Categoria INTERNACIONAL

Bélgica vence Inglaterra, fica com o 3º lugar e supera campanha de 1986

A Bélgica encerrou sua campanha na Copa do Mundo de 2018 de forma honrosa neste sábado, em São Petersburgo. Enfrentando a Inglaterra pelo terceiro lugar da competição, os Red Devils foram cirúrgicos logo no início da partida, assim como já haviam sido contra o Brasil, nas quartas de final, e acabaram vencendo os adversários por 2 a 0, graças aos gols de Meunier, aos três minutos de jogo, e Hazard, já no final do segundo tempo.

Com o resultado, o time comandado pelo técnico Roberto Martínez entrou para a história do futebol belga. Nenhuma geração do país chegou tão longe quanto essa de 2018 em uma Copa do Mundo. Em 1986, a Bélgica também foi eliminada na semifinal, porém, na disputa pelo terceiro lugar acabou derrotada pela França.

A Inglaterra, por sua vez, perdeu a grande oportunidade de fazer sua melhor campanha em Mundiais desde o título em 1966, quando sediou o torneio. Neste sábado o técnico Gareth Southgate levou a campo uma equipe sem quatro titulares e, embora tenha assegurado o comprometimento de seus jogadores no confronto com os belgas, não se esforçou muito para superar a campanha de 1990, quando os ingleses disputaram o terceiro lugar e acabaram derrotados pela Itália.

O jogo – A Bélgica iniciou a partida de maneira avassaladora neste sábado. Sem dar espaços à Inglaterra, o time do técnico Roberto Martínez foi cirúrgico em sua primeira oportunidade, logo aos três minutos, e desta maneira acabou abrindo o placar. Em contra-ataque fulminante, Chadli recebeu ótima enfiada de bola de Lukaku e cruzou na medida para Meunier, que se antecipou ao zagueiro para chegar finalizando de primeira dentro da área, sem chances para o goleiro Pickford.

Embpolgados com o gol precoce, os belgas continuaram pressionando a Inglaterra e por pouco não ampliaram aos 11 minutos, quando De Bruyne recebeu de Lukaku e bateu sem tomar distância, na tentativa de iludir o zagueiro. Antes de chegar ao gol, a bola ainda contou com desvio da defesa inglesa, mas o goleiro adversário estava esperto para fazer a defesa.

A Inglaterra só foi responder, de fato, aos 22 minutos, com seu artilheiro, Harry Kane. Sterling ajeitou para o camisa 9 na entrada da área, porém, ele não pegou bem na bola e a viu sair mascada pela linha de fundo.

Antes do intervalo, a Bélgica ainda teve mais duas oportunidades para ir ao vestiário com uma vantagem ainda maior no placar. Aos 34 minutos, Hazard recebeu bom passe de De Bruyne dentro da área e tentou a finalização, mas foi travado na hora “h” pelo zagueiro Stones. Na sequência, após cobrança de escanteio, foi a vez de Alderweireld completar a sobra do chute de Tielemans e mandar rente ao travessão, assustando o goleiro Pickford.

Segundo tempo

A Inglaterra voltou para o segundo tempo disposta a reverter o jogo. Para isso, o técnico Gareth Southgate promoveu duas alterações em sua equipe: a entrada de Lingard na vaga de Rose e Rashford no lugar de Sterling. As mudanças pareceram ter surtido efeito aos nove minutos, quando Lingard bateu cruzado dentro da área e viu Harry Kane se jogar na bola na tentativa de um desvio para o gol, o que não aconteceu.

A Bélgica, por sua vez, não deixou barato e respondeu logo em seguida. De Bruyne encontrou uma brecha mínima entre os zagueiros adversários e tocou em profundidade para Lukaku. O atacante, porém, não conseguiu dominar a bola da forma que queria e, frente a frente com Courtois, a viu escapar de seus pés, desperdiçando grande oportunidade.

Tentando correr atrás do prejuízo, a Inglaterra seguiu pressionando a Bélgica no restante da partida. Aos 24 minutos, a melhor chance dos Three Lions. Eric Dier, do Tottenham, tabelou com Jesse Lingard e saiu na cara do gol. O volante ainda tocou por cima do goleiro, mas, antes de a bola cruzar a linha, Alderweireld apareceu de forma providencial para afastar o perigo.

Se a Inglaterra não aproveitou sua grande oportunidade, a Bélgica fez o seu dever de casa. Aos 36 minutos, De Bruyne arrancou pelo meio e acionou Eden Hazard na esquerda. O atacante do Chelsea invadiu a área e tocou na saída do goleiro, estufando as redes e assegurando o histórico terceiro lugar da ótima geração belga.

FICHA TÉCNICA
BÉLGICA 2 X 0 INGLATERRA

Local: estádio Krestovsky, em São Petersburgo (RUS)
Data: 14 de julho de 2018 (sábado)
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Alireza Faghani (IRN)
Assistentes: Reza Sokhandan (IRN) e Mohammadreza Mansouri (IRN)

Gols: Meunier, aos três minutos do 1ºT; Hazard, aos 36 minutos do 2ºT (Bélgica)
Cartões amarelos: Maguire e Stones (Inglaterra); Witsel (Bélgica)

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Kompany e Vertonghen; Meunier, Witsel, Tielemans (Dembélé) e Chadli (Vermaelen); De Bruyne, Lukaku (Mertens) e Hazard
Técnico: Roberto Martínez

INGLATERRA: Pickford; Jones, Stones e Maguire; Trippier, Loftus-Cheek (Dele Alli), Dier, Delph e Rose (Lingard); Sterling (Rashford) e Kane
Técnico: Gareth Southgate.

 

Gazeta Esportiva

10 superstições muito bizarras ao redor do mundo sobre sexta-feira (13)

Você não passa por baixo de escadas? Tem medo de gatos pretos? Nada tema porque não está sozinho

O número 13 é considerado o número do azar, um sinal de infortúnio, e por isso, na sexta-feira, 13, todo cuidado é pouco! Se você é profundamente supersticioso ou daqueles que teme e tenta ignorar este dia, saiba então que esse medo irracional tem um nome, e muito provavelmente sofre de parascavedecatriafobia ou de frigatriscaidecafobia.

Ainda assim, lembre-se que a palavra superstição, do latim ‘superstitio’, significa uma ‘profecia ou medo excessivo dos deuses’. Trata-se da crença em situações com relações de causalidade que não podem ser provadas através de um método racional ou empírico.

Está mais sossegado? Então relaxe. Como hoje é sexta-feira 13, o Lifestyle ao Minuto coloca em perspectiva as suas crenças –apresentando-lhe as 10 superstições mais estranhar, para dizer o mínimo, ao redor do mundo:

China – O número amaldiçoado

O número 4 e as suas outras terminações (por exemplo, 14, 24, 34, 44…) são sinônimo de azar, já que sua pronúncia em chinês é semelhante à da palavra ‘morte’.

Haiti – Salvem as mães

Várias superstições ‘matam’ as mães neste país, tais como: calçar apenas um sapato, andar de joelhos, comer o topo de uma melancia ou varrer o chão à noite.

Índia – Superstições muito pouco higiênicas

Diz-se que cortar as unhas à terça ou durante a noite pode levar os indivíduos a perder objetos. Mais ainda, é também sinal de mau presságio lavar o cabelo às quintas-feiras e aos sábados, por ser o dia de Saturno, que é bastante reverenciado pelos hindus.

Japão – Cuidado com o umbigo

Durante uma tempestade, as crianças devem cobrir a barriga! Senão, Raijin, o Deus do trovão, irá aparecer e roubar seu umbigo.

Egito – Tesoura

Manusear uma tesoura e não cortar nada é sinal de má sorte, tal como deixar uma tesoura aberta.

Lituânia – Assobiar

Na Lituânia, jamais se assobia dentro de casa, já que essa ação invoca demônios.

Nigéria – Vassoura da impotência

Ao que parece, acertar um homem com uma vassoura, mesmo sem querer, fará com que ele fique impotente ou com que os seus genitais desapareçam!

Estranho? Mas, há mais. A única forma de combater essa maldição é bater mais sete vezes no indivíduo com a mesma vassoura.

Estados Unidos – Janelas anti bruxa

Particularmente no estado de Vermont, existem várias casas com janelas na diagonal, já que as bruxas não conseguem voar através dessas janelas meio tortas…

Iêmen – Sexo do bebê

No Iêmen, para se descobrir o sexo da criança, ‘basta’ atirar um cobra morta para cima da mulher gestante – se o animal cair de barriga para baixo, terá um menino, se cair de barriga para cima, terá uma menina.

Portugal – Excrementos

Em Portugal e na França, pisar em cocô de animais dá sorte e traz dinheiro.

 

NOTÍCIAS AO MINUTO

Croácia vence Inglaterra e jogará final de Copa pela primeira vez

Melhor campanha dos croatas havia sido em 1998, quando conquistaram o terceiro lugar

A Copa do Mundo conheceu o seu segundo finalista na última quarta-feira (11). A Croácia venceu a Inglaterra por 2 a 1 e está classificada para enfrentar a França na grande final. A partida terminou empatada por 1 a 1 no tempo normal e o segundo gol croata saiu só no segundo tempo da prorrogação.

Os ingleses abriram o placar logo no início do jogo. Aos quatro minutos, o lateral direito Trippier bateu uma falta próxima à meia-lua da grande área croata e mandou no ângulo, sem chance para o goleiro Subasic. A Inglaterra, que acreditava ter o jogo sob controle, passou a se defender de todas as formas.

Mandzukic marcou o gol que garantiu os croatas na final

Já os croatas, buscavam o gol de qualquer forma, principalmente no segundo tempo. E conseguiram o que queriam. A Croácia chegou ao empate aos 22 minutos do segundo tempo. Após cruzamento na área, o meia Perisic se antecipou a dois defensores ingleses e mandou para o gol.

O placar permaneceu assim durante o restante do segundo tempo e a partida foi para a prorrogação. Tudo caminhava para que a Croácia disputasse a sua terceira disputa de pênaltis nos três jogos que disputou na fase mata-mata da competição. Mas isso não aconteceu. Aos dois minutos do segundo tempo da prorrogação, a bola sobrou para o artilheiro Mandzukic, que mandou para o fundo das redes da Inglaterra. Gol que garantiu os croatas em sua primeira final de Copa do Mundo.

A Croácia irá enfrentar a França na grande final da Copa, que será disputada em Moscou, no domingo (15), ao meio-dia, horário de Brasília. A França quer conquistar a Copa pela segunda vez e a Croácia sonha com o título mundial, inédito em sua história.

Caso vença os franceses, os croatas irão entrar no hall de campões mundiais, que conta com Brasil, Itália, Alemanha, Argentina, Uruguai, Inglaterra, França e Espanha. A única certeza que temos é que europeus e sul-americanos irão se manter como os únicos campeões mundiais.

Já a Inglaterra irá jogar pelo terceiro lugar contra a Bélgica, em São Petersburgo, no sábado (14), às onze da manhã, no horário de Brasília.

 

Reportagem: Paulo Henrique Gomes

 

Umtiti marca de cabeça e garante França na final da Copa

Time francês chega terceira final de Copa do Mundo e aguarda adversário que sai do duelo entre Inglaterra e Croácia

Umtiti marcou o gol da vitória da França em cima da Bélgica

Gostinho de champanhe e caviar na final da Copa da Rússia. França e Bélgica entraram em campo na tarde desta terça (10) pelas semifinais. Quem esperava um jogo equilibrado, acertou, mas quem estava torcendo para muitos gols, se decepcionou.

Com dois contra-ataques velozes, as duas equipes se estudavam, mas não deixavam de avançar e fazer pressão, alternando momentos de melhor desempenho entre elas. Mbappé, com sua velocidade característica, infernizava a defesa belga, enquanto De Bruyne e Hazard não conseguiam acertar os passes precisos que quebram as linhas de defesa adversária.

Quando conseguia furar o bloqueio liderado por Kanté, o time da Bélgica parava nas mãos de Lloris. O mesmo acontecia com os franceses, que não conseguiam furar o bloqueio de Courtois, um dos melhores goleiros da Copa até aqui. No entanto, em uma bola parada logo aos cinco do segundo tempo, o panorama mudou. Umtiti, zagueiro nascido em Camarões, subiu mais alto que todo mundo e mandou no cantinho. Era o gol da classificação francesa.

Os belgas partiram para cima com todo o poderio ofensivo, mas não tinham chances claras, e a França apostava nos contra-ataques. A vontade foi muita, mas não foi suficiente para mudar o placar. Placar final, França um, Bélgica zero. Agora os franceses aguardam o resultado de Croácia e Inglaterra para saber com quem farão a final no domingo, em Moscou.

Reportagem: Raphael Costa

 

Batalha vencida: todo o time é resgatado de gruta na Tailânda

O que poderia ter se tornado uma tragédia, acabou com um final feliz

Nos últimos dias, a notícia dos 12 meninos e do seu treinador de futebol que ficaram presos em uma gruta na Tailândia causou comoção mundial. A operação de resgate foi realizada durante dias, e o que poderia ter sido uma tragédia, acabou com um final feliz para familiares, amigos e comunidade internacional.

Nesta terça-feira (10), os últimos meninos foram resgatados, por isso, todos os membros dos ‘Javalis Selvagens’ foram retirados com vida do local, afirma a AFP. Eles estavam encurralados desde 23 de junho, após terem ficado diversos dias sem comer, e cerca de 4 quilômetros da entrada da caverna, que teve a saída bloqueada pelas inundações das chuvas.

Ekapol Chanthawong, de 25 anos, é o treinador e quase um herói. Como foi noticiado pelo “The Washington Post”, órfão e já tendo estudado para ser monge budista, ele ficou muito debilitado por ter comido pouco para dar o alimento aos menores, que tem entre 11 e 16 anos.

A operação de resgate era bastante arriscada e foi feita via mergulho com máscara. O jornal The Telegraph noticiou que pílulas contra a ansiedade foram usadas nos garotos. Vale ressaltar que um mergulhador morreu no começo das atividades de salvamento.

Durante os dias angustiantes, os parentes ficaram todos juntos em um acampamento montado na entrada da caverna. Como as crianças foram resgatadas aos poucos, diversos cuidados foram tomados pelas autoridades.

A identidade dos jovens que iam saindo, por exemplo, não foram reveladas nem mesmo para os familiares, pois o governo não queria que, enquanto alguns celebravam a alegria de ver suas crianças salvas, outros viviam a agonia de seguir minuto a minuto o restante das operações.

Notícias ao Minuto

Além desta questão, as autoridades tailandesas também quiseram estabelecer um “cordão sanitário” para evitar o vazamento de informações que pudessem prejudicar o resgate ou atingir a sensibilidade das famílias.

Havia ainda um fator cultural. Existe um ditado tailandês que diz: “Evitarás ofender a quem te ajuda pedindo mais do que este lhe dá.” Pensando nisso, de acordo com profissionais do serviço tailandês da BBC, os pais que aguardavam o resgate dos filhos não pediam mais informações do que as que lhes eram oferecidas, conscientes dos esforços empreendidos pelas autoridades e equipes de resgate.

Reuters

 

 

Em carta ao STF, deputados portugueses clamam por Lula Livre

Documento assinado por 22 deputados pede que os ministros restabeleçam “as condições mínimas aceitáveis de funcionamento do Estado de Direito” no processo

Em meio ao caos jurídico que impossibilitou a justa libertação de Lula, um grupo de deputados portugueses se juntou nesta segunda (9) à corrente internacional pela garantia dos direitos fundamentais do ex-presidente, que completa três meses em cárcere político.

Vinte e dois parlamentares assinaram uma carta aberta exigindo que Lula, como preso político que é, volte ao pleno exercício dos seus direitos fundamentais. E apontam o risco que corre o Estado Democrático de Direito no país ao validar o desrespeito ao devido processo legal.

O documento é endereçado ao STF brasileiro e pede que os ministros restabeleçam “as condições mínimas aceitáveis de funcionamento do Estado de Direito no processo que atinge o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, determinando a sua libertação e garantindo o pleno exercício dos seus direitos fundamentais”.

“Ninguém ignora que o processo que lhe foi movido, a tramitação excepcional que foi seguida, a sua condenação sem provas, a sua reclusão e as condições que lhe são impostas, servem unicamente ao objetivo de impedir a sua candidatura às eleições presidenciais, lesando gravemente os seus direitos fundamentais, contribuindo para o desprestígio do sistema judicial brasileiro e pondo gravemente em risco a democracia no Brasil”, diz o texto.

Os parlamentares repudiam ainda que a evidente chicana para impedir a candidatura do ex-presidente que, como lembram os parlamentares, é “mundialmente reconhecido pelo progresso vivido no Brasil durante a sua Presidência”.

Leia na íntegra:

O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mundialmente reconhecido pelo progresso vivido no Brasil durante a sua Presidência na redução das desigualdades sociais ao retirar dezenas de milhões de brasileiros da miséria, encontra-se preso na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Como foi amplamente denunciado, o processo em que o Presidente Lula da Silva foi condenado não respeitou as mais elementares regras de um Estado de Direito. Foi gravemente cerceado o seu direito de defesa, com a desconsideração das provas e a recusa de diligências requeridas pelos seus advogados, e foi condenado por um juiz que exibe ostensivamente a sua oposição política a Lula da Silva, tornando evidente a sua falta de isenção para julgá-lo de forma imparcial.

Acrescente-se que o cumprimento da pena de prisão pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva está ocorrendo antes do trânsito em julgado da decisão judicial, pondo em dúvida o princípio da presunção de inocência universalmente reconhecido em processo penal, e contrariando frontalmente a jurisprudência firmada pelo Supremo Tribunal Federal do Brasil, sendo pública e notória a existência de uma chicana judiciária de caráter político visando impedir Lula da Silva de se candidatar às eleições presidenciais.

Lula da Silva é hoje reconhecido mundialmente como um preso político. Ninguém ignora que o processo que lhe foi movido, a tramitação excepcional que foi seguida, a sua condenação sem provas, a sua reclusão e as condições que lhe são impostas, servem unicamente o objetivo de impedir a sua candidatura às eleições presidenciais, lesando gravemente os seus direitos fundamentais, contribuindo para o desprestígio do sistema judicial brasileiro e pondo gravemente em causa a democracia no Brasil.

Nestas circunstâncias, os Deputados à Assembleia da República Portuguesa apelam ao Supremo Tribunal Federal do Brasil para que reponha as condições mínimas aceitáveis de funcionamento do Estado de Direito no processo que atinge o Presidente Luís Inácio Lula da Silva, determinando a sua libertação e garantindo o pleno exercício dos seus direitos fundamentais.

Subscritores (por ordem alfabética)

António Filipe (PCP)
Carla Cruz (PCP)
Fernando Anastácio (PS)
Fernando Rocha Andrade (PS)
Heloísa Apolónia (PEV)
Isabel Moreira (PS)
Joana Mortágua (BE)
João Barroso Soares (PS)
João Oliveira (PCP)
Jorge Costa (BE)
Jorge Machado (PCP)
José Luís Ferreira (PEV)
José Manuel Pureza (BE)
Luís Monteiro (BE)
Moisés Ferreira (BE)
Paula Santos (PCP)
Paulo Pisco (PS)
Pedro Bacelar de Vasconcelos (PS)
Pedro Filipe Soares (BE)
Rita Rato (PCP)
Tiago Barbosa Ribeiro (PS)
Wanda Guimarães (PS)

Agência PT de Notícias

Croácia elimina Rússia e está na semifinal após 20 anos

Croatas venceram nos pênaltis e duelam com a Inglaterra por uma vaga na final

Acabou a festa para nós, mas a Copa continua. Sábado de mais decisões com emoção de sobra. Em Sochi, os donos da casa tinham a dura missão de encarar a habilidosa Croácia por uma vaga nas semifinais.Croácia repete melhor campanha de sua história e tenta vaga inédita na final diante da InglaterraO jogo era de marcação forte e boa troca de passe pelos dois lados. A Rússia era melhor e até criou algumas chances. Até que aos 30 minutos, o talento individual apareceu. E se engana quem acha que foi do camisa 10 Luka Modric. Foi dos pés de Cheryshev, camisa 6 russo, que veio o primeiro grito de gol. De fora da área, ele bateu com a perna esquerda no ângulo, sem chance para o goleiro. Um a zero para a Rússia.

Até pela falta de experiência e rodagem de seus atletas, os russos não souberam administrar a vantagem. Isso porque menos de dez minutos depois, Mandzukic achou Kramaric, que empatou de cabeça para os croatas. A igualdade permaneceu também durante todo segundo tempo, levando o jogo para a prorrogação.

Apesar do cansaço dos jogadores, aos 11 da primeira parte da prorrogação, Vida subiu mais alto que todo mundo e marcou o gol da virada croata. Gol da classificação? Nada disso. A poucos minutos do fim, um lance infantil gerou novamente o empate dos anfitriões. Pivarica colocou a mão na bola e deu uma falta de graça, próximo à área. Na cobrança, o brasileiro naturalizado russo Mário Fernandes marcou de cabeça e levou a partida para os pênaltis.

Nas cobranças alternadas, Subasic defendeu para os croatas, mas não contava que Kovacic perderia seu chute. Herói na prorrogação, Mário Fernandes bateu para fora. Rakitic, experiente meia do Barcelona, não desperdiçou e garantiu a classificação croata. Com o resultado, a Croácia iguala a campanha que fez em 1998, na estreia em Copas do Mundo, e chega mais uma vez às semifinais.

Quem também retorna a essa fase de um Mundial após mais de duas décadas é a Inglaterra, que venceu a Suécia mais cedo por dois a zero. Com boa atuação do goleiro Pickford, que anulou todas as chances suecas, Maguire e Delle Ali balançaram as redes adversárias. O English Team espanta a má fase e volta a ficar entre as quatro melhores seleções do Mundial. Croatas e ingleses se encontram às três da tarde, na quarta-feira (11), por uma vaga na final da Copa.

 

Com a colaboração de Raphael Costa e, reportagem Tácido Rodrigues

 

Até 2022: Brasil perde para a Bélgica e é eliminado da Copa da Rússia

O sonho do hexa já era. Pelo menos até 2022. Um apagão no primeiro tempo foi responsável por dois gols da Bélgica: Fernandinho contra, e De Bruyne. Renato Augusto ainda diminuiu na segunda etapa, mas o ferrolho belga, que quase não saiu para o jogo, travou o sistema ofensivo brasileiro e venceu o jogo.

Neymar apagado e Philippe Coutinho pouco criativo não conseguiram ajudar o time: 2 a 1.

Tite optou por voltar com Marcelo ao time, que terá também Fernandinho no lugar de Casemiro, suspenso. Veja a escalação: Alisson, Thiago Silva, Miranda, Marcelo e Fagner; Philippe Coutinho, Paulinho, Fernandinho e Willian; Neymar e Gabriel Jesus.

Já Roberto Martínez definiu os Red Devils com: Courtois, Alderweireld, Kompany, Vertonghen e Meunier; Witsel, De Bruyne, Fellaini e Chadli; Lukaku e Hazard.

JOGO

Primeiro Tempo:

A seleção brasileira começou a partida com ânimo no ataque. Logo no início, após escanteio, Thiago Silva, todo desajeitado, acertou a trave. Mas aos 13′, também de um escanteio, Fernandinho mandou pra dentro, mas contra. Gol da Bélgica.

Aos 31′, Lukaku partiu em contra-ataque, e o pior aconteceu: mais um gol da Bélgica. De Bruyne mandou um balaço da entrada da área, sem chance para Alisson: 2 a 0.

Segundo Tempo:

O Brasil voltou sem Willian, com Firmino. E logo no início, Douglas Costa substituiu Gabriel Jesus. A seleção tem o domínio total da partida, mas não chega com objetividade. A única chance da Bélgica foi num contra-ataque, mas a bola foi para fora.

Aos 30′, a pressão do Brasil surtiu efeito. Renato Augusto, que havia acabado de entrar no lugar de Paulinho, recebeu cruzamento de Philippe Coutinho e marcou de cabeça: GOOOOL DO BRASIL!!!!!!

Mas de nada adiantou. No fim: Bélgica 2 x 1 Brasil.

 

Fonte: Notícias ao Minuto

Brasil tem o dever de investigar morte de Herzog, avalia jurista após condenação de corte internacional

O julgamento foi feito pela Corte Interamericana de Direitos Humanos

O estado brasileiro foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos por não ter investigado a morte do jornalista Vladimir Herzog. Mas, além disso, a justiça precisa responder a pedidos de esclarecimentos feitos pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O especialista em direito penal Yuri Sahione explica que a Corte Interamericana ordenou à sociedade civil que fosse cobrar ao Supremo Tribunal Federal uma reinterpretação da Lei de Anistia, que seria um tipo de perdão.

“Ainda está pendente em julgamento um recurso chamado ‘embargo de declaração’, que na verdade é um pedido de esclarecimento que OAB fez ao STF para que o Supremo diga se é verdade, para que o Supremo possa dizer que a Lei de Anistia foi recepcionada em contrariedade com a decisão da CIDH, o que o Brasil deve fazer nessa situação. Esse recurso está há anos pendente de julgamento.”

A decisão da Corte reconhece o crime de lesa-humanidade no assassinato de Herzog. A responsabilidade, agora, é do Estado brasileiro de assumir a investigação e dar continuidade ao processo penal.

O especialista em direito penal Yuri Sahione explica que não é a primeira vez que o Estado brasileiro é condenado por este tipo de crime.

“A Corte Interamericana de Direitos Humanos decidiu em outro caso contra o Brasil, que o Estado brasileiro tem falhado em entregar justiça para a sociedade e para as famílias das vítimas de crime praticados pelo Estado durante a ditadura militar.”

Como parte do procedimento em corte, o Brasil reconheceu que a conduta estatal da prisão arbitrária, tortura e morte de Vladimir Herzog tinha causado severa dor aos familiares, e reconheceu a responsabilidade.

 

Reportagem: Sara Rodrigues

Redação – fmrural.com.br

Lesionado, Danilo está fora da Copa, mas permanecerá com a Seleção

Lesionado, o lateral direito Danilo não tem mais qualquer possibilidade de defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia. Ainda assim, o jogador pediu para permanecer com o grupo comandado pelo técnico Tite até o final da competição e foi atendido.

Danilo iniciou a campanha como titular, mas participou apenas da estreia contra a Suíça, já que sentiu problema no quadril antes do jogo contra a Costa Rica. O atleta se recuperou e chegou a ficar no banco diante do México, mas sofreu uma uma lesão ligamentar no tornozelo esquerdo durante o treino da quinta-feira (05).

Sem Danilo, Tite apostou de maneira bem-sucedida na escalação de Fagner, utilizado nos duelos contra Costa Rica, Sérvia e México. Com atuações consistentes, o jogador do Corinthians permanecerá entre os titulares para o confronto com a Bélgica.

A lateral direita vem sendo a posição mais problemática para Tite na Copa do Mundo. O experiente Daniel Alves, um dos principais líderes do elenco, seria titular no torneio, mas sofreu lesão dias antes da convocação, o que abriu espaço para a breve ascensão de Danilo.

Sem o jogador do Manchester City, o zagueiro Marquinhos passa a ser a alternativa de Tite para a lateral direita até o final da participação brasileira no Mundial. Na medida em que o regulamento do torneio impede a convocação de outro jogador no momento, o elenco fica apenas com 22 atletas em condições de atuar.

Desde o início da preparação para a Copa, a comissão técnica liderada por Tite procurou ao máximo evitar eventuais cortes. Fora de campo, Danilo acompanhará o duelo diante da Bélgica a partir das 15 horas (de Brasília) desta sexta-feira (06), na Arena Kazan, pelas quartas de final.

 

Fonte: Gazeta Esportiva