Categoria Brasil

porAutor

Na tribuna, Senador Raimundo Lira destaca a vitória de Jair Bolsonaro em cidades do Nordeste

Em discurso na tribuna do Senado Federal, o Senador Raimundo Lira (PSD-PB) destacou que as populações das capitais e de outras grandes cidades do Nordeste deram a vitória ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Lira citou, entre outras, Campina Grande, onde Bolsonaro obteve mais de 50% dos votos válidos.

Lira parabenizou os nordestinos que, segundo ele, escolheram de forma independente e coerente os seus candidatos. O Senador disse que Bolsonaro teve um desempenho extraordinário nas capitais, citando Recife, Salvador, Aracaju, Maceió, Natal e Fortaleza. Ele agradeceu aos nordestinos os votos dados ao candidato do PSL e disse que estas capitais vão influenciar, de forma positiva, as cidades do interior do Nordeste.

O Senador também negou que Bolsonaro tenha a intenção de modificar a legislação referente ao décimo-terceiro salário e às férias, afirmando que não há a menor possibilidade de que isso venha a ocorrer. “O décimo-terceiro e as férias são absolutamente intocáveis, ninguém tem o direito de mexer com esses direitos do trabalhador”.

Ele finalizou afirmando que no dia 28 os brasileiros irão escolher entre dois modelos distintos: um capitalista, de livre mercado, em que o Brasil vai procurar fazer acordo com todos os países, independente da cor ideológica; e um tipo de governo mais ligado à força do estado. “Eu sou defensor da corrente do liberalismo, que é o que deu certo no mundo, deu certo na Alemanha, na Inglaterra, na Austrália, no Canadá, nos Estados Unidos, que tem dado certo para a Coréia do Sul, Nova Zelândia”.

30 anos da Constituição – O Senador Raimundo Lira também registrou os 30 anos da Constituição, completados neste mês de outubro, e lembrou que, como Senador Constituinte, participou da elaboração da Carta Magna do País, apresentando 22 emendas, das quais, 11 foram aprovadas.

Assessoria de Imprensa

porAutor

Concluída a totalização de votos do 1º turno das Eleições 2018

Presidência da República e governos do Distrito Federal e de outros 13 estados terão nova votação no dia 28 de outubro

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu a apuração dos votos do primeiro turno das Eleições 2018 às 21h20 de segunda-feira (8). Do total de 147.306.295 eleitores, 117.364.560 compareceram às urnas, número equivalente a 79,67%. Os votos válidos totalizaram 107.050.673, equivalentes a 91,21%. A abstenção alcançou 29.941.265 e representou 20,33%. O total de votos nulos foi de 7.206.205, equivalentes a 6,14%, e os votos brancos somaram 3.106.936 (2,65%). Foram apuradas 454.490 urnas, a última delas na cidade de Houston, nos EUA.

Pelos resultados, será realizado um segundo turno de votação para o próximo presidente da República ser conhecido, assim como os governadores de 13 estados (Amazonas, Amapá, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Rio Grande do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Sergipe, Roraima, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo) e do Distrito Federal. A próxima votação acontece no dia 28 de outubro.

No primeiro turno das eleições presidenciais, o candidato que recebeu o maior número de votos foi Jair Bolsonaro, da Coligação Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos (PSL-PRTB), com 49.276.990 (46,03%). Ele disputará o segundo turno com Fernando Haddad, da Coligação O Povo Feliz de Novo (PT-PCdoB-PROS), que obteve 31.342.005 (29,28%).

Consulte o Resultado das Eleições.

TSE

porAutor

Partidos anunciam apoio à Haddad e Bolsonaro no 2º turno

Oito siglas já se manifestaram até o momento

Com segundo turno marcado para 28 de outubro, partidos derrotados nesta eleição começaram a definir se apoiam Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT) ou se adotam posição neutra.

O primeiro partido a se manifestar foi o de Guilherme Boulos. A Executiva Nacional do PSOL declarou que irá apoiar o candidato do PT. Já o Partido Trabalhista Brasileiro, o PTB, divulgou nota nesta terça-feira (9) anunciando apoio a Bolsonaro. Segundo a sigla, as propostas econômicas do candidato do PSL são o principal motivo do apoio.

O PSB, que não teve candidato à presidência no primeiro turno, declarou apoio à Haddad. A cúpula da legenda também resolveu liberar os diretórios regionais de São Paulo e do Distrito Federal, onde os candidatos Márcio França e Rodrigo Rollemberg, respectivamente, disputarão o segundo turno ao governo estadual.

O PPL, partido de João Goulart Filho, também declarou apoio a Haddad. O filho de Jango disse que o país corre um “grande risco” diante da possibilidade de Bolsonaro se eleger no segundo turno. Os partidos que decidiram adotar posição de neutralidade foram o Novo, o PP e o Democracia Cristã.

O presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, anunciou que o partido decidiu liberar os seus militantes e líderes para apoiar quem quiserem. Segundo o tucano, as pessoas que compõem a legenda podem “decidir de acordo com sua consciência, com sua convicção e com a realidade de seus estados.”

O Novo declarou, em nota nas redes sociais, que é “absolutamente” contrário ao PT por considerar as ideias e práticas opostas às da sigla.

Ciro Gomes, terceiro candidato mais votado no primeiro turno, declarou que não irá apoiar Jair Bolsonaro. O presidente do PDT, Carlos Luppi, disse que a legenda ‘jamais’ estará com Bolsonaro e sugere ‘apoio crítico’ a Haddad.

Com colaboração de Juliana Gonçalves, reportagem Tácido Rodrigues

 

porAutor

Marcondes Gadelha vai à reunião do PSC e vê partido 90% fechado com Bolsonaro

O deputado federal Marcondes Gadelha (PSC) revelou, nesta terça-feira (9) que está indo à Brasília atendendo convocação da executiva nacional do partido. Em pauta, está o apoio dos socialistas cristãos a Jair Bolsonaro (PSL) para o segundo turno das eleições presidenciais.

De acordo com Gadelha, há grande possibilidade de o apoio ser anunciado até esta quinta-feira (11). Em contrapartida, Bolsonaro deve marchar junto com o candidato ao Governo do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

“90% de probabilidade de apoiar Bolsonaro. Vamos a reunião da executiva para definir esse assunto lá”, disse.

Com wscom

porAutor

Eleições presidenciais repercutem na imprensa internacional

O resultado do primeiro turno das eleições presidenciais no Brasil é destaque nos principais jornais do mundo hoje (8). Em manchetes que ocuparam espaços privilegiados nas primeiras páginas, a imprensa internacional ressaltou a surpresa com a conquista de Jair Bolsonaro (PSL), que obteve quase metade dos votos entre os eleitores.

O “choque” de grande parte dos brasileiros diante do número foi o tom da matéria do The Washington Post. A reportagem destaca que a campanha de Bolsonaro dividiu a maior nação da América Latina ao longo de linhas raciais e de gênero e lembrou que, muitas vezes, o candidato do PSL é comparado ao presidente norte-americano Donald Trump.

O The New York Times destacou que “o candidato de extrema direita que falou com carinho da antiga ditadura militar do Brasil e teceu comentários ofensivos sobre mulheres, negros e gays chegou perto de uma vitória na eleição presidencial de domingo.”

A matéria revela, ainda, o atual cenário brasileiro marcado pela repulsa da população à política e de defesa do combate à criminalidade e corrupção.

Em tom mais ameno, a emissora pública BBC, do Reino Unido, estampa em sua página na internet a disputa, em segundo turno, entre Bolsonaro e Fernando Haddad, marcada para 28 de outubro.

O mexicano La Jornada destaca a “distância confortável” que Bolsonaro teve em relação a Haddad. Segundo o jornal, “será difícil para a esquerda reverter o resultado na eleição presidencial.”

O jornal aponta as várias surpresas negativas para a esquerda durante o pleito, citando as derrotas para o Senado do veterano Eduardo Suplicy, por São Paulo e, em Minas Gerais, da ex-presidente Dilma Rousseff.

Vizinhos

Entre jornais sul-americanos, o argentino Clarín, de Buenos Aires, estampa a manchete “Jair Bolsonaro varre o Brasil e fica com ampla vantagem para a votação com Fernando Haddad”.

O jornal destaca que o ex-capitão do Exército fechou o score com uma diferença de quase 17 pontos, o que pode revelar uma tendência sobre o segundo turno.

O periódico também veiculou a mensagem transmitida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aos seus seguidores, na qual afirma que o Brasil caminha para “o diálogo e respeito” e aposta que “a esperança superará o ódio”.

Europa

O jornal português Diário de Notícias mostra um “Brasil partido ao meio” e destaca que faltou pouco para o candidato Jair Bolsonaro vencer em primeiro turno. O jornal Público também estampou que o Brasil deixou Bolsonaro com um pé na presidência.

Mais crítico, o francês Le Monde descreve a conquista da maior parte dos votos pelo candidato “nostálgico da ditadura militar, às vezes rude, racista ou homofóbico”.

Lembra, ainda, o momento em que os holofotes da política se viraram para Bolsonaro, durante a sessão no Congresso, em abril de 2016, quando, ao votar a favor do impeachment de Dilma Rousseff (PT) ,dedicou sua escolha “em memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra”, acusado de ser um dos torturadores da ditadura militar.

El País, da Espanha, reservou o maior espaço ao assunto entre todas as publicações, classificando o resultado como uma “onda conservadora que tomou o país e garantiu ampla vantagem a Bolsonaro no segundo turno para se tornar o próximo presidente do Brasil.”

A publicação ressalta a polarização aguda entre os presidenciáveis, comparando com “água e óleo” e considera o pleito como uma das eleições mais emocionantes da história democrática.

Barricada

O jornal espanhol também traz manchetes com o posicionamento da região Nordeste, “a barricada do PT” e as perdas do partido de esquerda como a derrota de Dilma Rousseff ao Senado por Minas Gerais. Os tucanos também aparecem nas matérias do El País, que destaca derrotas como no comando do estado de Mato Grosso e a luta por votos que o PSDB ainda espera conquistar em seis estados.

O inglês The Times mostrou que “o Brasil chegou perto de eleger um presidente de extrema direita” revelando uma onda de apoio ao populista, considerado a resposta da América Latina a Donald Trump”.

Também da Inglaterra, o The Guardian lembra que Bolsonaro venceu em número de votos, mas não teve ainda a vitória e comparou a campanha “improvável e eletrizante do candidato de extrema-direita a “qualquer telenovela brasileira”.

O italiano L`Opinione e, na Alemanha, a Deutsche Welle (DW), lembraram que o Brasil terá que definir o futuro presidente em um segundo turno e destacaram os percentuais de votos dos dois presidenciáveis.

O mesmo destaque foi dado pelo China Daily, do outro lado do mundo.

Agência Brasil

porAutor

Romero Rodrigues deixa Alckmin e anuncia apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), anunciou na tarde da última sexta-feira (05), em suas redes sociais que não seguirá o partido no apoio à candidatura de Geraldo Alckmin à presidência da República e desta forma optou por apoiar o candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Por meio do comunicado, Romero declarou que sua escolha é independente de cor partidária e que levou em consideração a concordância dentro do seu arco de alianças do que segundo ele, será o melhor para Campina.

Confira:

Meus Amigos e minhas Amigas,

Desde o início desta campanha tenho sido perguntado, em todos os locais aonde vou e também em minhas redes sociais, sobre meu voto para Presidente.

Apesar de ter em meu partido a candidatura de Geraldo Alckmin, um dos mais competentes e bem sucedidos administradores públicos do Brasil, mantive o respeito aos outros partidos da coligação Força da Esperança e não atuei no sentido de promover qualquer candidatura até agora, mas entendi desde o início ser necessário posicionar-me a partir do momento em que pudéssemos todos concordar sobre qual seria a candidatura, dentro do nosso arco de alianças, mais comprometida com Campina Grande e com a Paraíba.

Isso tem a ver, sobretudo, com a defesa que sempre fiz, independente de cor partidária ou grupo político, da nossa Campina Grande e da nossa Paraíba, que já sofreram tantas perdas com a perseguição de governos que não souberam separar os momentos eleitorais dos administrativos e penalizaram nossa gente a partir de seus interesse políticos particulares.

Meses atrás, em encontro com o então pré-candidato Jair Bolsonaro, recebi dele e dos mais altos dirigentes do PSL o compromisso de que em seu governo nós teremos acesso livre ao Palácio do Planalto e a todos os Ministérios para levar as demandas de Campina Grande e da Paraíba, reconhecendo Bolsonaro o trabalho que temos feito à frente da Prefeitura de Campina Grande e a nossa capacidade administrativa, que poderá servir de base, inclusive, para ações e projetos em âmbito nacional.

A partir da atual conjuntura, por respeito às pessoas e pelo compromisso fundamental de não me abster do processo político nacional, considerando imprescindível a participação de toda a população nestas eleições e a responsabilidade de todos os atores políticos neste momento, venho declarar publicamente o meu apoio, ainda no primeiro turno, ao candidato Jair Bolsonaro, pelos compromissos assumidos com Campina Grande e com a Paraíba.

Votarei 17 no primeiro turno e trabalharei para que no segundo turno Bolsonaro seja muito bem recebido na Paraíba e seus eventos de campanha em nosso estado sejam os maiores que a Paraíba já viu, com a Força da Esperança e a expectativa de um Brasil melhor para todos.

Campina Grande, Paraíba e Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.

porAutor

Lula pede voto em Haddad como presente de aniversário

PT divulgou carta escrita à mão pelo ex-presidente que completa 73 anos neste sábado (6)

Por meio de uma carta escrita à mão, Lula pediu como presente de aniversário que o povo brasileiro vote neste domingo, 7, em Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência. O ex-presidente comemora seu nascimento no dia 6, sábado.

Uma fotografia do documento foi publicada no perfil oficial de Lula no Twitter. Haddad compartilhou a postagem em suas redes sociais com uma resposta ao ex-presidente: “Amanhã se completam 73 anos do nascimento do maior líder brasileiro da História”.

“Ao meu querido povo brasileiro,

Dia 06 de outubro é meu aniversário oficial. Espero ganhar de presente no dia 07 de outubro o voto do povo brasileiro no Haddad para Presidente. Haddad é 13. Haddad é Lula.

Um grande abraço do Lula

Sem medo de ser feliz”

Terra

porAutor

Em entrevista exclusiva, Bolsonaro parabeniza o ex-ministro Antonio Palocci por delações

Entrevista teve que ser parada duas vezes pelo enfermeiro do candidato

Em entrevista exclusiva para o Jornal da Record, na noite desta quinta-feira (5) o candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, fez várias críticas ao PT e parabenizou o ex-ministro Antonio Palocci pelas declarações que fez em delação premiada.

Segundo o presidenciável, Palocci está tentando “diminuir o dano ocasionado ao Brasil” pelas gestões dos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

“Não podemos deixar que um partido que mergulhou o Brasil na mais profunda crise ética, moral e econômica volte ao poder com as mesmas personalidades. Você pode ver tudo é conduzido de dentro da cadeia pelo senhor Lula que indica aí um fantoche seu chamado Haddad.”

A entrevista desta quinta-feira aconteceu no mesmo horário do debate promovido pela TV Globo. Líder nas intenções de voto, Bolsonaro não compareceu ao embate por “determinações médicas”.

A entrevista à Record foi realizada na casa do presidenciável, durou aproximadamente 20 minutos e foi interrompida duas vezes pelo enfermeiro do candidato. O proprietário da emissora, o bispo Edir Macedo, manifestou na última terça-feira (2) apoio ao candidato.

Bolsonaro se defendeu das constantes acusações que tem sofrido de homofobia, racismo e machismo. Ele afirmou que a esquerda sempre tentou separar os brasileiros em “castas”, inclusive, filhos contra pais.

Para Bolsonaro, a “lei da palmada”, que proíbe o uso de castigos físicos ou tratamentos cruéis e degradantes contra crianças, divide famílias.

Reportagem: Geovanna Gravia

 

porAutor

Número de reclamações contra serviços de telecomunicações cai 18,8% em um ano

Com redução de 24,2% nas reclamações, as empresas de TV por assinatura foram as que apresentaram os melhores resultados

Foto: EBC

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel, entre agosto de 2017 e o mesmo mês deste ano, ocorreu uma redução nas queixas de usuários de banda larga, telefone fixo e móvel e TV por assinatura de 18,8%.

Neste ano, o número de reclamações chegou a 250 mil e seiscentos, o que representa 58 mil a menos do que há um ano.

Com redução de 24,2% nas reclamações, as empresas de TV por assinatura foram as que apresentaram os melhores resultados. Depois vem a telefonia fixa, com queda de 21,7% e a telefonia móvel, com 18,8%. Já os serviços de banda larga tiveram retração de 9,7% nas queixas.

Reportagem: Cintia Moreira

 

porAutor

Palmeiras e São Paulo duelam pela liderança do Brasileirão. Confira os confrontos da 28ª rodada

Confira os confrontos da 28ª rodada

Acharam que as eleições iam cancelar a rodada do Brasileirão? Deixem de besteira, minha gente. Vai ter futebol sim, menos no domingo que é dia de cumprir nosso papel enquanto cidadão e irmos às urnas.

A bola começa a rolar já nesta sexta, abrindo a 28ª rodada, para você que não vai para a balada e quer ter uma diversão em casa. Amargando a penúltima posição, com quatro derrotas e um empate nos últimos cinco jogos, o Sport vai tentar se recuperar diante do Internacional, que está em segundo lugar, perseguindo o líder Palmeiras.

Reeditando a semifinal da Copa do Brasil, o Corinthians pega o Flamengo em casa. Dessa vez, três pontos em jogo. Fechando a sexta feira, o Vitória joga contra o Santos na luta para sair da zona da degola, enquanto o Peixe quer encostar na zona de classificação para a Libertadores.

Já no sábado, clássico valendo a liderança. O terceiro colocado, São Paulo, enfrenta o líder Palmeiras no Morumbi. Apenas um ponto separa as duas equipes na classificação. Em Santa Catarina, a Chapecoense tenta escapar da 18ª posição, mas vai ter que bater de frente com o Atlético Mineiro.

O líder Palmeiras encara o São Paulo fora de casaAtlético Paranaense e Américas de Minas jogam na Arena da Baixada, enquanto Grêmio e Bahia se enfrentam em Porto Alegre fechando a série de jogos do fim de semana.

Reportagem: Raphael Costa