-governadora, a médica Lígia Feliciano (PDT), que declarou o montante de R$ 3.734.160,93.

O valor é 16,9% superior ao declarado na eleição de 2014 (R$ 3.195.406,67). A terceira candidata a vice com maior patrimônio é a médica Micheline Rodrigues (PSDB), com R$ 414.675,04 em bens informados à Justiça Eleitoral.

O vice da chapa do PSTU, Emanuel Candeia, declarou bens no valor total de R$ 12 mil. Estreante como Bruno, Micheline e Emanuel, a professora Adjany Simplício declarou apenas um veículo no valor de R$ 5 mil como patrimônio.

Candidatos – As cinco chapas que pediram registro de candidatura ao governo da Paraíba junto ao Tribunal Regional Eleitoral somam patrimônio de mais de R$ 18,5 milhões – considerando candidatos a governador e seus respectivos vices. O prazo final para oficializar os pedido de registro é hoje, mas com a apresentação definida, a declaração de bens já está disponível no site da Justiça Eleitoral.

O candidato com o maior patrimônio declarado é o senador José Maranhão (MDB), com R$ 8.037.673,96. Apesar do valor, o montante é 9% inferior ao declarado na eleição de 2014, quando ele disputava o mandato em vigor. Naquele pleito, os bens declarados somavam R$ 8.830.629,26.

O segundo colocado no ranking patrimonial, segundo a declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral, é o ex-secretário João Azevêdo (PSB), com R$ 1.058.340,88. Ele nunca disputou cargo eletivo, então não há dado comparativo.

O executivo Lucélio Cartaxo (PV) foi o concorrente a governador que declarou o terceiro maior valor entre os titulares de chapa, com R$ 746.963,23. Há quatro anos, candidato a senador, ele declarou bens num total de R$ 590.986,52. Os dados indicam um aumento patrimonial de 26,39% no período.

O assistente social Tárcio Teixeira (Psol) declarou bens no valor de R$ 299.157,64 – montante 18,28% superior ao declarado na eleição anterior, quando também disputou o governo da Paraíba. Naquela ocasião, o seu patrimônio pessoal somava R$ 252.928,00. A quinta candidata, a professora Rama Dantas (PSTU), declarou os mesmos R$ 8 mil de patrimônio que já havia informado à Justiça Eleitoral no pleito de 2014, quando disputava o cargo de senadora.

PBAgora

Primeira pesquisa oficial apura números para governador do estado e revela Maranhão em primeiro lugar na estimulada e João é líder na espontânea

Pesquisa divulgada no final da tarde de ontem (14) pelo instituto Consult aponta que os candidatos ao Governo do Estado na Paraíba precisam dar uma atenção especial à região de Campina Grande.

O candidato que, segundo a pesquisa, está à frente nos números, José Maranhão (MDB), com 22,50% das intenções de voto, tem sua maior votação na Grande João Pessoa (31.8%) e a menor no Sertão (15.4%). Em Campina Grande ele alcança 25.9%.

Por outro lado, João Azevedo (PSB), que tem 21,40% das intenções de voto de acordo com a Consult, é mais votado no Sertão Paraibano (28.9%), seguido da Borborema (26.3%).

O candidato Lucélio Cartaxo (PV), que aparece com 16,20% das intenções de voto, tem sua maior votação na Grande João Pessoa (24.7%), seguido de João Pessoa (24.3%).

Tárcio Teixeira (PSOL), com 1,80% na pesquisa, também tem sua maior votação na Grande João Pessoa (3.5%), seguido de Campina Grande (3.0%).E Rama Dantas (PSTU), com 0,10% das intenções, é mais forte em João Pessoa (0.3%).

O instituto questionou, na pergunta estimulada, “Se os futuros candidatos a Governador da Paraíba, forem esses citados, e que estão nesse cartão, em qual deles o(a) sr.(a) (você) votaria?”

A pesquisa foi registrada sob os números PB-03853/2018 e BR-02689/2018.

De acordo com os dados da pesquisa, foi utilizada uma amostra probabilística casual simples de 2000 entrevistas, distribuída nas 07 regiões do estado.

A realização em sua etapa de campo ocorreu entre os dias 08/08/2018 e 12/08/2018.

Os resultados da pesquisa estão sujeitos a um erro máximo permissível de 2.0%, com confiabilidade de 95%.

 

Fonte: Consult/ClickPB