Categoria Brasil

porpjbarreto

Companhia de eletricidade vai reduzir tarifa para clientes na Paraíba. Veja!

A ANEEL aprovou nesta terça-feira (20) de agosto, a aplicação de reduções nas tarifas de quatro concessionárias que atuam em cinco Estados: Santa Catarina, Maranhão, Paraíba, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

A maior queda, de -8,32%, em média, será nas tarifas da Elektro que atende 2,6 milhões de unidades consumidoras, localizadas em 223 municípios do estado de São Paulo e cinco do Mato Grosso do Sul.

Na catarinense Celesc, a ANEEL autorizou redução média de -7.80%. A distribuidora fornece energia para 3 milhões de unidades consumidoras localizadas em 264 municípios do estado de Santa Catarina.

Para os consumidores atendidos pela Energisa Paraíba, a tarifa será reduzida, em média, em -4,87%. As novas tarifas entram em vigor para 1,4 milhão de unidades consumidoras em 216 municípios paraibanos.

Já na concessionária do Maranhão, Cemar, a redução média foi de -3,82% para 2,5 milhões de unidades consumidoras de 217 municípios Maranhenses.

Para Santa Catarina, as novas tarifas entram em vigor em 22/8. Na Elektro, passam a vigorar em 27/8 e para as distribuidoras Cemar e Energisa Paraíba em 28/8.

Dentre os itens que mais colaboraram para os índices negativos ressalta-se a redução dos custos com encargos setoriais com destaque para o pagamento do empréstimo da Conta ACR e a retirada da CDE Decreto da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Confira o link abaixo com mais informações sobre o processo tarifário da Paraíba:

Energisa Paraíba

porpjbarreto

Caixa anuncia financiamento habitacional corrigido pelo IPCA

Nova linha de contratos habitacionais terá taxas reduzidas

O governo federal anunciou nesta terça-feira (20), em evento no Palácio do Planalto, o lançamento de uma nova linha de financiamento habitacional na Caixa Econômica Federal (CEF). Essa linha vai operar contratos habitacionais corrigidos pela inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais uma taxa fixa.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, havia adiantado a medida na semana passada, sem detalhes. Na tarde desta terça-feira, no Planalto, Guimarães explicou que a nova linha, baseada no IPCA, trará taxas reduzidas e utilizará o IPCA no lugar da Taxa Referencial (TR), definida pelo Banco Central e considerada por Guimarães de baixa previsibilidade.

A nova linha traz uma taxa de 4,95% do valor financiado mais correção do IPCA. A porcentagem pode chegar a 2,95% do valor financiado para quem tem as melhores relações com o banco (ter conta no banco e apresentar baixo risco de inadimplência, por exemplo). Os valores serão corrigidos mensalmente, prestação a prestação, conforme o IPCA mais recente.

Já a linha de financiamento praticada atualmente traz uma correção de TR mais 9,75% do valor financiado. Essa porcentagem pode cair até 8,5%, sendo 8,5% para clientes com boas relações com o banco.

Prestações menores

Guimarães disse que o valor da prestação do financiamento imobiliário poderá ser reduzido até pela metade. “O que representa isso? Um imóvel de R$ 300 mil, que hoje você começa pagando R$ 3 mil, você baixará, com 4,95% de taxa, de R$ 3.168 para R$ 2 mil. Se você chegar a uma taxa de 2,95%, você chega a uma redução de 51% na prestação”.

Caso o cliente não queira financiar com base no IPCA, temendo um aumento muito grande na inflação no futuro, ele poderá optar pela linha já usada. “Se o cliente tiver esse receio, ele pode continuar com TR. Exatamente por causa disso, um componente do IPCA mais volátil, que a gente reduziu tanto, para 4,95%”, disse o presidente da Caixa.

O presidente Jair Bolsonaro participou do evento e disse que a medida é um ganho para a sociedade como um todo, tanto para quem vai comprar, quanto para os setores imobiliário e da construção. “Isso é muito bem-vindo. E a sociedade toda ganha, todo mundo ganha. Vamos, na medida do possível, dando sinais que queremos fazer um Brasil melhor para todos”.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, a medida deverá favorecer o mercado. “A transferência do indexador da prestação do crédito imobiliário – da TR [Taxa Referencial], que não tem a confiança dos investidores, para o Índice de Preços [IPCA]– deve favorecer o mercado. […] A atualização por Índice de Preços estimula o apetite para esses agentes [financeiros] comprarem os papéis”, disse Martins, em nota.

Para Martins, a medida estimulará a concorrência, trará dinheiro novo e abrirá caminho para que os custos para o crédito imobiliário diminuam. “O consumidor final vai poder pagar menos em prestações, pois a economia brasileira vai ter um mercado real em vez de um ‘mercado de apostas’”, disse.

Agência Brasil

porpjbarreto

Justiça eleitoral condena ex-presidenciável por crime de caixa dois em eleição

O ex-prefeito de São Paulo e candidato do PT às eleições presidenciais de 2018, Fernando Haddad, foi condenado pela Justiça Eleitoral pelo crime de caixa dois. A sentença foi proferida no último dia 19. O juiz Francisco Carlos Inouye Shintate determinou pena de “quatro anos e seis meses de reclusão, e 18 dias-multa, cada um no valor de 1 salário-mínimo vigente na época do fato”.

Na sentença, o magistrado absolve o petista de outras acusações, como formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O processo nasceu de apuração que visava identificar o uso de recursos da empreiteira UTC na confecção de material de campanha de Haddad para prefeito, em 2012.

Em nota, a defesa de Fernando Haddad informou que vai recorrer da decisão da primeira Vara Eleitoral. “Em primeiro lugar porque a condenação sustenta que a campanha do então prefeito teria indicado em sua prestação de contas gastos com material gráfico inexistente. Testemunhas e documentos que comprovam os gastos declarados foram apresentados”, dizem os advogados do petista.

“Ademais, não havia qualquer razão para o uso de notas falsas e pagamentos sem serviços em uma campanha eleitoral disputada. Não ha razoabilidade ou provas que sustentem a decisão. Em segundo lugar, a sentença é nula por carecer de lógica. O juiz absolveu Fernando Haddad de lavagem de dinheiro e corrupção, crimes dos quais ele não foi acusado”, continua o texto dos advogados.

“A lei estabelece que a sentença é nula quando condena o réu por crime do qual não foi acusado. Em um Estado de Direito as decisões judiciais devem se pautar pela lei. O magistrado deve ser imparcial. Ao condenar alguém por algo de que nem o Ministério Público o acusa, o juiz perde sua neutralidade e sua sentença é nula”, finaliza a defesa.

O dono da gráfica citada no caso acabou condenado a um total de nove anos e nove meses de prisão.

FOLHAPRESS

porpjbarreto

O Globo: Daniella Ribeiro contrata prima com salário de quase R$ 23 mil

A coluna do jornalista Lauro Jardim, no portal O Globo, site de repercussão nacional, trouxe, nesta terça-feira (20) a informação de que a senadora paraibana, de primeiro mandato, Daniella Ribeiro, do Partido Progressistas, contratou uma prima para trabalhar com ela, no gabinete em Brasília, como assessora parlamentar com um salário de quase R$ 23 mil.

Marina Ribeiro Barbosa Gaudêncio recebe salário de R$ 22,9 mil para atuar no gabinete da paraibana, um salário maior do que o pago a muitos prefeitos paraibanos.

Conforme a coluna, Daniella e Marina são primas de segundo grau e, por isso, o Senado não considera o caso como nepotismo.

Antes de Marina atuar no gabinete de Daniella, ela estava lotada na liderança do PP no Senado, só que com salário bem menor.

Daniella lidera o Progressistas (PP) no Senado e é a primeira mulher paraibana a assumir o posto.

Diz a coluna

Senadora bota parente para dentro de gabinete com salário de R$ 23 mil 

Daniella Ribeiro, senadora do PP da Paraíba, abriu as portas do gabinete para a família: contratou Marina Ribeiro Barbosa Gaudêncio, filha de sua prima, para trabalhar como assessora parlamentar, com salário de cerca de R$ 22,9 mil.

E não é a primeira vez.

Até então, Marina estava lotada na liderança do PP no Senado, partido liderado por Danielle Ribeiro, onde ganhava menos.

Mais impressionante do que a generosidade de Danielle é o fato de o Senado não considerar nepotismo a contratação de primos de segundo grau.

PB Agora
porpjbarreto

“Amigo Lovina” garante desconto especial para show “Saulo & Durval na Praia”

Público pode adquirir ingresso social por R$110 + 2kg de alimentos não perecíveis que serão doados para a ONG paraibana Ganha Mais Quem Doa

Palco de grande apresentações locais e nacionais, o Lovina Beach Club já é conhecido pelo público paraibano e por turistas como um point do verão nordestino. Boas atrações, gente bonita e com astral único, o local é reconhecido pela sua estrutura de qualidade, conforto, segurança e diversão. E para antecipar a estação mais quente do ano, o  Lovina Beach Club reúne nomes que são realmente a cara do verão: no dia 7 de setembro, a partir das 16h, Durval Lelys e Saulo dividem o palco no show “Durval & Saulo na Praia”, com abertura de Ramon Schnayder. Para garantir a noite de muita festa, mantendo preços acessíveis ao público, a promoção “Amigo Lovina” oferece tarifa especial e ainda a chance de fazer o bem.

Funcionando como ingresso social, para adquirir o valor exclusivo do “Amigo Lovina” é preciso levar 2kg de alimentos que devem ser entregues na entrada do show, além de seguir o perfil oficial do evento @durvalesaulonapraia@coloniaproducoes e @multpromo. Os alimentos serão doados para a ONG paraibana Ganha Mais Quem Doa, projeto que auxilia os pacientes do Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa, referência no tratamento do câncer e doenças do sangue. O ingresso “Amigo Lovina” custa R$110,00 + 2kg de alimentos.

Os ingressos para o show  já estão sendo vendidos em João Pessoa na APP Shopp (Manaira Shopping, Mangabeira Shopping e MAG Shopping) e em Campina Grande na NORD Hotel (R. Cel. João Lourenço Porto – Centro). Para acompanhar as novidades sobre o evento, seguir os perfis @coloniaproducoes e @multpromo no Instagram.

Serviço:

“Saulo & Durval na Praia”

Data: 7 de setembro (sábado)

Abertura: 16h

Show de abertura: Ramon Schnayder

Local:  Lovina Beach Club


Vendas: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
João Pessoa: APP Shopp (Manaira Shopping, Mangabeira Shopping e MAG Shopping) e Campina Grande: NORD Hotel (R. Cel. João Lourenço Porto – Centro)

Informações: (83) 9.9961-0607
Realização: Mult Promo e Colônia Produções

Preços: 
Ingresso MEIA – R$100

Ingresso Inteira – R$200
Ingresso Social – R$110 + 2kg.

 

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

‘Operação Famintos’: Depoimentos da ex-Secretária Iolanda e de diretora da Seduc desmentem Romero sobre compra de merenda

Em entrevista a uma emissora de rádio na manhã desta segunda-feira (19), o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), que tem pastas da sua gestão municipal envolvidas na ‘Operação Famintos’, deflagrada pela Policia Federal com a instauração do IPL nº 119/2018, mediante solicitação do Ministério Público Federal, disse ser das diretoras de escolas municipais a responsabilidade pela aquisição da merenda, o que eximiria de culpa a Prefeitura de Campina Grande e seus auxiliares, nas denúncias de desvios de recursos, que ultrapassam os R$ 25 milhões.

 “Tanto nas creches como nas escolas, em quantidade e qualidade, inclusive nas escolas você sabe que a gestora da questão da aquisição dos produtos são as diretoras das escolas da rede municipal que são eleitas, inclusive”, disse o prefeito Romero, colocando única e exclusivamente nas gestoras a responsabilidade pela aquisição da merenda.

O jornalista, então, questiona: “Mas isso não passa pela Secretária não?”, e Romero responde: “Não. Elas que compram e elas que pagam e prestam contas. Eu só tô dizendo como é a metodologia que são as diretoras que fazem a aquisição das merendas, efetuam os pagamentos e que escolhem o cardápio, embora exista uma sugestão de cardápio”, disse o prefeito de Campina. Veja a entrevista de Romero onde ele acusa as diretoras: https://youtu.be/Gvc8nZ79L_g

Porém, segundo a denúncia do MPF e comprovações feitas por dirigentes sindicais, a fala do gestor campinense não representa o que ocorre na realidade, e que não é correto de sua parte responsabilizar as gestoras de escolas por algo que é feito através de licitação, pela Secretária de Educação da cidade, desde o ano de 2013, quando as gestoras de escolas perderam a autonomia sobre as compras dos respectivos alimentos.

A própria denúncia do MPF, o depoimento da ex-secretária de Educação e ex-cunhada do prefeito, Iolanda Barbosa, e o depoimento da Diretora Administrativa e Financeira da Secretaria de Educação de Campina Grande e prima do prefeito, Maria do Socorro Menezes de Melo, afastadas pela Justiça Federal por 180 dias do cargo, contrapõem o que afirma o prefeito, pois mostram que, comprovadamente, coube à gestão a elaboração do processo licitatório supostamente viciado, que fez com que as empresas Delmira Feliciano Gomes e Rosildo de Lima Silva ganhassem as licitações para fornecimento de merenda escolar.

Entenda como eram feitas as licitações: a SEDUC “solicitava” à Secretária de Administração a abertura da licitação. O certame era feito, segundo a denúncia do MPF, pelo ex-secretário de Administração de Campina, Paulo Roberto, supostamente em conjunto com os empresários presos até o momento, que seriam donos ou com participação nas empresas fantasmas, além da participação direta de Iolanda Barbosa.

Portanto, pelo teor do processo e pelos depoimentos de Iolanda e de Maria do Socorro, às gestoras das escolas só cabia, na modalidade descentralizada, adquirir os produtos das empresas ganhadoras das licitações já realizadas de forma irregular, não as dando autonomia para comprar em outros fornecedores. Já quando é a modalidade centralizada, para creches, a merenda era unicamente comprada também pelas empresas envolvidas no escândalo, mas de forma direta pelo SEDUC.

Ou seja, as diretoras das escolas recebem a verba e fazem uma ADESÃO AO CONTRATO oriundo da licitação já efetivada pela PMCG. Portanto elas (diretoras) só podiam comprar às empresas ganhadoras das licitações feitas pela PMCG na gestão de Romero e que estão sendo investigadas pela ‘Operação Famintos’, a exemplo, da empresa Delmira Feliciano Gomes (datada como sendo uma empresa fantasma que já ganhou da PMCG de janeiro de 2013 a janeiro de 2019, a quantia de R$ 12.225.439,06) ou da empresa Rosildo de Lima Silva. Sobre esse ponto a Controladoria Geral da União (CGU) emitiu nota técnica nº 1073/2019, que apontou as seguintes irregularidades.

Sintab – Quem também se manifestou sobre a tentativa do prefeito de colocar para as diretoras de escolas municipais a responsabilidade sobre a aquisição da merenda foi o diretor do Sintab, Napoleão Maracajá. Segundo ele, o gestor não foi honesto com as diretoras.

“Prefeito, isso não é honesto, isso não é verdade. Até 2012, as escolas tinham autonomia e, desde 2013, quando o senhor assumiu, o senhor modificou isso. O senhor centralizou o processo de licitação, cabendo às diretoras só escolherem os produtos já licitados”, disse Napoleão. Veja o depoimento completo no link:https://youtu.be/gQj8aaBXOok

 

https://campinagrande.pb.gov.br/wp-content/uploads/2019/01/Seman%C3%A1rio-Oficial-n%C2%BA-2.605-07-a-11-de-janeiro-de-2019.pdf

 

Fonte: PBNEWS

porpjbarreto

Ato contra o PL do Abuso de Autoridade reúne representantes do MP, Judiciário, polícia e demais entidades

Foram realizados na tarde desta terça-feira (20), nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Guarabira, Cajazeiras, Sousa e Patos, atos contra a aprovação do Projeto de Lei 7596/2017, que dispõe sobre os crimes de abuso de autoridade. Em João Pessoa, a mobilização aconteceu no Fórum Cível e contou com a presença de representantes do Ministério Público, da Justiça Federal, da Polícia Federal, dos procuradores Federais e do Trabalho, da Justiça do Trabalho, dos delegados Federais e Estaduais, dos policiais Rodoviários Federais, dos oficiais e praças da PMPB e dos peritos oficiais da Paraíba.

O procurador-geral de Justiça, Francisco Seráphico Ferraz da Nóbrega Filho, esteve presente ao ato e falou sobre a importância de defender a autonomia destas entidades. “Óbvio que a legislação precisa ser aperfeiçoada. É natural e faz parte de qualquer processo legislativo. A gente defende que seja um debate mais amplo, mais sereno, no qual a gente possa discutir, cada um dos tipos que estão previsto neste projeto de lei. É uma preocupação que tem a instituição com a criação de vários tipos genéricos que tem como objetivo ou finalidade essencial a punição do membro do Ministério Público, do magistrado, do policial, e dificulta bastante um trabalho em benefício da sociedade” destacou.

A promotora de Justiça e vice-presidente da Associação Paraibana do Ministério Público, Ana Maria França, representou o presidente Márcio Gondim do Nascimento, que está em Brasília participando do mesmo ato junto à Conamp e demais entidades associativas.

“Resolvemos nos reunir para mostrar à sociedade os ataques que ela está sofrendo através da gente. O projeto de lei que está prestes a ser sancionado pelo presidente vai de encontro a todos os anseios da sociedade quando se trata de combate à corrupção. Ao limitar, tolher e intimidar a atuação de juízes, promotores e policiais faz com que a sociedade se torne refém do crime”, afirmou Ana Maria França.

A presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), a juíza Aparecida Gadelha, também comentou sobre os efeitos que o PL pode causar às prerrogativas das instituições públicas que combatem diversos crimes, entre eles, a corrupção: “Nós vemos esta lei com muita preocupação. A aprovação do PL do Abuso de Autoridade vai prejudicar e muito a atuação dos agentes públicos, da magistratura em especial, porque ela termina por criminalizar a atribuição do magistrado que é de julgar, de interpretar a lei, de pensar e concluir”.

Assessoria de Imprensa – MPPB

porpjbarreto

Coca-Cola apresenta Humberto Gessinger em João Pessoa e em Campina Grande

Esta é a última agenda do show “Ao Vivo Pra Caramba” e acontece 25 e 26 de outubro

Humberto Gessinger volta à Paraíba com o show  “Ao Vivo Pra Caramba”, desta vez, apresentado pela Coca-Cola. O show acontece em João Pessoa no dia 26 e em Campina Grande no dia 25 de agosto, no Clube Campestre e no Clube Cabo Branco. No palco, Gessinger  (vocal, baixo, harmônicas, sintetizador, guitarra, viola caipira e piano) estará acompanhado por Rafa Bisogno (bateria, percussão, bateria eletrônica e voz) e Felipe Rotta (guitarra, violão, bandolim e voz), que o acompanham também no DVD. O evento é uma realização da Colônia Produções.

Os maiores sucessos da banda Engenheiros do Hawaii, como “Infinita highway”, “Pra ser sincero” e “Somos quem podemos ser”, e canções novas, como “Pra Caramba”,  “Das Tripas Coração” e “Saudade Zero”estarão na setlist do show que conta com abertura de Val Donato (CG) e Victor Brizeno (JP). ⠀⠀⠀⠀

Serviço:

Humberto Gessinger  – Ao Vivo Pra Caramba
25 de outubro (sexta) – Campina Grande
Clube Campestre
Abertura: 21h
Show de abertura: Val Donato e part DJ Saulo Pacheco

26 de Outubro (sábado) – João Pessoa
Clube Cabo Branco
Abertura: 21h
Shows de Abertura:  Victor Brizeno e part DL Cris L

Valores do 2o Lote:
Ingresso/MEIA ENTRADA PISTA
R$ 52,00
É obrigatório no ato da compra, apresentação do documento de identificação da MEIA ENTRADA (Estudantes, Professores, Idosos, Pessoas com Deficiência e seus Acompanhantes)

Ingresso INTEIRO PISTA
R$ 102,00
Ingresso/Social PISTA
R$ 62,00 + 02 kg de Alimentos não Perecíveis (Entrega de Alimentos no dia da Entrega de Abadás)
Ingresso AREA VIP
R$ 102,00

Vendas: 
AVATIM MAG Shopping e www.ingressonacional.com.br
Parcelamento em até 12 vezes com taxa 2,99% ao mês.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Realização & Produção: @coloniaproducoes e @notilm_producoes
⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Informações: 
(83) 99961-0607
@coloniaproducoes

Apoio:
AVATIM, AMSTEL, MIX, NORD Hoteis, ARMAZEM PARAIBA, LA ESTAMPA COPIAR, MAG Shopping, ATOL Music Bar, Vivass Comunicação e ELEMIDIA.

 

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

Senador Veneziano propõe Audiência Pública para debater cortes de verbas para a Educação e “Future-se”

O Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB/PB) solicitou nesta terça-feira (20), na Comissão de Educação do Senado, uma Audiência Pública para debater sobre o contingenciamento de verbas para as universidades federais e o novo programa do governo federal “Future-se”, que visa ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário.

A Audiência Pública contará com a participação dos membros do Grupo de Trabalho destinado a avaliar e acompanhar o sistema universitário brasileiro, criado por um ato do Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do qual faz parte o ex-reitor da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, Thompson Mariz.

Também serão convidados o Presidente das Fundações de Apoio das Universidades (Conifes), Fernando Peregrino; reitores e ex-reitores de outras Universidades Federais e Institutos Federais de Educação de todo o País. Da Paraíba, participarão a reitora Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Margareth Melo Diniz, o reitor da UFCG, Vicemário Simões; e o reitor do Instituto Federal da Paraíba – IFPB, Cícero Nicácio do Nascimento Lopes.

Na Tribuna do Senado – O assunto foi tratado por Veneziano nesta segunda-feira (20), na Tribuna do Senado. Na oportunidade, ele reprovou os remanejamentos apresentados no Projeto de Lei do Congresso (PLN) 18, que afetarão drasticamente a educação brasileira, num prejuízo de cerca de R$ 50 milhões.

“Esses recursos remanejados, caso seja aprovado o PLN 18, poderão prejudicar, principalmente, as instituições de ensino superior e instituições de formação técnica, assim como as instituições de Campina Grande e a Universidade Federal da Paraíba. Nós não podemos continuar à mercê das decisões do Ministério da Economia sem reagir da forma que precisamos reagir, propondo o debate sobre os contingenciamentos de verbas na área da educação, justamente com as pessoas que mais sentem esses cortes no dia a dia”, ressaltou o Senador paraibano.

Prejuízos para as Universidades – Várias pesquisas e ações em diversas universidades federais serão afetadas pelo contingenciamento do orçamento da Educação, neste segundo semestre. Somente no primeiro semestre, o MEC foi alvo de dois contingenciamentos, determinados pelo governo federal como forma de enfrentar a crise econômica. No mês de março foram R$ 5,8 bilhões bloqueados. Já em abril, o bloqueio foi de 30% da verba das universidades. E em julho outro decreto bloqueou R$ 348,47 milhões. Esse corte, segundo o governo, foi aplicado sobre gastos não obrigatórios, como água, luz, terceirizados, obras, equipamentos e realização de pesquisas.

Para reverter a situação dos cortes na educação, o MEC lançou o programa Future-se para reestruturar o financiamento do ensino superior público, visando ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário. As instituições poderão fazer parcerias público-privadas (PPP’s), ceder prédios, criar fundos com doações e até vender nomes de campi e edifícios, como em estádios. A Audiência Pública proposta por Veneziano também tratará sobre este tema

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Cientistas obtêm primeiro feijão-de-corda com múltiplas vagens

Nova cultivar poderá triplicar produtividade da cultura

Foto: Maurisrael Rocha

Após cruzamentos de dezenas de linhagens de feijão-de-corda, pesquisadores da Embrapa Meio-Norte (PI) obtiveram uma planta com várias vagens por pedúnculo, o que permitiu comprovar o potencial de multiplicar a produtividade da leguminosa. A previsão de lançamento das primeiras cultivares é 2022. Os cientistas trabalham agora no desenvolvimento de uma planta com ciclo precoce e capaz de produzir pelo menos três vezes mais que as variedades encontradas no mercado.

O feijão-de-corda (Vigna unguiculata), também conhecido como feijão-caupi e macassar, possui inflorescência simples, com apenas uma vagem por pedúnculo. O objetivo dos pesquisadores com o melhoramento genético é obter uma planta com múltiplas vagens, ou de inflorescência composta, característica de leguminosas de alta produtividade como soja, feijão comum e grão-de-bico, que possuem de quatro a oito vagens por pedúnculo.

O estudo abre caminho para uma revolução no cultivo do feijão-de-corda e está na fase final de seleção de linhagens para que sejam conferidas a produtividade e adaptabilidade delas em diferentes regiões do País. A ideia dos cientistas é reduzir agora o comprimento do pedúnculo da planta, dando mais fôlego para ela desenvolver vagens, grãos e apresentar bom porte.

“Esperamos triplicar a produção com essa nova tecnologia”, acredita o pesquisador da Embrapa Meio-Norte (PI) Maurisrael Rocha, informando que uma das oito metas de inovação tecnológica do Centro de Pesquisa até 2030 é contribuir para um aumento de 50% nas exportações da leguminosa.

Potencial de produtividade comprovado

O trabalho avançou com a avaliação das linhagens resultantes do segundo ciclo de cruzamentos, em um experimento com as cultivares comerciais BRS GuaribaBRS CauaméBRS Novaera e BRS Tumucumaque. No segundo estudo, durante dois anos, as plantas descendentes dos cruzamentos foram avaliadas novamente com as mesmas cultivares e a Bico de Ouro. Esta, uma cultivar sem identidade genética adotada pelos agricultores de Mato Grosso. Foi nesse último ensaio que ficou comprovado que a inflorescência composta aumenta o potencial de produtividade no feijão-de-corda.

Rocha, que conduz a pesquisa no Piauí, conta que até agora a equipe selecionou 60 linhagens. “Foram 11 anos de pesquisas, coordenadas pelo cientista Francisco Freire Filho, até atingirmos essa fase de linhagens”, lembra Rocha. Na fase intermediária, este ano, ocorre a instalação de experimentos em três ambientes. O Mato Grosso, que lidera a produção de feijão-caupi no País, abrigará um deles.

Em seguida, segundo o protocolo científico, as pesquisas se darão em vários estados com Valor de Cultivo e Uso (VCU), padrão de ensaio exigido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

“Ganha a ciência e lucra o produtor. Os frutos dessa pesquisa trarão melhores resultados em menor tempo, com acréscimo de lucratividade”, analisa o pesquisador Antônio Félix da Costa, do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em Recife. Ele acredita que o resultado vai contribuir para o aumento da área plantada e da produção, provocando o aumento das exportações brasileiras de feijão-de-corda.

O pesquisador Aloisio Alcântara Vilarinho, da Embrapa Roraima (RR), que atua na rede nacional de melhoramento genético do produto, também vê perspectiva de sucesso. “Enxergo um grande potencial nessa tecnologia e ganhos produtivos substanciais”, prevê.

No entender do cientista, com a nova tecnologia o País terá impactos positivos na produtividade média nacional, que hoje é em torno de 400 quilos por hectares, e tida como muito baixa para o potencial da cultura. “Se isso realmente ocorrer, teremos reflexos positivos também no custo de produção, que reduzirá com o aumento da produtividade”, prevê. Vilarinho aposta ainda nos ganhos com as exportações, já que o produto chegará ao mercado internacional com preços mais competitivos.

Cultivar abriu exportação para Índia e Israel

Ao longo de 31 anos, o Programa Nacional de Melhoramento Genético do Feijão-Caupi, conduzido pela Embrapa Meio-Norte, vem dando seguidos saltos de inovação tecnológica. O marco da grande produção que levou o Mato Grosso a ser o maior exportador foi a cultivar BRS Guariba, que abriu mercados como os da Índia e de Israel. As cultivares BRS Novaera e BRS Tumucumaque têm conseguido fortalecer o braço exportador brasileiro de feijão.

As cultivares desenvolvidas pela Embrapa com grande performance produtiva, em regime de sequeiro, são: BRS Itaim (produtividade média: 1.500 kg/ha – Cerrado e Amazônia), BRS Guariba (produtividade média: 1.300 kg/ha – Cerrado, Amazônia e Caatinga), BRS Imponente (produtividade média: 1.250 kg/ha – Cerrado e Amazônia), e BRS Tumucumaque (produtividade média: 1.100 kg/ha – Cerrado, Amazônia e Caatinga).

Feijão-de-corda (caupi) BRS Xiquexique, desenvolvido por pesquisadores da Embrapa. Foto: Daniel Medeiros

Tecnologia contra a subnutrição

O programa, segundo Rocha, tem conseguido também grandes avanços na qualidade nutricional dos grãos, o que resultou no desenvolvimento de cultivares com altos teores de proteínas, ferro e zinco. As cultivares BRS Aracê, BRS Tumucumaque e BRS Xiquexique, vitrines do Projeto BioFort, têm grande aceitação pelos agricultores familiares do Piauí e Maranhão, estados com históricos de subnutrição. Hoje, pelo menos 6.500 famílias cultivam essas variedades na região meio-norte.

O governo do Maranhão, por meio do Programa Mais Produção, tem priorizado as variedades biofortificadas e alcança hoje 1.280 famílias. Segundo o pesquisador, desde 2017, a adoção da cultivar BRS Aracê vem incrementando a produtividade e a renda dos agricultores, gerando impactos econômicos, sociais e ambientais positivos.

A concentração de esforços da equipe de pesquisadores está hoje avançando na melhoria da qualidade culinária dos grãos, principalmente no tempo de cozimento. “É importante que os grãos levem menos tempo para ficar no ponto de consumo, porque assim o custo de preparo é menor também”, diz Rocha.

Feijão exportado para 68 países

Em 2018, o Brasil foi mais longe nas exportações de feijão em geral, alcançando 68 países com 162,4 mil toneladas, segundo o Ministério da Economia. O faturamento foi de US$ 91,6 milhões. Os países que mais importaram o nosso feijão foram a Índia, Vietnã, Paquistão, Egito e Venezuela.

Pelo menos 85% dessas exportações são de feijão-caupi e originários de cultivares desenvolvidas pela Embrapa. Segundo ainda dados do mesmo ministério, em 2017 as exportações de feijão feitas pelo Brasil somaram 122,5 mil toneladas, com um faturamento de US$ 80,1 milhões.

Em 2018, a produção de feijão no País quase alcançou a marca de três milhões de toneladas. Segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram produzidas 2,973 milhões de toneladas em uma área colhida de 2,980 milhões de hectares. O Centro-Oeste, Nordeste e Norte continuam sendo as regiões que mais cultivam o feijão-caupi.

Assessoria de Imprensa – Embrapa Meio-Norte