Categoria CULTURA

‘Acústico’ de Jota Quest tem encantado o Brasil e show chega a João Pessoa no próximo domingo

Ano passado, chegou às lojas de todo Brasil, o CD e DVD Acústico Jota Quest – Músicas Para Cantar Junto, da Sony Music. Gravado em Maio, ao vivo, em São Paulo, a coletânea que, recentemente, recebeu o “Disco de Ouro”, traz músicas que cantam o amor de várias formas e que embalam corações há 22 anos, justamente o tempo de história de uma das melhores bandas de pop rock do Brasil. E esse quinteto mineiro super talentoso, que está viajando o país com o show que leva o mesmo nome do CD e DVD, estará em João Pessoa, no próximo domingo. Jota Quest se apresenta no Teatro Pedra do Reino, a partir das 19h30.

O público paraibano vai poder então conferir de perto o talento de Rogério Flausino (voz), Marco Túlio Lara (Guitarra), PJ (baixo), Paulinho Fonseca (bateria) e Márcio Buzelin (teclados), em versões acústicas de músicas como ‘Dias Melhores’, ‘Amor Maior’, ‘Só Hoje’, ‘Fácil’ entre outras canções que marcaram gerações, com arranjos musicais que foram adaptados, a exemplo da troca da guitarra pelo violão, para que o show pudesse acontecer dentro de um teatro. “Esse é um show para a platéia cantar junto e mesmo sendo uma apresentação mais intimista pelo formato acústico, existem canções com muita energia, como por exemplo ‘Blecaute”, destaca o produtor do grupo, Marcus Barão.

Além de músicas bem conhecidas do público, o repertório do show também conta com canções que foram compostas especialmente para este projeto, como ‘A Vida e Outras Histórias’, numa parceria com Leoni, e ‘Pra Quando Você Se Lembrar de Mim’, com Wilson Sideral. O show “Acústico Jota Quest – Músicas Para Cantar Junto” já percorreu várias capitais brasileiras, sempre com casas lotadas. A banda também tem programada uma turnê por Portugal, em setembro.

“O público pode esperar um espetáculo intenso e emocionante, à altura deste lindo teatro paraibano e de um público fiel que sempre nos prestigia”, afirma Rogério Flausino, que começou sua atuação no conjunto após ser escolhido num teste com mais de dezoito candidatos. Além do talento dos meninos mineiros que conquistaram o Brasil, o show é uma mega produção que envolve uma equipe com 36 integrantes e mais seis toneladas de som, luz e painéis de alta tecnologia que usa e abusa de uma programação visual e iluminação retro-futuristas, com o olhar técnico de Ludmila Machado e Lino Pereira.

Os ingressos ainda podem ser adquiridos pelo site da Tudus (tudus.com.br) ou na loja Skyler, do Manaíra Shopping, das 13h30 às 19h30. E parafraseando o refrão da música ‘Só Hoje’, não é sempre que a gente tem oportunidade de ter um show com Jota Quest, na versão acustica, num local lindo e maravilhoso como o teatro Pedra do Reino, portanto, corra para garantir seu lugar porque Dias Melhores virão, a começar por domingo, dia 26! Ah, além do super show, quem for ver Jota Quest ainda vai poder curtir um pocket show com a revelação folk da MPB, Jonavo.

SERVIÇO:

Show: “Acústico Jota Quest -Músicas Para Cantar Junto”

Data: 26 de agosto de 2018

Local: Teatro Pedra do Reino, Rod. PB-008, Km 5, Distrito Industrial do Turismo Jacarapé

Hora: 19h30

Ingressos: Plateia A (segundo lote) R$ 220 (inteira) R$ 110 (meia) / Plateia B R$ 160 (inteira) R$ 80 (meia) / Balcão R$ 140 (inteira) R$ 70 (meia) – A meia entrada para a Plateia A está esgotada.
Vendas: tudus.com.br / Loja Skyler (Manaíra Shopping), das 13h30 às 19h30
Realização:
J
Q e Incena Produções

*Com informações de Mariana Fernandes 

Museu Digital de CG vence concurso internacional, concorrendo com projetos da Argentina, Peru e México

O projeto do Monumento foi selecionado pela TecnoMultimedia InfoComm, coordenadora da feira, pelo seu formato técnico e importância informativa

O Museu Digital, instalado no Monumento dos 150 às margens do Açude Velho de Campina Grande venceu o Concurso AV Latino 2018, prêmio internacional da Feira Internacional da Indústria de Áudio, Vídeo, Iluminação e Sistema Profissional Integrado, no México.

O projeto do Monumento foi selecionado pela TecnoMultimedia InfoComm, coordenadora da feira, pelo  seu formato técnico e importância informativa.

Campina Grande concorreu com projetos da Argentina, Peru e México. O Museu Digital instalado no Monumento ao Sesquicentenário de Campina Grande, construído pela Prefeitura de Campina Grande e repassado, em sistema de parceria, ao SESI/FIEP, é destaque como referência de iniciativa que democratiza o acesso à tecnologia.

A votação para a indicação do prêmio na TecnoMultimedia InfoComm aconteceu pela internet e resultou de uma votação envolvendo os participantes do evento itinerante TecnoMultimedia InfoComm, que este ano foi realizado na cidade do México (MX).

O objetivo do projeto foi o de criar um museu para ser pioneiro no uso de tecnologias digitais interativas, tanto na Paraíba quanto no Brasil, que possa contar a história de Campina Grande e do estado da Paraíba de forma totalmente digital, interativa e conectada.

Este é o segundo prêmio destinado a Campina Grande na gestão do prefeito Romero Rodrigues. O Programa Minha Árvore, da Coordenadoria de Meio Ambiente Sesuma, também emplacou uma premiação internacional, na Bolívia, no ano passado. Este ano, o “Minha Árvore” representará Campina no Prêmio ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e já é referenciado em cadastro da ONU.

A definição de Romero Rodrigues por firmar parceria com o SESI, através do apoio da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep) foi fundamental para a consolidação de um projeto arrojado às margens do Açude Velho. As instalações do Museu em homenagem aos 150 anos de fundação de Campina Grande serviram perfeitamente para a proposta inovadora de instalação de um museu digital na cidade.

 

Fonte: ClickPb

DIVERSÃO EM PAUTA: Nova produção da Netflix apresenta comédia brasileira para o mundo

Samantha! é uma comédia tipicamente brasileira

Em julho deste ano, mais uma nova produção brasileira entrou para o catálogo da Netflix. Samantha! é uma comédia tipicamente brasileira, bem diferente da série de ficção cientifica 3%, que também foi feita no Brasil e é um grande sucesso no serviço de streaming.

A série traz a atriz Emanuelly Araújo no papel de Samantha, uma ex-estrela mirim que fez muito sucesso nos anos 80 e tenta desesperadamente reconquistar a fama. O ator Douglas Silva interpreta o ex-jogador do Flamengo e ex-presidiário chamado Dodói, que é casado com Samantha.

Os sete episódios da primeira temporada mostram Samantha fazendo de tudo para voltar ao horário nobre da TV, já que ela ficou famosa apresentando o programa da Turminha PlimPlom nos anos 80. Alguns flashbacks revelam que, desde pequena, Samantha se mostrava capaz de tudo para ser a principal integrante do grupo.

Por ter quase a mesma trama em todos os episódios, a série pode ficar cansativa em certo ponto. Mas o tom da comédia da série é bem brasileiro, cheio de exageros e dramas engraçados, principalmente quando envolve os dois filhos de Samantha, Cindy e Brandon.

A série fez bastante sucesso por aqui e já foi renovada para a segunda temporada. Um dos pontos que chamou a atenção dos que assistiram foi a semelhança da história de Samantha com a de Simony, do Balão Mágico. Apesar das duas serem ex-estrelas mirins de grupos que fizeram sucesso nos anos 80, a Netflix negou que a trama tenha sido inspirada na cantora.

As novidades no serviço de streaming não param por ai. Nesta sexta-feira (17), estreia o filme original da Netflix “Para Todos os Garotos que Já Amei”. A produção é inspirada no livro de mesmo nome e conta a história de Lara, que adora escrever cartas de amor secretas para seus paqueras. Mas ela não contava que um dia essas cartas seriam misteriosamente enviadas.

 

Reportagem: Larissa Lago

Entretenimento: 1ª Arte Tramática Kids em Cajazeiras

1ª Arte Tramática para crianças em Cajazeiras, será realizada no dia (14) de outubro, no Colégio Dom Moisés. Com brincadeiras, palhaços, música, dança, pula-pula e comidas para a criançada, o evento promete muita diversão. Vale a pena comparecer.

 

Assessoria

Morto há 80 anos, Lampião deixa legado controverso no Nordeste

O homem era o mata-sete, o facínora, o Robin Hood sertanejo, amigo dos coronéis, bandido dos bandidos, governador do Sertão

O homem chegou”. Não precisava nem falar nem o nome para que moças desfalecessem, cabras-macho saíssem em disparada e a correria tomasse conta das pequenas cidades do Nordeste nos anos 1920 e 1930.

O homem era o mata-sete, o facínora, o Robin Hood sertanejo, amigo do dos coronéis, bandido dos bandidos, governador do sertão Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião.

Morto numa emboscada na gruta de Angicos em Poço Redondo (SE) em julho de 1938, Lampião deixa um legado controverso no Nordeste brasileiro 80 após sua morte.

De um lado, há quem defenda o cangaceiro como uma resposta violenta à própria violência do Estado. De outro, há quem o veja apenas como um homem cruel e sanguinário. Como a Folha de S.Paulo publicou nesta semana, oito décadas após sua morte, em 28 de julho de 1938, o fantasma de Lampião continua a assombrar Cansanção, Queimadas e outras cidades do Nordeste. Desta vez, por meio de bandos armados que invadem cidades e assaltam bancos, numa modalidade de crime que ficou conhecida como “novo Cangaço”.

Lampião não foi o primeiro dos cangaceiros do Nordeste. Antes dele, foras da lei como José Gomes, o Cabeleira, Jesuíno Brilhante, Lucas da Feira, Antônio Silvino e Sinhô Pereira marcaram história e banharam de sangue cidades do sertão.

Mas foi Virgulino quem inaugura um novo ciclo do cangaço no período em que o banditismo atingiu o seu auge nas pequenas cidades e vilas nordestinas.

“Costumo dizer que Lampião inaugurou o Cangaço S/A. Ele criou uma rede de apoio político e logístico que lhe produzia lucros e garantia a sobrevivência”, conta o historiador Manoel Neto, coordenador do Centro de Estudos Euclides da Cunha da da Uneb (Universidade do Estado da Bahia).

O apoio dos coronéis, afirma, foi fundamental para que Lampião conseguisse sobreviver por quase 17 anos no Cangaço, passando por quase todos os estados nordestinos, quase sempre com tropas da polícia em seu encalço. “Ele servia e se servia dos grupos hegemônicos”, diz.

Manoel Neto considera o Cangaço como a “gênese de um processo civilizatório que se implantou por meio da violência” para fazer frente a violência histórica dos coronéis do sertão. E o equipara a movimentos messiânicos como Canudos e Pau de Colher, na Bahia, e Caldeirão de Santa Cruz do Deserto, no Ceará.

“São manifestações dos subalternos por meio da violência contra o status quo. Se a linguagem do Cangaço é a violência, é uma violência combate a do estado”, diz.

Autor do livro “Lampião na Bahia”, o historiador Oleone Coelho Fontes tem uma visão menos lisonjeira do cangaceiro: “Não se pode esquecer por um minuto sequer que ele foi um bandido, um facínora um sanguinário. Não fez outra coisa da vida a não ser matar ou destruir”, afirma.

Ele ainda desdenha da versão dada por Lampião do porquê ele entrou na Cangaço vingança pela morte do pai por forças policiais de Pernambuco em 1921. “Desde antes da morte do pai ele já era criador de caso, semeador de crueldade. Era uma delinquente”.

Esta visão é a mais recorrente entre os moradores de Queimadas, cidade de 26 mil do nordeste da Bahia, que ainda hoje respira a história da passagem de Lampião por aquelas bandas. Foi lá que cangaceiro, friamente, matou sete policiais da guarda local nas vésperas do Natal de 1927 massacre lendário que lhe rendeu a alcunha de “o mata sete”.

“Muita gente menciona o lado positivo dele, mas o lado negativo supera milhares de vezes. Ele foi terrível para os sertanejos”, afirma o aposentado Elias Marques, 67, morador de Queimadas cujo avô presenciou a chegada do cangaceiro na cidade.

Elias Marques, funcionário público aposentado e morador de Queimadas, na antiga estação de trem da cidade.

Por décadas, as marcas de sangue ainda podiam ser vistas na calçada acinzentada em frente ao antigo quartel, hoje sede da prefeitura e guarda municipal.

A ação durou pouco mais de um dia: depois de atravessar o rio Itapicuru, ele entrou na cidade com outros 15 homens. Raptou o juiz, prendeu os policiais, soltou os presos e ordenou que fizessem uma festa em sua homenagem.

No dia seguinte, matou os sete soldados e poupou o comandante da tropa, atendendo ao pedido de uma senhora religiosa que pediu pela vida do sargento, que também era da igreja. Lampião foi embora com 22 contos de réis e ficou na história não só de Queimadas, mas no imaginário do Nordeste.

Oito décadas após sua morte, sua história segue sendo contada e recontada nos livros, nos cordéis, no artesanato, nos filmes e nas cantigas dos violeiros. Está presente em símbolos que vão chapéu de cangaceiro a danças como o xaxado.

Brasil História

Violinista paraibana Belle Soares será uma das atrações da Festa do Retiro dos Artistas no Rio de Janeiro

BELLE SOARES SERÁ UMA DAS ATRAÇÕES DA TRADICIONAL FESTA JUNINA DO RETIRO DOS ARTISTAS

A Melhor Festa Junina do Rio é do Retiro dos Artistas que este ano será realizada nos dias 02, 03, 04, e 05 de agosto em comemoração aos 100 anos da Instituição. Serão quatro dias especiais com os maiores nomes da Música Popular Brasileira em prol da Casa dos Artistas que abriga profissionais idosos do mundo das artes.

E a Violinista Pop Belle Soares será uma das atrações da Festa Junina desta sexta-feira, 03 de agosto. A paraibana despontou no cenário artístico nacional pela inovação da performance que agrega ao talento de instrumentista, o canto e a dança.

Nos dias 2, 3 e 4 de Agosto (quinta, sexta e sábado) a festa terá início às 18h e no dia 5 (domingo), 17h.

A entrada custa R$ 15,00 e os ingressos estão à venda através do site https://ticketmais.com.br/evento/view/28051/festa-junina-100-anos-do-retiro ou nas Lojas South. Ingresso gratuito para crianças até 06 anos. Acesse a Programação: www.retirodosartistas.org.br

Retiro dos Artistas é uma instituição sem fins lucrativos localizado na Rua Retiro dos Artistas, 571, Jacarepaguá, Rio de Janeiro. Outras informações através dos números (21) 3327-4591 / 3382-3730 ou pelo e-mail retirodosartistas@globo.com

SOBRE O RETIRO DOS ARTISTAS

Oficialmente fundada em 13 de agosto de 1918, no teatro Trianon, por 68 profissionais, o grupo se reuniu pela 1°vez, para eleger a sua diretoria, em 19 de agosto de 1918, com a presença de 133 artistas, no velho Cine teatro Pathé. Com homenagem ao ator João Caetano a data oficial da fundação passou a ser dia 24 de agosto de 1918. E a partir daí, a data de aniversário de morte passou a ser comemorado como DIA DO ARTISTA.

Com o passar do tempo e devido a alguns acontecimentos, a Casa dos Artistas se resumiu ao trabalho assistencial do Retiro. Vivendo de doações, campanhas, a “nova instituição” tratou de investir na qualidade de atendimento, visto que, o número de profissionais da área artística aumenta cada vez mais.

Atualmente atendendo 52 Artistas de todas as áreas, a todos são oferecidas aulas de Yoga, fisioterapia, tratamentos odontológicos, salão de beleza, hidroginástica, teatro, dança cinema, desenvolvimento de trabalhos cognitivos, psicólogos, unidade de apoio e cinco refeições diárias.

Nestes 100 anos de existência a Casa dos Artistas escreveu uma rica história artística, social e assistencial, tendo permanecido até os dias de hoje como uma instituição de caráter único em nosso País.

Biografia BELLE SOARES

Formada em música pela Escola de Música Antenor Navarro e em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Atualmente, Belle Soares tem sido convidada para realizar shows em diversas cidades brasileiras e no exterior. Tem como um dos projetos de vida, trabalhar a música como forma de terapia para crianças especiais. Ela também apoia vários projetos sociais. Em 2011 se apresentou na Festa Julina em apoio ao Retiro dos Artistas, no Rio de Janeiro, convidada pelo presidente da instituição Stepan Nercessian, e outros eventos beneficentes: em auxílio às crianças com câncer, tratamento a viciados em drogas, hospitais e asilos. Em 2014 se classificou finalista (TOP 50), através de votação popular, para participar da competição musical do programa Breakout Brasil promovido pela Sony Entertainment Television, com a música autoral “Meu Querubim”.

A Violinista

Violinista Pop, Belle despontou no cenário artístico nacional pela inovação da performance que agrega ao talento de instrumentista, o canto e a dança. A jovem musicista ganhou o reconhecimento dos telespectadores do programa Mais Você apresentado por Ana Maria Braga na Rede Globo, classificada finalista do quadro de novos talentos denominado “Eu Sou o Show” através do voto popular e desde então, vem ganhando seguidores e é admirada pela beleza marcante e carisma incontestável.

Em 2009, gravou, no estúdio Sonhos e Sons, em Belo Horizonte, o seu primeiro EP intitulado “Belle Soares Pôr do Sol” sob a direção do consagrado músico e empresário Marcus Viana, responsável pelas trilhas sonoras de várias novelas, filmes e minisséries de sucesso da Rede Globo como: O clone, Olga, A Casa das Sete Mulheres, Terra Nostra, Chiquinha Gonzaga, Pantanal, entre outros.

Segundo Marcus Vianna, “Belle Soares é o novo modelo de artista do século XXI, uma artista completa. Geralmente os violinistas são rígidos, durões, tocam sentados. A Belle é uma ninfa do ar, libriana, dança linda, leve e solta com seu violino rodopiando; parece uma fada, uma artista do século XXI que une voz, talento instrumentista e talento coreográfico”.

Reconhecimento em sua terra Natal

Na Paraíba tornou-se conhecida através das apresentações artísticas diárias durante o famoso “Pôr do Sol da Praia do Jacaré”, local turístico, que atrai milhares de pessoas vindas de várias partes do Brasil e do mundo. É uma contemplação que alia a boa música de Belle Soares, a uma paradisíaca paisagem. Momento mágico que emociona a todos os presentes. Sua popularidade já lhe rendeu vários perfis lotados nas redes sociais (instagram, facebook) e vários vídeos de suas apresentações no youtube.

O Show

Na montagem do show “Belle Soares Pôr do Sol”, a Artista se inspirou no estilo pop dos violinistas mundialmente famosos tal como Vanessa Mae, Lindsey Stirling e David Garrett. No repertório: pot-pourri de músicas nordestinas como “Asa Branca”, “Eu só quero um xodó”, “Paraíba Masculina” e “Feira de Mangaio” além do estilo pop rock.

Em 2010 a violinista foi convidada para abrir o show da cantora Luiza Possi no projeto “Som das Seis” e posteriormente o Show da renomada cantora Zizi Posse no Espaço Cultural José Lins do Rego. Foi homenageada pela Câmara Municipal de João Pessoa com “votos de aplauso” ao seu trabalho. E pelo jornal MG Turismo em Belo Horizonte com o troféu “MG Turismo”.

Em 2011 a Academia Paraibana de Música prestou uma homenagem à Belle Soares destacando-a como uma das artistas que mais divulga a música paraibana no Brasil e exterior. Em 2012 recebeu o troféu TV Master do grupo de comunicação Alex Filho.

Belle Soares representa muito bem o charme e o talento da mulher do nordeste brasileiro.

A Musa Violinista da Paraíba encanta o público por onde se apresenta.

Serviço

Festa Junina do Retiro dos Artistas 2018

Data e Horário: Nos dias 2, 3 e 4 de Agosto (quinta, sexta e sábado) a festa terá início às 18h e no dia 5 (domingo), 17h.

Local: Retiro dos Artistas (Rua Retiro dos Artistas, 571, Jacarepaguá, Rio de Janeiro)

Atrações: Alcione, Dilsinho, Pabllo Vittar, Jojo Todynho, Leozinho, Rodrigo Teaser, Mc Marcinho, DJ Malboro, Buchecha, Pocahontas, Molejo, Banda Blitz, Belo, Melanina Carioca, Belle Soares, Carrossel de Emoções, Um44k, É o Tchan, Tá Na Mente, RDN, Lexa, Frisson, Mc Smith, Duduzinho, Melim, César Menotti e Fabiano, entre outros grandes artistas.

Ingressos: R$ 15,00

Vendas: https://ticketmais.com.br/evento/view/28051/festa-junina-100-anos-do-retiro ou nas Lojas South.

Classificação livre – Ingressos gratuito para crianças até 06 anos

Programação: www.retirodosartistas.org.br

Contato e Informações: (21) 3327-4591 / 3382-3730 / E-mail: retirodosartistas@globo.com

Redes sociais:

Retiro do Artistas

https://www.retirodosartistas.org.br/

https://www.facebook.com/retiro.artistas

https://www.youtube.com/results?search_query=retiro+dos+artistas

https://www.instagram.com/retirodosartistas.org.br/

Belle Soares

https://www.instagram.com/belle_soares/

https://www.facebook.com/belle.soares

https://twitter.com/Belle_Soares

 

Imagens/Retiro dos Artistas: Reprodução/divulgação

Fotos-crédito: Jotta Miranda – Legenda: Belle Soares Book Julho 2018.

Teatro Íracles Pires recebeu grande público para assistir ao espetáculo As Malditas

O espetáculo teatral “As Malditas”, que foi encenado no último dia (28), sábado, as 20 horas – no Teatro Íracles Pires em Cajazeiras e atraiu grande público.

Com texto de Saulo Queiroz, direção de Denilson Feitoza – encenado pelos atores: Girlene Ferreira e Benício Figueiredo, produção de Aldemir Cartaxo.

Abaixo, a galeria de fotos:

 

Foto: Dudu Moraes

Redação –fmrural.com.br

Bolsa Permanência inscreve estudantes até 31 de agosto

Auxílio é para estudantes de cursos superiores em situação de vulnerabilidade socioeconômica

Estudantes indígenas e quilombolas de todo o país matriculados em cursos de graduação em instituições federais têm até 31 de agosto para solicitarem a inclusão no Programa de Bolsa Permanência (PBP). Desde o dia 18 de junho, quando começaram as inscrições, 2.302 alunos fizeram o pedido. Desse total, 1.063 tiveram o cadastro autorizado pelas instituições públicas federais.

Hoje são pagas mais de 9 mil bolsas para indígenas e quilombolas, sendo, aproximadamente, 6 mil para o primeiro grupo e 3,2 mil para o segundo, com um investimento mensal em torno de R$ 8,3 milhões. Os interessados no benefício podem se inscrever pelo Sistema de Gestão da Bolsa Permanência (SISBP). Atualmente, 87 instituições de ensino estão cadastradas no programa.

A Bolsa Permanência é um auxílio financeiro pago para estudantes de instituições federais de educação superior em situação de vulnerabilidade socioeconômica. O Ministério da Educação paga um valor de R$ 900, em razão das especificidades da organização social de suas comunidades, condição geográfica, costumes, línguas, crenças e tradições. O recurso é pago diretamente ao estudante por meio de um cartão de benefício.

Para ter direito, o aluno deve estar matriculado em curso de graduação presencial ofertado por instituição federal de educação superior; não ultrapassar dois semestres do tempo regulamentar do curso de graduação em que estiver matriculado para se diplomar; ter assinado o termo de compromisso ao programa; comprovar a condição de estudante indígena e quilombola, por meio de autodeclaração do candidato e da declaração de sua  respectiva comunidade sobre sua condição de pertencimento étnico, assinada por pelo menos três lideranças reconhecidas; comprovar residência em comunidade indígena e quilombola, por meio de declaração da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Fundação Cultural Palmares, respectivamente; e ter seu cadastro devidamente aprovado e mensalmente homologado pela instituição federal de educação superior no sistema de informação do programa.

 

Assessoria de Comunicação Social do MEC

Prefeito lamenta morte do Mestre Duduta e decreta luto de três dias em Campina Grande

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, lamentou profundamente a morte do José Ribeiro da Silva, 86 anos, carinhosamente conhecido como Mestre Duduta, ocorrida na última quarta-feira (25). O boletim médico indica que o falecimento do artista deu-se por problemas cardíacos.

Para Romero, Campina perde uma referência musical de relevância com a morte de “Duduta”, um ícone do chorinho, que além de compositor também era luthier (fabricante de instrumentos musicais). Duduta era conhecido em nível nacional e chegou a ser alvo de um documentário internacional sobre o chorinho.

Natural de Bananeiras, “Duduta” veio para Campina Grande ainda criança, incorporando-se à vida da cidade. Em seu currículo, consta contrato com a extinta Rádio Borborema, tendo sido um dos fundadores do Programa O Forró de Zé Lagoa, Era considerado o maior representante deste gênero musical no Nordeste. Aos domingos, invariavelmente, promovia uma tradicional roda de choro em sua residência, no bairro da Bela Vista, onde também consertava e fabricava de cavaquinho.

O corpo de “Duduta” está sendo velado no Complexo Digna, na Avenida Juscelino Kubitschek, devendo seguir para a Câmara Municipal, ainda na manhã desta quinta-feira 26. O sepultamento está previsto para às 17h00 no cemitério do Bairro Araxá.

 

Com Assessoria

Redação – fmrural.com.br

Espetáculo teatral “As Malditas” é atração cultural em Cajazeiras para o dia (28) de julho

O espetáculo teatral “As Malditas” tem reestreia marcada para o próximo dia (28), sábado, as 20 horas – no Teatro Ica em Cajazeiras.

Com texto de Saulo Queiroz, direção de Denilson Feitoza. Encenado pelos atores: Girlene Ferreira e Benício Figueiredo. Vale a pena assistir.

Redação – fmrural.com.br