Categoria BRASIL

Marun apresenta a Temer mais reivindicações dos caminhoneiros

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Carlos Marun, comprometeu-se a apresentar, neste domingo (27), ao presidente Michel Temer novas propostas do movimento dos caminhoneiros no esforço de acabar com a paralisação. Os caminhoneiros apelaram ainda que as medidas sejam estendidas a todo território nacional.

Os manifestantes querem desconto de 10% no valor do diesel que será cobrado na bomba, a ampliação desta redução de 30 para 60 dias e o fim da suspensão da cobrança de tarifa de pedágio para eixo elevado dos caminhões para todo o país.

Ao longo deste domingo, Marun e ministros de várias áreas se reunirão no Palácio do Planalto, no gabinete de gestão de crise, na tentativa de encerrar a paralisação. Ontem (26) o dia também foi de reuniões, no Palácio do Planalto.

As reivindicações dos caminhoneiros, identificados como líderes do movimento, foram apresentadas a Marun, ontem à noite, após mais de duas horas de reunião, na sede do governo paulista, com o ministro e o governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

Compromissos

Os representantes do movimento de paralisação em São Paulo se comprometeram com o ministro a repassar o acordo aos caminhoneiros de outros estados por grupos de WhatsApp da categoria, caso a resposta do governo federal seja positiva. Uma nova reunião com o governador Márcio França está marcada para hoje à tarde e uma entrevista coletiva está prevista para as 15h.

Antes da conversa com Marun, os líderes do movimento haviam participado de uma reunião no Palácio dos Bandeirantes. A proposta de suspender a cobrança do eixo suspenso nos pedágios das rodovias paulistas ficou acertada para começar a partir da 0h da próxima terça-feira (29).

Os representantes dos caminhoneiros prometeram como contrapartida liberar as rodovias no estado, principalmente os pontos de obstrução na Rodovia Régis Bittencourt (ligação com os estados do Sul) e no Rodoanel (que interliga várias rodovias na região metropolitana de São Paulo).

Estudo

O governador paulista anunciou o estudo de uma proposta de cobrança diferenciada de Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) aos caminhoneiros autônomos em 2019 que, segundo os líderes presentes, representam 130 mil motoristas de caminhão no estado de São Paulo. Márcio França também afirmou que pretende retirar as multas aplicadas pela Polícia Militar Rodoviária aos caminhoneiros durante os dias de paralisação.

Reportagem: Lilian Beralto – EBC

PT lança candidatura de Lula neste domingo e refresca memória do eleitor

“Os brasileiros lembram qual era o preço do botijão de gás e da gasolina na era Lula”, será o mote dos discursos no lançamento da candidatura presidencial do ex-presidente Lula, neste domingo; mesmo preso em Curitiba, Lula lidera todas as pesquisas e é o menos rejeitado entre os candidatos.

“De carona com o caos O PT vai tentar surfar ao máximo na nova onda de críticas ao governo Michel Temer após a paralisação dos caminhoneiros. A sigla pretende usar o levante como mote para defender a participação do ex-presidente Lula na disputa pela Presidência. A ideia é que o tema apareça nos atos que o partido fará neste domingo (27) para reafirmar o lançamento do petista. Os discursos devem dizer que ‘os brasileiros lembram qual era o preço do botijão de gás e da gasolina na era Lula’”, informa a jornalista Daniela Lima.

 

Redação – fmrural.com.br

Com Brasil 247

PF abre 37 inquéritos em 25 estados para investigar empresários

A Polícia Federal (PF) abriu 37 inquéritos em 25 estados para investigar se houve apoio de empresas de transporte à paralisação dos caminhoneiros, o chamado locaute, o que é ilegal e punível com prisão e multa.

Em entrevista no Palácio do Planalto, o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que já podem ter ocorrido prisões, mas não deu detalhes.

“Temos comprovado seguramente que essa paralisação, em parte teve desde o início, a promoção e o apoio criminoso de proprietários, patrões de empresas transportadoras que podem ter certeza, irão pagar por isso”, disse.

As situações que, caso comprovadas, podem se enquadrar na prática de locaute, de acordo com Jungmann, são: empresas que não permitem ou não mobilizam os motoristas para entrega de cargas e que dão suporte seja financeiro, seja com fornecimento de alimento ou ordem para que os motoristas permaneçam paralisados.

Segundo ele, o setor de transporte de cargas é concentrado em poucas empresas de grande porte. “A Polícia Federal está intimando todas essas empresas, não apenas as que são suspeitas, mas todas para apresentar as consequências e as decisões tanto do governo quanto do Supremo Tribunal Federal”, acrescentou o ministro.

Desbloqueios

De acordo com o governo, cerca da metade das vias obstruídas pelos caminhoneiros foi desbloqueada. De acordo com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, a prioridade é desbloquear rodovias que dão acesso a aeroportos estratégicos e termelétricas, o que “basicamente já aconteceu”.

A Polícia Rodoviária Federal informou, que até 19h, foram registrados 586 pontos de bloqueios por manifestações de caminhoneiros e 577 desbloqueios. Segundo a PRF, a maioria dos bloqueios é parcial e sem prejuízo à livre circulação. No final da manhã, o balanço da PRF era de 596 pontos bloqueados e 544 liberados. O número total de bloqueios variou durante o dia.

Nesta tarde, o governo editou um decreto que permite a motoristas e servidores de órgãos e entidades da administração pública, bem como as Forças Armadas, de conduzirem os caminhões com cargas consideradas essenciais, como itens de abastecimento hospitalar.

“Motoristas já estão disponibilizados e já estão conduzindo veículos de transporte de carga e combustível para suprir nesse esforço do abastecimento”, disse. “O aeroporto de Brasília e o Porto de Suape são exemplos disso”.

Perguntados pelos jornalistas quando o governo prevê o fim do movimento, os ministros disseram que não há uma data certa. “Não é de uma hora para outra, mas estamos caminhando para normalizar a situação”, disse Etchegoyen.

Multas

Jungmann informou que desde o início da paralisação de caminhoneiros, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) emitiu 400 autos de infração, com multas que somam R$ 2,03 milhões, correspondente a infrações de trânsito.

Conforme ele, tem sido aplicadas as multas de R$ 100 mil por hora contra entidades ou empresas que estejam promovendo interdições de estradas pelo país, conforme estipulado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Jungmann e Etchegoyen concederam entrevista a jornalistas após a segunda reunião de hoje do gabinete de monitoramento no Palácio do Planalto. Amanhã (27), o grupo reúne-se novamente pela manhã e à tarde.

Agência Brasil

Microempreendedora pernambucana comemora aprovação do refis para pequenos empresários

Prazo para adesão vai até 9 de julho, mas plataforma para o cadastramento ainda não está definida

Criado para facilitar o pagamento de dívidas tributárias com a União, o Programa Especial de Regularização das Micro e Pequenas Empresas busca viabilizar a renegociação desses empreendimentos junto à Receita Federal. O projeto chegou a sofrer veto do governo federal, mas o Congresso Nacional reviu a questão e decidiu aprovar o parcelamento desses débitos.

A pernambucana da cidade de Moreno, Eliane Maria Santos, foi uma das pessoas beneficiadas com a decisão. Ela é dona de uma loja de artigos de roupas e miudezas em geral e precisou fazer empréstimos para manter os negócios em dia. Antes, sem saber como iria pagar essa conta, Eliane agora conta que está tranquila por saber que ficou mais fácil manter o nome limpo.

“Eu acho que facilitou muito para todos os micro e pequenos empreendedores. Porque sabe-se que o país está em crise e tem afetado muito o comércio. Com esse parcelamento, a gente fica atualizado, pagando em dia. Havia uma certa dependência, deixando acumular algumas mensalidades e agora com o parcelamento eu estou em dia”, comemora a comerciante.

Segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em Pernambuco, 26.509 empresas estão com débitos que somam mais de R$ 1,6 bilhão.

O gerente da Unidade de Políticas Públicas do Sebrae-PE, Fernando Clímaco, afirma que a situação estava complicada para os pequenos empresários endividados, mas que, com o parcelamento, eles vão voltar firmes para o mercado.

“A gente sabe que o endividamento está ligado, claro, também ao estilo de gestão de cada um. Mas num momento de crise como esse que o país viveu, não tenho dúvida de que mesmo aqueles empreendedores que cuidam da gestão dos seus negócios, passaram por dificuldades por causa do contexto. Imagine, por exemplo, a condição de um pequeno empresário que é fornecedor de um governo estadual ou de uma prefeitura, que passou por esses níveis de dificuldades e que às vezes passa meses sem receber a venda que foi feita. Ou mesmo com dificuldade de honrar os seus próprios fornecedores, enfim”, ponderou Clímaco.

Veto derrubado – O projeto havia sido aprovado pelo Legislativo em dezembro, mas foi barrado pelo presidente da República em janeiro por limitações orçamentárias. O Congresso Nacional derrubou o veto por 346 votos a 1 na Câmara e 56 votos a 0 no Senado. Um dos parlamentares que votou a favor da derrubada do veto foi o deputado Jorge Côrte Real (PTB-PE). De acordo com o congressista, a medida vai ajudar na retomada da relação dessas empresas com os serviços públicos locais.

“Isso vem, inclusive, a recuperar várias e várias micro e pequenas empresas que estavam sem poder trabalhar. Isso vem a contribuir com a formalização dessas empresas. Isso vai gerar emprego e renda, na medida que essas empresas vão poder trabalhar na formalidade e vão também poder reentrar na prestação de serviço ao próprio serviço público”, afirmou o congressista.

Adesão – A adesão ao refinanciamento pode ser feita por empresas que fazem parte do Simples Nacional, ou que já foram excluídas do programa, mas ainda têm débitos do Simples até novembro de 2017.

O prazo para adesão ao Refis vai até 9 de julho. Mas vale ressaltar que a plataforma para o cadastramento ainda não está definida. Enquanto isso, apenas as empresas inscritas na dívida ativa da União podem se cadastrar. O processo pode ser feito pelo site da Fazenda Nacional.

Para aderir ao programa é necessário pagar 5% da dívida total nos cinco primeiros meses após a adesão do refinanciamento. Caso o contribuinte não pague integralmente os valores correspondentes a 5% da dívida consolidada, o parcelamento será cancelado.

O saldo restante, de 95% do débito, poderá ser liquidado integralmente, em parcela única, com redução de 90% dos juros de mora, 70% das multas de mora, de ofício ou isoladas e 100% dos encargos legais.

Por Marquezan Araújo

Vídeo: assista na íntegra o pronunciamento de Temer sobre greve de caminhoneiros

O presidente da República, Michel Temer, realizou nesta sexta-feira (25) pronunciamento sobre a greve dos caminhoneiros que atinge todo o Brasil.

O governo federal autorizou o uso de forças federais de segurança para liberar as rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros caso as estradas não sejam desbloqueadas pelo movimento. O anúncio foi feito há pouco pelo presidente Michel Temer, em pronunciamento no Palácio do Planalto. A decisão foi tomada após reunião no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que contou com a participação de ministros e do presidente.

Confira o vídeo abaixo na íntegra:

TVNBR

Em áudio vazado, ministros do Supremo criticam paralisação de caminhoneiros

Enquanto isso, Senado deve debater desoneração de impostos com o governo para só então colocar em pauta proposta aprovada pela Câmara 

A paralisação dos caminhoneiros em diversas rodovias pelo país ainda não chegou oficialmente à pauta do Supremo Tribunal Federal. O que não impediu que o assunto deixasse de ser debatido por ministros em plenário. Em um áudio vazado durante a sessão da Corte nessa quinta-feira, Gilmar Mendes e Celso de Mello conversam sobre a crise do movimento grevista e os problemas que isso tem causado à vida de milhares de brasileiro.

O plenário estava em silêncio enquanto todos aguardavam a confirmação da recondução da ministra Rosa Weber à vaga do Tribunal Superior Eleitoral. Lado a lado, os dois, então, começaram a conversar, mas o microfone permaneceu aberto. Gilmar se disse surpreso com a crise, contou que sua mulher estava na rua naquele momento enquanto Celso de Mello lamentou o estado de calamidade e o “absurdo” do “sequestro” pelo qual foi tomada a população diante da paralisação.

“‘Que crise, hein? Guiomar tá na rua agora, está impossível…’ ‘Um absurdo … quer dizer, faz-nos reféns. Tudo bem que eles possam até ter razão aqui ou ali, mas isto é um absurdo. Minha filha está vindo de São Paulo para cá e disse que está tudo….’”

O governo tenta a todo custo estancar a sangria da crise causada pela paralisação nas estradas. O temor pelo desabastecimento de alimentos e combustíveis tomou conta de parte da população que, de uma forma descontrolada, lotou supermercados e armou filas enormes nos postos de gasolina.

Depois de viajar ao Ceará, seu estado natal, para participar de um evento, o presidente do Senado Eunício Oliveira, do MDB, se viu obrigado a voltar à Brasília. Convocou às pressas uma reunião extraordinária de líderes para o início da noite dessa quinta e chegou a marcar uma sessão deliberativa para esta sexta-feira (25) que, no final das contas, acabou descartada.

A reação de Eunício se deu diante das críticas de que o Senado votaria somente na semana que vem o projeto de isenção de tributos que incidem sobre o óleo diesel. A matéria foi aprovada pela Câmara na noite de quarta, mas no Senado ainda não é consensual sua votação, já que há indícios de erro nos cálculos feitos pelos deputados.

Ao aprovarem o projeto da reoneração de 28 setores da economia, os deputados incluíram o fim da cobrança do PIS/Pasep e da Cofins incidente sobre o diesel até 31 de dezembro de 2018. Pelas contas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do relator da proposta, deputado Orlando Silva, o impacto nas contas da União com essa isenção seria de R$ 3 bilhões neste ano. Na manhã dessa quinta, no entanto, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que a perda de arrecadação em 2018 seria, na verdade, de R$ 10 bilhões.

O presidente do Senado anunciou, após reunião com o presidente Temer e ministros no Palácio do Planalto, que a proposta de reoneração só será votada depois de debate com o governo.

“O projeto que veio da Câmara vai se abrir um debate sobre ele para encontrar as fontes verdadeiras que possam cobrir isso sem prejudicar questões de saúde, e de outro tipo de financiamento, que é feito com esses recursos”

Se os senadores decidirem atender o governo e retirar a isenção do tributo como foi aprovada pelos deputados, a proposta terá que retornar à Câmara, o que retardaria ainda mais as negociações da Presidência da República com os grevistas. E, aí sim, agravaria o desabastecimento de alimentos e de derivados do petróleo em alguns estados. Os caminhoneiros seguem nesta sexta para o quinto dia de protesto contra o aumento do preço do óleo diesel, usado para abastecer os caminhões. A categoria só aceita paralisar a greve e desbloquear as estradas se o governo aceitar zerar a alíquota do PIS-Cofins que incide sobre o diesel.

Em Brasília, alguns postos já estão sem combustíveis. Por toda a cidade, filas quilométricas se formaram à espera do abastecimento, com o litro da gasolina hiper inflacionado e elevado até a R$ 10 diante da alta procura. Um revés: quem lamentava a pagar R$ 4,50 por litro, agora se sujeita a desembolsar até o dobro temendo ter que ficar com o carro parado. Muita gente mudou de hábito e foi de ônibus ou metrô para o trabalho, aumentando o número de passageiros nos transportes públicos.

Redação – fmrural.com.br

Com Hédio Júnior – Brasília/DF

 

Cinema: Paolla Oliveira e Ricardo Pereira contracenam em comédia romântica nacional

Confira também outras novidades no cinema e na Netflix

A partir desta quinta-feira, Paolla Oliveira aparece nas telonas brasileiras com o filme Alguém Como Eu.

A atriz interpreta a publicitária Helena, que tem uma vida estável, emprego dos sonhos, ótimos amigos, mas que ainda não teve muita sorte no amor.

Após uma decepção romântica, uma oportunidade bate à porta de Helena, e ela decide mudar o local de trabalho, com um único detalhe: precisa deixar o Rio de Janeiro para morar em Lisboa, a capital portuguesa.

É lá que Helena conhece Alex, um advogado português, interpretado pelo ator Ricardo Pereira. De uma forma diferente e divertida, os dois começam a se envolver até namorarem. Mas como em qualquer outro relacionamento, eles começam a passar por dificuldades de convivência já que são pessoas diferentes.

É aí que um pedido de Helena muda a situação e ela começa a enxergar Alex de outra forma: como se ele fosse uma mulher. Isso acaba confundindo as coisas para Helena ainda mais.

A temática do filme está dentro dos parâmetros de comédias românticas produzidas nacionalmente. Não há muitas surpresas ou inovações no roteiro, mas o filme também não deixa de ser um bom passatempo.

O que chama a atenção é que, mesmo sendo um filme brasileiro, a maior parte das cenas são em Lisboa. Além da língua mais falada também ser o português de Portugal. Algumas pontas ficam soltas durante o filme, o que impede um pouco a compreensão, mas nada que atrapalhe o enredo.

Quer saber mais sobre Alguém Como Eu? Você pode ir ao cinema mais próximo e aproveitar o final de semana.

E nesta quinta-feira (23), tem novidade, também para o público nerd. Quem é fã de Star Wars deve estar curioso com o novo filme sobre o personagem Han Solo. O mercenário ganhou um filme que vai contar a história dele e do amigo Chewbacca antes de embarcarem na história de Uma Nova Esperança.


Também tem novidade para a criançada que gosta de Netflix. A terceira temporada da animação Caçadores de Trolls chega à plataforma nesta sexta. Dirigida por Guilhermo Del Toro, a estória gira em torno de Jim, um garoto que após descobrir um amuleto misterioso recebe a missão de salvar dois mundos.

Se você tinha dúvida sobre o que fazer no final de semana, agora você já sabe.

Reportagem, Sara Rodrigues

Na Marcha à Brasília em Defesa dos Municípios, Lira recebe reconhecimento dos prefeitos por sua atuação municipalista

O Senador Raimundo Lira (PSD-PB) recebeu o reconhecimento dos Prefeitos do Brasil que participaram, na última quarta-feira (23), da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Foi durante cerimônia que reuniu cerca 3 mil Prefeitos, no Centro de Convenções de Brasília, onde o Senador falou sobre sua atuação em favor dos Municípios brasileiros – em especial dos paraibanos – o que lhe conferiu o título de Senador Municipalista pela a Confederação Nacional dos Municípios – CNM.

Dentre as ações citadas em sua fala, Lira detalhou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC-29/2017), de sua autoria, que aumenta a receita do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) em 1% no mês de setembro, para as Prefeituras. Ao final da explanação, ele foi muito aplaudido pelos Prefeitos e acompanhantes. Após os aplausos e o reconhecimento de todos os que estavam no auditório, Lira aproveitou e convidou os Prefeitos paraibanos e seus acompanhantes para um almoço de confraternização.

O almoço reuniu cerca de 80 Prefeitos paraibanos, além de muitas Primeiras Damas, Vice-Prefeitos, Secretários Municipais, Vereadores, Presidentes de Câmaras Municipais e diversas lideranças políticas de várias cidades da Paraíba que haviam participado da reunião da CNM.

O Senador ficou muito satisfeito com a presença de todos no almoço de confraternização e mais uma vez reforçou sua disposição em trabalhar pelos Municípios paraibanos. Na conversa com os Prefeitos, durante o almoço, ele disse que continuará defendendo os interesses dos Municípios, em Brasília. “Ajudando os Prefeitos, trabalhando pelos Municípios, eu estarei trabalhando pela população da Paraíba”, disse.

Assessoria de Imprensa
Gabinete do Senador Raimundo Lira – PSD/PB

Em sabatina, Alckmin promete reformas estruturais e fala em desafio para reduzir dívida pública

Ex-governardor paulista também falou sobre acusações contra membros de seu partido e disse que “ninguém está acima da lei”

Em sabatina realizada por jornalistas da Folha de S. Paulo, UOL e SBT nesta quarta-feira (23), o pré-candidato ao Planalto Geraldo Alckmin, do PSDB, afirmou que “quem assumir o governo vai enfrentar um grande problema”. A declaração do tucano faz referência à dívida pública federal, que pode chegar a 75% do PIB em 2019, segundo estimativas do Tesouro Nacional. Se for eleito presidente, Alckmin prometeu realizar, no mínimo, quatro grandes reformas: política, com adoção do voto distrital misto e de cláusula de barreira, simplificação tributária, reforma do Estado, “para diminuir gastos públicos”, e reforma da Previdência, com restrição às Forças Armadas.

“Uma exceção: Forças Armadas. Não é que ela vai ficar fora da reforma. Ela não vai ficar fora. Eu pretendo sentar com as Forças Armadas, eles sabem disso, que não podem continuar esse modelo, então ela vai ser modificada.”

O pré-candidato do PSDB também foi questionado por jornalistas sobre os processos em que é investigado por supostos crimes durante campanhas eleitorais. O tucano, acusado pela Odebrecht de receber mais de R$ 10 milhões em caixa dois para as eleições de 2010 e 2014, disse que as acusações são um “absurdo verdadeiro” e que as campanhas “foram feitas dentro da Lei, sem ostentação”.

Além disso, afirmou que se sente indignado com as investigações e cravou que “quem enricar com a política, é ladrão”. Geraldo Alckmin também falou sobre as acusações contra membros de seu partido. Ao citar a condenação de Azeredo, ex-governador de Minas Gerais que se entregou nesta tarde para cumprir a pena de 20 anos, o tucano declarou que a Justiça deve ser cumprida. Sobre o ex-governador do Paraná Beto Richa, Alckmin disse que “ele vai se explicar”. Quanto a Aécio Neves, réu no Supremo, o ex-governador paulista disse que é provável que o senador não seja candidato. Declarou ainda que é contrário ao foro privilegiado e que seu partido está a disposição para prestar contas à Justiça.

“O PSDB não é imune à crítica, não é imune a prestar contas ao poder Judiciário e nós não vamos passar a mão na cabeça de ninguém. Justiça se cumpre. Então, a Justiça é para o PT, para o PSDB, é para todos os partidos, ninguém está à cima da Lei.”

Perguntado sobre o número de policiais mortos em São Paulo, Alckmin disse que “a letalidade policial vai cair quando o bandido não tiver com o fuzil na mão” e que “o problema hoje é o tráfico de armas”.

Na última pesquisa Datafolha, o ex-governador de São Paulo tinha entre 7% e 8% das intenções de voto. Nesta quinta-feira (24), a ex-senadora Marina Silva, pré-candidata pela Rede, será a próxima entrevistada pelos jornalistas em São Paulo.

 

Reportagem, Juliana Gonçalves

 

Esporte: com Gabriel Jesus e Danilo, Neymar trabalha em campo sem restrições

Danilo, Gabriel Jesus e Neymar foram a campo na tarde da última terça-feira (22). Sob a supervisão do preparador físico Ricardo Rosa, o trio trabalhou a parte física e também treinou com bola no campo dois da Granja Comary. A atividade durou cerca de quarenta minutos e deixou os jogadores animados. Rolou até uma disputa bem humorada de quem acertava mais as finalizações. O treino serviu para dar sequência na evolução dos atletas. No caso de Neymar, colocá-lo para realizar os movimentos corporais exigidos para a prática do futebol. Já Danilo e Gabriel, em fim de temporada nos seus clubes, o treinamento teve o objetivo de uma manutenção física.

– Para o Neymar, fizemos um trabalho de propriocepção, pois ele está em processo de evolução com a bola. É o quarto trabalho dele após a liberação médica. Ele participou de um joguinho dois contra dois. Damos uma aumentada na intensidade das finalizações, mas sem goleiro para não exigir muito esforço. Temos que avaliá-lo no dia a dia, antes e pós-treino para saber como ele se sente, para não ter nenhum desconforto. Dando os estímulos e avaliando constantemente. No caso de Danilo e Gabriel, eles estão em final de temporada e com diminuição de carga de trabalho nas últimas semanas. Os dois trabalharam para manutenção física – explica Ricardo Rosa.

Silvinho, auxiliar técnico, Taffarel e Rogério Maia, preparadores de goleiro, foram os responsáveis por auxiliar Rosa na atividade. Danilo, Jesus e Neymar participaram de um treino de finalizações, que consistia em acertar os golzinhos posicionados um ao lado de cada trave, com chutes de esquerda e direita. Empolgado, o trio se motivava e provocava a cada acerto.

– A ideia de fazer o trabalho com bola é porque se torna um elemento incentivador, pois o atleta sabe que será mais dinâmico e prazeroso. Criamos a situação de disputa, no caso do joguinho, de saber quem vai ganhar. Isso tudo serve de incentivo, e enquanto eles estão se divertindo estão trabalhando a parte física também – finaliza o preparador físico referindo-se às disputadas partidas de golzinho com Taffarel e Gabriel Jesus contra Neymar e Danilo.

Com CBF