Categoria Policial

porpjbarreto

Presidente do TJPB se solidariza com familiares de oficial de justiça desaparecido

O presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, endossa o apelo feito pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba (Sindojus-PB) por informações sobre o paradeiro do oficial de justiça Eduardo Chagas, considerado desaparecido desde as 13h da última quarta-feira (22), de sua residência, localizada em João Pessoa. Até o final da tarde desta sexta-feira (24), o servidor ainda não havia sido encontrado.

De acordo com informações do presidente do Sindojus-PB, Benedito Fonsêca, Eduardo Chagas é um bom profissional, com mais de vinte anos de atuação no Judiciário estadual e que trabalhou normalmente no plantão da última segunda-feira (20). “O sindicato conclama às mais diversas autoridades a uma resposta sobre o tema. Não sabemos se ele saiu para cumprir algum mandado, o que pode ter acontecido. Como estamos limitados pelo isolamento social, as comunicações estão precárias”, afirmou.

Além disso, acrescentou que o oficial de justiça é pacato e não possui histórico de desavenças em mandados. “Quando no exercício do cargo, ocorrem eventuais agressões, pois temos casos registrados de agressões aos oficiais de justiça. Mas, ele não tem registro disso”, salientou o presidente do Sindojus-PB.

O presidente Márcio Murilo afirmou que foi comunicado do desaparecimento do oficial de justiça Eduardo Chagas pelo presidente do Sindojus-PB. “Em conversa com ele, disponibilizei a nossa segurança institucional aos familiares para qualquer providência que esteja sob a nossa competência. Os parentes estão apreensivos e pedimos que quem tiver informações sobre o nosso servidor, comunique imediatamente”, afirmou.

Para auxiliar com informações acerca da localização do oficial de justiça desaparecido, o número para contato é (83) 98839-488 (falar com Túlio).

 

Por Celina Modesto / Assessoria – TJPB

porpjbarreto

Polícia Militar prende bando e apreende farto armamento no Sertão da Paraíba. Veja galeria de fotos!

Policiais Militares do 14º BPM, 3º BPM (Patos), GEOSAC, Equipes do Comando do Policiamento Regional II, GATE, Polícia Civil e Polícia Federal, conseguiram prender na tarde desta quinta-feira (16), na cidade de Aparecida-PB, seis suspeitos oriundos de vários estados da região Nordeste, que foram abordados após serem monitorados e portavam 04 fuzis (várias marcas), 01 Metralhadora .50 (Antiaérea), 01 Pistola Calibre 9mm, Dinamites e farta munição entre os calibres 7,62; 9mm e 5,56. Ainda foram apreendidos dois veículos, uma Camioneta Marca Chevrolet, modelo S10 e um veículo marca Renault, modelo Duster ambos cor prata.

Desde a última quarta-feira, dia (15), por determinação do Excelentíssimo Senhor Coronel Euller de Assis Chaves – Comandante Geral da PMPB, que emitiu diretrizes para a realização das atividades nos municípios paraibanos, as forças de Segurança do Estado da Paraíba deflagraram operações, como a “Visibilidade” protagonizada pela Polícia Militar e em conjunto com os demais órgãos da pasta vinha acompanhando a movimentação de uma quadrilha de assaltantes de bancos, carros fortes, explosões a Caixas eletrônicos e tráfico de armas, que planejava agir nos próximos dias na Paraíba e em outros estados da região.

Com o monitoramento, um grande efetivo foi mobilizado na cidade de Aparecida-PB, local próximo à fronteira com o Estado do Rio Grande do Norte, cidade margeada pela BR-230, facilitando o acesso do policiamento e evitando um iminente confronto em áreas urbanas, conseguiu interceptar de forma exitosa os veículos e realizar a abordagem.

O material apreendido e os suspeitos serão encaminhados à Delegacia da Polícia Federal na cidade de Patos-PB, por ser órgão competente para adotar medidas legais. Lá será feito todo o inventário quantitativo do que foi apreendido, a pesquisa virtual acerca dos nomes dos suspeitos e a sequência do inquérito policial.

Esteve à frente dos trabalhos o Coronel Campos, Comandante Regional II, Tenente Coronel Guedes comandante do 14º BPM com apoio de outros oficiais na operação.

 

Seção de Comunicação Social e Marketing Institucional do 14º BPM

porpjbarreto

Covid-19: Brasil tem 1,3 mil mortes e 23,4 mil casos confirmados

Número de casos confirmados da doença soma 23.430

O número de mortes decorrentes do novo coronavírus (covid-19) subiu para 1.328, um acréscimo de 105 óbitos nas últimas 24 horas. A nova totalização foi divulgada pelo Ministério da Saúde hoje (13). O resultado marca um aumento de 9% em relação a ontem.

São Paulo concentra o maior número de casos (8.895) e de mortes (608), com mais da metade do total contabilizado na atualização. Em seguida, os estados com os maiores números de mortes são Rio de Janeiro (188), Pernambuco (102), Ceará (91) e Amazonas (71).

Além disso, foram registradas mortes no Paraná (31), Maranhão (27), Santa Catarina (24), Minas Gerais (23), Bahia (22), Rio Grande do Norte (17), Rio Grande do Sul (16), Distrito Federal (15), Pará (15), Espírito Santo (14), Goiás (15), Paraíba (13), Piauí (8), Amapá (5),  Sergipe (4), Mato Grosso do Sul (4), Mato Grosso (4), Alagoas (3),  Acre (3), e Roraima (3) Rondônia (2). Tocantins é o único estado onde ainda não houve morte.

Já o número de casos no país somou 23.430. O número representa um crescimento de 6% em relação a ontem, quando o balanço do Ministério da Saúde marcou 22.169. A taxa de letalidade do país ficou em 5,7%.

Perfil

No perfil das vítimas, 58,9% eram homens e 41,1%, mulheres. Do total, 74% tinham acima de 60 anos e 75% apresentavam algum fator de risco, como cardiopatia, pneumopatia, diabetes e doenças neurológicas.

Já os casos confirmados nas últimas 24 horas totalizaram 1.261, menos do que ontem, quando foram 1.442. O resultado é também menor do que os registrados na última semana, quando chegaram a ser agregados às estatísticas 2.210 novos casos na quarta-feira (8).

No coeficiente de incidência (número de casos por 1 milhão de habitantes), Amazonas lidera (303), seguido por Amapá (281), Distrito Federal (209), Ceará (196), São Paulo (192) e Rio de Janeiro (186). Todas essas unidades da Federação estão mais de 50% acima da média nacional (111), na categoria de “emergência” de acordo com a escala do  MS.

As capitais com maior incidência são Fortaleza (573), São Paulo (518), Manaus e entorno (482), Macapá (391) e Florianópolis (345). Na consideração por área de saúde, ganha destaque também na área central, no Amapá, com índice de 348, além de Rio Negro e Solimões, no Amazonas, com 305.

As hospitalizações por covid-19 totalizaram 4.926. No entanto, ainda há 31.605 pessoas internadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em investigação, dependendo de testes para averiguar se são casos de infecção por novo coronavírus ou não.

 

Agência Brasil

porpjbarreto

Família de vítima receberá indenização de R$ 75 mil por atropelamento provocado por veículo dos Correios

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 manteve a condenação da Empresa Brasileira de Correios e Telegrafos (ECT) em pagar indenização de R$ 75 mil, a título de danos morais, pelo atropelamento de uma senhora de 69 anos. O acidente de trânsito provocou a morte da vítima e ocorreu porque o veículo da empresa transitava na contramão e em marcha ré na Rua Isidio da Silva, no município de Camaragibe/PE, na tarde do dia 21 de julho de 2014. A indenização será paga à família da vítima.

O órgão colegiado negou provimento, em decisão unânime, à apelação interposta pela estatal, mantendo a sentença proferida pela 1ª Vara Federal de Pernambuco. Ao recorrer ao Segundo Grau da Justiça Federal, a ECT alegou que, “em nenhum momento a parte autora pleiteou indenização por danos morais, limitando expressamente sua pretensão a danos de índole material”. A empresa também alegou ausência de responsabilidade no acidente e do dever de indenizar, porque não houve a comprovação dos elementos determinantes (ato ilícito, dano e nexo de causalidade) e ainda argumentou ausência de elemento subjetivo (dolo ou culpa).

Os argumentos da empresa não foram aceitos pelo desembargador federal Roberto Machado, relator do processo. “Cumpre esclarecer que não se pode falar em julgamento extra-petita, porque a peça inaugural revela claramente que se trata de “ação de indenização com danos morais por ato ilícito causado por acidente de trânsito”. Prossigo. A teoria da responsabilidade objetiva do Estado, consagrada no art. 37, § 6º, da Constituição Federal, impõe às pessoas jurídicas de Direito Público e às de Direito Privado prestadoras de Serviço Público o dever de ressarcir os danos que seus agentes, nessa qualidade, causem a terceiros, independentemente da comprovação de culpa”, escreveu o magistrado no voto.

De acordo com os autos, a perícia do Instituto de Criminalística da Secretaria de Defesa Social do Estado de Pernambuco concluiu que a morte da vítima foi provocada pelo atropelamento. O laudo pericial também apontou que o condutor do veículo, uma Doblô, deu causa ao acidente, ao trafegar na contramão e em marcha ré sem a devida atenção à segurança do trânsito.

“Da análise cuidadosa dos elementos probatórios acostados aos autos, especialmente do teor do exame pericial, bem fundamentado e elucidativo, constata-se que o atropelamento com óbito da genitora da autora foi causado por veículo pertencente à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT, surgindo-lhe o dever de indenizar, em decorrência da aplicação da tese da responsabilidade objetiva insculpida no art. 37, parágrafo 6º, da Constituição Federal. Ressalte-se que a responsabilidade civil somente é elidida pelo caso fortuito, força maior, ou pela culpa exclusiva da vítima, hipóteses essas que não estão caracterizadas no caso em apreço”, ressaltou o relator no acórdão.

Quanto ao valor da indenização pelo dano moral, o desembargador federal Roberto Machado concluiu que a sentença da 1ª Vara Federal de Pernambuco não merecia reparos. “O juiz sentenciante julgou parcialmente procedente o pedido inicial, condenando a ECT ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 75 mil, devidamente corrigido, nos termos da Súmula 362-STJ e acrescido de juros de mora, nos termos da Súmula 54-STJ. Dessa forma, a indenização por dano moral é devida, porque o dano está inserido na própria situação vivenciada pela autora, a qual perdeu abruptamente sua genitora, o que vai muito além do mero dissabor cotidiano que a jurisprudência pacificou como não indenizável. O valor da indenização por danos morais deve ser mantido”.

O relator também explicou no acórdão que a condenação da empresa e o pagamento de indenização, nesses casos, têm natureza punitivo-pedagógica, para desencorajar condutas ofensivas de igual natureza. “É a chamada técnica do valor de desestímulo como fator de inibição a novas práticas lesivas”, afirmou o desembargador, citando jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no Recurso Especial Resp 355392/RJ, de relatoria da ministra Nancy Andrighi.

O julgamento do recurso ocorreu no dia 20 de fevereiro. O ECT ainda pode recorrer da decisão colegiada.

Processo: 0802701-26.2015.4.05.8300

 

Divisão de Comunicação Social do TRF5
porpjbarreto

MPPB denuncia radialista preso na ‘Calvário’ acusado de extorsão de investigados

Fabiano Gomes é acusado de tentar extorquir e constranger possíveis alvos da investigação, com o pretexto de que teria proximidade com autoridades que coordenam os trabalhador

O radialista cajazeirense Fabiano Gomes, preso na oitava fase da Operação Calvário, foi denunciado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) à Justiça. Fabiano Gomes é acusado de tentar extorquir e constranger possíveis alvos da investigação, com o pretexto de que teria proximidade com autoridades que coordenam os trabalhador. Uma das vítimas, de acordo com o Ministério Público, teria sido o empresário Denylson Oliveira Machado, sócio-majoritário do Paraíba de Prêmios.

A defesa de Fabiano Gomes soube da movimentação processual distribuída na 6ª Vara Criminal na véspera da soltura de Fabiano Gomes, mas informou que não teve acesso a nenhuma denuncia.

A pressão e as ameaças teriam começado a partir da recusa do pagamento de anúncio publicitário a um programa jornalístico do radialista. Denylson teria considerado o valor exigido “exagerado”. Em troca do anúncio, Fabiano teria prometido “blindar” o empresário na Justiça e na imprensa quanto as denúncias envolvendo o nome dele na Operação Calvário.

“Nessa oportunidade, mais precisamente, no dia 30 de dezembro de 2019, o indigitado denunciado renovou seus diálogos com o citado empresário, passando, em tom de ameaça, a ideia de que possuía ‘degravações’ prejudiciais a ele (Denylson), supostamente colhidas de um ‘ex-chefe de transportes do Governo do Estado’ e que esclareceria a sua sociedade oculta com Coriolano Coutinho (irmão do ex-governador Ricardo Coutinho)”, relata a denúncia.

Os promotores do Gaeco ainda assinalam que essas atitudes de buscar os alvos da investigação e insinuar poder e influência, poderiam precipitar estratégias quando usados em canais de comunicação em massa, atrapalhando o andamento de qualquer procedimento da investigação.

Fabiano Gomes chegou a passar dez dias preso temporariamente. A prisão foi determinada pelo desembargador Ricardo Vital, relator da Operação Calvário. Após a prisão, os advogados dele divulgaram uma nota em que afirmam que o radialista “esteve e sempre estará à disposição da Justiça para colaborar com todos os atos da investigação e esclarecer os fatos com a verdade”.

A 8ª fase da Operação Calvário foi deflagrada no dia 10 de março pela Polícia Federal na Paraíba e pelo Gaeco, com apoio da Controladoria Geral da União (CGU). A operação culminou na prisão do radialista Fabiano Gomes e no cumprimento de nove mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, e no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. A última fase da operação aponta o envolvimento da Lotep no esquema criminoso de desvio de recursos.

Com G1-PB

porpjbarreto

Vídeo: Ônibus é parado pela polícia e vigilância sanitária de Iguatu com destino à Cajazeiras

Um vídeo está circulando nas redes sociais, onde um ônibus cheio de passageiros vindo de local não informado transitava pela cidade de Iguatu, no vizinho estado do Ceará e foi interceptado pela polícia e vigilância sanitária daquele município e levado à delegacia local.

Porém, antes mesmo que os passageiros fossem interrogados na DP, ambos foram orientados pela equipe de vigilância sanitária a seguirem viajem, mas algumas respostas apontaram, para o destino do referido ônibus, a cidade de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba.

De acordo com os padrões adotados por causa da pandemia do novo Coronavírus, o veículo saiu de Iguatu escoltado por várias viaturas da polícia estadual e do sistema municipal de trânsito até a saída do município – com destino à Cajazeiras.

Em contato com o Secretário Municipal de Comunicação de Cajazeiras, na tarde desta segunda-feira (23), o mesmo nos trouxe que até o presente momento não teria sido informado sobre o ocorrido, mas daria respostas em breve.

– Ao retornar com respostas, o Secretário de Comunicação – Jota Erre, informou que o referido ônibus não teria entrado no município de Cajazeiras, até às 16hs30 da tarde desta segunda-feira (23), pelas vias terrestres de acesso, mas que a Superintendência de Transportes e Trânsito, o SCTrans está trabalhando atentamente e vigilante para fazer as abordagens cabíveis e legais, no tocante a esse tipo de ocorrência.

Atualizando – Segundo a imprensa cearense, o ônibus de placas: FCO-3502, vindo de São Paulo, viajava com 23 passageiros, foi interditado na noite do último domingo (22), pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Km 42 da BR-230, já em Lavras da Mangabeira, com auxilio e apoio da Secretaria Municipal de Saúde daquele município.

A PRF informou que não houve fiscalização detalhada no veículo devido risco de contaminação. Dos 23 passageiros, oito ficaram em Lavras da Mangabeira, outros foram de táxi para Cajazeiras, na Paraíba, e os demais voltaram para Iguatu e Jucás.

 

Redação

porpjbarreto

Câmeras flagram assaltantes no Fórum de Juazeirinho e suspeitos já estão presos

A implantação do Softaware Visit em mais 16 comarcas e as prisões de sete, dos oito envolvidos no roubo de dois aparelhos de TV no Fórum da Comarca de Juazeirinho foram alguns dos pontos de debate durante mais uma reunião da Comissão Permanente de Segurança do Tribunal de Justiça da Paraíba. O encontro de trabalho aconteceu na manhã desta segunda-feira (16), no TJPB, sob a condução do desembargador Joás de Brito Pereira Filho.

O desembargador concluiu que houve avanços significativos em todas as ações e projetos desenvolvidos pelo Poder Judiciário estadual no segmento segurança. O presidente da Comissão disse, também, que o problema da Comarca de Juazeirinho já foi resolvido. “Sete pessoas estão presas e um mandado de prisão preventiva já foi expedido contra o único foragido. As câmeras de segurança possibilitaram a identificação e a consequente prisão dos bandidos em Juazeirinho”, disse Joás de Brito.

O Tribunal de Justiça, por meio da Gerência de Segurança Institucional, concluiu, na semana passada, a instalação das últimas câmeras de segurança nos fóruns e prédios de todo o Judiciário estadual, totalizando 1.194 equipamentos de monitoração.

Juiz auxiliar da Presidência Rodrigo Marques

A respeito do “Visit”, ferramenta fundamental para o pleno funcionamento do Projeto Acesso Seguro nas unidades, o juiz auxiliar da Presidência, Rodrigo Marques, disse que o sistema passou a funcionar em mais 16 comarcas, sendo elas: Caaporã, Rio Tinto, Mamanguape, Jacaraú, Água Branca, Juazeirinho, Santa Luzia, Princesa Isabel, Queimadas, Alagoa Grande, Areia, Picuí, Sousa, Catolé do Rocha e Campina Grande. “Os fóruns da Paraíba estão, efetivamente, mais seguros com a disponibilidade de equipamentos tecnológicos que facilitam as investigações e apuração dos delitos”, comentou.

O software também está presente no Anexo Administrativo do TJPB e nos fóruns de Itabaiana, Mari, Piancó, Bananeiras, São Bento, São José de Piranhas, Bayeux, Pedras de Fogo, Cajazeiras, Conceição, Sapé, Fórum Regional de Mangabeira, e Fórum Criminal de João Pessoa.

Também participaram da reunião a gestora do Projeto Acesso Seguro, juíza Michelline Jatobá, o presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), juiz Max Nunes, o gerente de Segurança Institucional, coronel Gilberto Moura, e o coordenador do Projeto Acesso Seguro, Jardel Rufino.

Acesso Seguro em Campina Grande– Nesta terça-feira (17), o Projeto Acesso Seguro será implantado na segunda maior Comarca da Paraíba, Campina Grande. O Acesso Seguro tem por referência a Resolução nº 176/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que institui o Sistema Nacional de Segurança do Poder Judiciário. No ano passado, mais de 390 mil pessoas tiveram o acesso controlado nos fóruns da Paraíba, sobretudo nas comarcas de fronteira. Só no Fórum Criminal de João Pessoa, foram 112.694.

Juíza Micheline Jatobá

Micheline Jatobá lembrou que, só no ano passado, a equipe desenvolveu atividades em 30 comarcas de todas as regiões do Estado. “Isso significa mais de 50% das unidades. Dessas comarcas, onze já contam com o funcionamento total do Projeto, que consiste em controlar o acesso de pessoas às unidades da Justiça estadual, seguindo procedimentos de identificação, inspeção de segurança, submissão ao aparelho detector de metais e utilização de crachá de identificação”, ressaltou a gestora.

O Acesso Seguro já funciona nos fóruns Cível e Criminal da Capital e nos fóruns de Bayeux, Santa Rita, Cabedelo e de Mangabeira, além do Anexo do TJPB.

 

Assessoria – TJPB

porpjbarreto

Desembargador Ricardo Vital prorroga prisão temporária do radialista cajazeirense Fabiano Gomes por cinco dias

Ricardo Vital de Almeida

O desembargador Ricardo Vital de Almeida determinou, nos autos da Medida Cautelar Inominada nº 0000091-04.2020.815.0000, a prorrogação da prisão temporária do radialista Fabiano Gomes da Silva por cinco dias, contados do vencimento do prazo do primeiro mandado, ou seja, a partir das 8h do dia 15/03 até as 8h do dia 19/03, sendo, por conseguinte, desnecessária nova audiência de custódia. “O preso temporário deverá permanecer obrigatoriamente separado dos demais detentos, no ergástulo onde se encontra”, destaca a decisão.

O pedido de prorrogação foi formulado pelo Ministério Público do Estado e pela Polícia Federal, alegando comprovada necessidade. Segundo os requerentes, após a prisão do investigado, seguiram-se outros atos investigativos, mediante a coleção de evidências de corroboração aos elementos indiciários e de prova já angariados, havendo a Polícia Federal realizado a oitiva de outras vítimas das supostas investidas de Fabiano Gomes, as quais relataram haver o investigado ter dito possuir poder de intervenção no cenário das investigações da Operação Calvário e relação de intimidade com autoridades (delegados e promotores de Justiça), envolvidas no caso.

Um dos depoimentos foi dado no dia 10 de março pelo secretário de Comunicação do Estado, Nonato Bandeira, no qual relata que Fabiano dizia ter um dossiê contra ele, que teria sido feito a mando de Ricardo Coutinho. Disse, ainda, que o radialista usou em algumas oportunidades o nome do delegado Fabiano Emídio e do promotor de Justiça Octávio Paulo Neto, dizendo-se próximo de ambos e, com isso, insinuando que poderia proteger o depoente na Justiça.

Outro depoimento, prestado na Polícia Federal no dia 11 de março, foi do jornalista Luiz Torres. Na ocasião, ele disse que Fabiano Gomes passou a procurá-lo, noticiando que tinha dados relacionados com a sua gestão na Secretaria de Comunicação do Estado, que poderiam relacionar o depoente com a Operação Calvário. Segundo o relato de Fabiano, tais dados haviam sido obtidos em razão de sua suposta relação próxima com Octávio Paulo Neto, chefe do Gaeco e com Fabiano Emídio, delegado de Polícia Federal. Afirmou que se recorda, inclusive, de uma frase dita por Fabiano Gomes: “Você está se negando a falar comigo? Logo eu que fui escalado pelo chefe do Gaeco para negociar”.

Ao decidir sobre a prorrogação da prisão temporária, o desembargador Ricardo Vital observou que a complexidade dos fatos investigados, dos elementos e de prova que se pretende alcançar, reclamam uma avaliação mais minuciosa do efetivo grau de participação de Fabiano Gomes no suposto esquema criminoso. “Também sob essa perspectiva, afigura-se adequada a prorrogação da prisão temporária por cinco dias, para que a situação processual do investigado seja examinada com mais detalhamento e aprofundamento, sob um quadro probatório bem tracejado”, ressaltou.

Ricardo Vital explicou que a prisão temporária de Fabiano Gomes visa, sobretudo, proteger a efetividade de outras medidas investigativas em andamento e evitar que o investigado interfira na obtenção e produção de outros elementos indiciários e probatórios.

O radialista teve a prisão temporária decretada no bojo da oitava fase da Operação Calvário. A prisão foi requerida porque ele estaria fazendo uso de canais de imprensa com o objetivo de embaraçar as investigações empreendidas na Operação Calvário, praticando extorsões contra terceiros que não teriam aceitado pagar vantagens indevidas por ele exigidas, constrangendo-os sob a falsa promessa de revelação de conteúdo sigiloso, envolvendo a operação.

Confira, aqui, a decisão na íntegra.

Assessoria – TJPB
porpjbarreto

Cajazeiras: Acusado de homicídio culposo na direção de veículo tem recurso negado pela Justiça da Paraíba

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou, por unanimidade e em harmonia com parecer do Ministério Público, provimento ao recurso de Francisco Gilderlânio Seixas que, sob influência de álcool, ocasionou acidente de trânsito que teria vitimado um motociclista, na estrada que liga as cidades de São José de Piranhas a Cajazeiras. Na sentença, do Juízo da 1ª Vara de Cajazeiras, o acusado foi condenado a uma pena de dois anos e quatro meses de detenção, em regime aberto, além de suspensão do direito de conduzir veículo automotor pelo período de dois anos. O relator da Apelação Criminal nº 0001043-22.2013.815.0131 foi o juiz convocado Tércio Chaves de Moura.

Ainda na decisão, a sanção punitiva foi substituída por duas penas restritivas de direitos (prestação pecuniária e prestação de serviços à comunidade), em razão das práticas delitivas descritas nos artigos 302, caput, e 306, ambos do Código Brasileiro de Trânsito (CTB), na forma do artigo 70 do Código Penal.

No recurso, a defesa pugnou pela absolvição em relação ao crime do artigo 306, do CTB, ante a alegada ausência de provas para o decreto condenatório; bem como, a reforma da sentença para retirar da condenação a penalidade pecuniária, uma vez que indenizou a família da vítima em valor superior ao de sua condenação. Quanto ao crime de homicídio culposo, requereu sua absolvição, sustentando que o evento morte ocorreu por circunstâncias alheias à sua vontade. Afirmou que não se ausentou do local do acidente e que não foi denunciado por omissão de socorro.

Para o juiz convocado Tércio Chaves, a simples alegação de falha mecânica do veículo não elide a responsabilidade do condutor que invadiu a contramão de direção. Segundo o relator, para que se isente de culpa é preciso que fique cabalmente demonstrado que o evento decorreu, efetivamente, de falha mecânica, que essa falha não seja fruto da negligência na conservação do veículo e que o motorista não tinha condições de evitar esse evento, o que não ocorreu no caso dos autos.

“Dessa forma, não tem como ser atendido o pleito do recorrente de absorção do crime de homicídio culposo pelo crime de dirigir embriagado”, concluiu.

Da decisão, publicada nesta terça-feira (10), cabe recurso.

 

Por Marcus Vinícius/Gecom-TJPB

porpjbarreto

“Operação Noteiras”: PC, MPPB e Sefaz desmancham esquema que teria movimentado R$ 200 milhões na PB

Estado contabiliza prejuízo de R$ 36 milhões em impostos não arrecadados

A Polícia Civil (PC), o Ministério Público da Paraíba (MPPB) e a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) cumpriram mandados judiciais, na manhã desta quarta-feira (04), dentro da “Operação  Noteiras”. Oito pessoas foram presas, sendo sete em Campina Grande e uma em Patos. Um alvo da operação em João Pessoa não foi localizado. Também foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 6ª Vara Criminal da Comarca da Capital.

A operação envolveu membros da Promotoria de Justiça de Crimes Contra a Ordem Tributária, com o apoio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), e da Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária da PC. A promotora de Justiça dos Crimes contra a Ordem Tributária, Renata Luz, destacou a integração entre as instituições que, segundo ela, resultou no desbaratamento “de uma organização criminosa, devidamente estruturada para fraudar o Estado”.

Durante entrevista coletiva à imprensa, em Campina Grande, Renata Luz explicou o funcionamento do esquema criminoso, no qual as pessoas tinham funções definidas com o objetivo de concretizar a fraude.

Já o delegado Hector Azevedo, da Delegacia de Ordem Tributária de João Pessoa, confirmou que a operação desarticulou um esquema de fraude fiscal envolvendo uma organização criminosa e um grupo de empresas que, juntas, movimentaram nos últimos  três anos, aproximadamente, R$ 200 milhões, em mercadorias e nota fiscais inidôneas. Com esses dados, a Sefaz deixou de arrecadar cerca de R$ 36 milhões em impostos para o Estado.

O esquema tinha a provável participação de um aposentado e um servidor efetivo da Sefaz. “Todas  as provas serão analisadas e se comprovada a participação o servidor será afastado e o aposentado terá sua aposentadoria convertida em demissão”,  afirmou o secretário executivo da Sefaz, Bruno Frade.

“Durante as investigações, constatou-se a existência de uma organização criminosa especializada na constituição de empresas “laranja” que simulam operações de compra e venda de mercadorias com o fim de acobertar operações realizadas por outras empresas que, por sua vez, funcionam com ares de regularidade, promovendo a circulação de mercadorias sem o recolhimento do imposto devido, causando assim, grave dano ao Estado da Paraíba”, esclareceu o delegado Hector Azevedo.

O delegado geral da Polícia Civil da Paraíba, Isaías Gualberto, acompanhou a operação e disse que o prejuízo maior é para  a sociedade. “Por conta desse  tipo de atitude o Estado deixa de arrecadar e investir mais em segurança, educação e outras áreas importantes para toda a sociedade.  É um dinheiro que deixa de ser aplicado em benefícios para a população”, ressaltou.

Faziam parte do esquema de sonegação empresas de gêneros alimentícios em João Pessoa e uma empresa de bebidas em Campina Grande. Os proprietários de empresas “laranja” que cediam seus nomes para emitir as notas fiscais recebiam propinas que variavam de R$ 2.500,00 a R$ 3.000,00, por nota emitida.

Os investigados responderão por crimes contra a ordem tributária, organização criminosa e falsidade ideológica, cujas penas, somadas, chegam a 18 anos de reclusão.

 

Assessoria – MPPB