Categoria Internacional

porAutor

Ato contra o governo reúne milhares de pessoas em Roma

Encurralado, PD busca formas de se recuperar

Ato contra o governo reúne milhares de pessoas em Roma

Derrotado nas eleições de 4 de março, o centro-esquerdista Partido Democrático (PD) realizou neste domingo (30) uma manifestação na Piazza del Popolo (Praça do Povo), no centro histórico de Roma, para tentar iniciar seu renascimento e protestar contra o governo.

Após meses de divergências entre suas lideranças, a legenda conseguiu reunir dezenas de milhares de pessoas – 70 mil, segundo a organização -, além de seus principais expoentes, os ex-primeiros-ministros Matteo Renzi e Paolo Gentiloni, o ex-ministro do Desenvolvimento Econômico Carlo Calenda e o atual secretário da sigla, Maurizio Martina.

“Essa é uma praça que pede união, mas sobretudo uma praça que diz que existe um povo que rechaça o governo dos perdões fiscais e dos subsídios. Provavelmente eles ainda são maioria, mas há uma parte do país que diz ‘não’ às medidas de assistencialismo”, declarou Renzi.

O ex-premier fazia referência à lei orçamentária para 2019, que incluirá uma elevação do déficit para financiar promessas eleitorais, como a renda de cidadania, que pagará subsídios para pessoas desempregadas, e a renegociação de dívidas tributárias.

Antes de chegar a Roma, Renzi havia escrito no Facebook que o PD precisa superar as divisões internas e organizar “formas de resistência civil contra a deriva venezuelana” dos vice-primeiros-ministros Luigi Di Maio (M5S) e Matteo Salvini (Liga).

“Me parece um bom renascimento não apenas para o PD. Vi muita gente que não é do PD, mas quer se opor a esse governo populista”, declarou Calenda, um liberal de história recente no partido, mas que se tornou um de seus quadros mais populares.

“Fazia 25 anos que eu não ia a uma manifestação”, revelou.    Depois de ter governado a Itália por cinco anos, com três primeiros-ministros diferentes (Enrico Letta, Renzi e Gentiloni), o PD sofreu uma dura derrota nas eleições de março, alcançando menos de 20% dos votos e se reduzindo à terceira força do Parlamento, atrás do M5S e da Liga.

ANSA

porAutor

Tufão deixa mais de 70 feridos e afeta transportes no Japão

Dezenas de milhares de pessoas receberam ordens de evacuação.

Tufão deixa mais de 70 feridos e afeta transportes no Japão

Um potente tufão atingiu o Japão neste domingo (30), causando transtornos e o cancelamento de voos e viagens de trens por causa de chuvas torrenciais, fortes ventos e inundações.

As autoridades já contabilizam mais de 70 feridos, porém não há registros de mortes. O tufão, chamado “Trami”, chegou ao arquipélago pelo sudoeste e causou alagamentos na ilha de Kyushu.

As ordens de evacuação englobam dezenas de milhares de pessoas, segundo a emissora “NHK”. Centenas de voos foram cancelados em aeroportos por todo o país, incluindo os de Narita e Haneda, nos arredores da capital Tóquio. Trami deve seguir em direção ao norte nesta segunda-feira (1º).

No início de setembro, o Japão já havia sido atingido pelo tufão Jebi, o mais potente em 25 anos e que deixou 11 mortos. Além disso, em julho, deslizamentos e enchentes fizeram 221 vítimas no arquipélago.

ANSA

porAutor

Dia de Luta pela Descriminalização do Abroto na América Latina e Caribe acontece com festival na Paraíba. Confira!

O dia (28) de setembro é o Dia de Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina e Caribe. Nesta data acontecerá o Festival Pela Vida das Mulheres na Paraíba a partir das 14h na Lagoa (Parque Sólon de Lucena).

A cada dois dias uma mulher morre no Brasil por causa de complicações decorrentes do aborto inseguro, sendo a maioria pobre e negra. Precisamos refletir e encarar o aborto não enquanto crime, mas como uma questão de saúde pública e de garantia dos direitos sexuais, reprodutivos e de vida das mulheres.

No intuito de dialogar e integrar a sociedade sobre essas questões, O Festival Pela Vida das Mulheres na Paraíba promove dia 28 de setembro oficinas, rodas de diálogo, feira de artesanatos, performances, coleta de material reciclado, além de manifestações culturais e artísticas.

Convidamos as mulheres para participar juntas conosco deste momento.

Evento: Festival Pela Vida das Mulheres na Paraíba

Local: Lagoa (Parque Sólon de Lucena)

Horário: 14h às 19:30h

PROGRAMAÇÃO

14h – Abertura

14h15 – Performance

14h30 – Roda de diálogo – Pela vida das mulheres: memória e aspectos legais.

15h30 – Oficina de autocuidado – Cuidando “dela”!

16h30 – Roda de diálogo – Saberes ancestrais e o direito ao nosso corpo.

17h/19h – Apresentações artísticas e culturais (Cineclube e Sarau Selváticas – Anna Apolinário e Aline Cardoso).

Artistas: Val Donato, Matriarcaos, Regina Limeira, As Marias, Gláucia Lima, Cida Alves, DJ Isa Queiróz e Mebi’ah, Marta Sanchis, Gatunas, Kátia Eulília e Coco das Manas.

19h30 – Cortejo com Batuqueiras.

 

Juntas somos mais! É pelas nossas vidas!

 

Assessoria do Movimento

porAutor

Tite divulga convocados para amistosos contra Arábia Saudita e Argentina

Jogos serão disputados nos dias 12 e 16 de outubro

O técnico Tite fez nova convocação para os amistosos que o Brasil terá contra Arábia Saudita e Argentina. Na lista dos convocados, quatro novidades na escolha dos jogadores: Phelipe, goleiro do sub-20 do Grêmio, Pablo, zagueiro do Bordeaux, Wallace, volante do Hannover e medalhista olímpico pela seleção, e Malcolm, atacante do Barcelona.

A nova lista de Tite também marca a volta de atletas como Danilo, Marcelo, Miranda, Renato Augusto e Gabriel Jesus, que jogaram a Copa do Mundo na Rússia e não estiveram presentes na lista dos amistosos contra Estados Unidos e El Salvador.

Com relação a essas duas últimas partidas, Richarlison e Arthur, que foram destaques, apareceram novamente entre os convocados. Depois de prejudicar os times brasileiros que disputam a Copa do Brasil, a comissão técnica decidiu não chamar jogadores que atuam por Fla, Corinthians, Cruzeiro e Palmeiras.

Os jogos contra Arábia Saudita e Argentina serão disputados nos dias 12 e 16 de outubro.

Goleiros

Alisson – Liverpool

Ederson – Manchester City

Phelipe – Grêmio

Defensores

Alex Sandro – Juventus

Danilo – Manchester City

Éder Militão – Porto

Fabinho – Liverpool

Marquinhos – PSG

Marcelo – Real Madrid

Miranda – Internazionale

Pablo – Bordeaux

Meias

Arthur – Barcelona

Casemiro – Real Madrid

Fred – Manchester United

Philippe Coutinho – Barcelona

Renato Augusto – Beijing Guoan

Walace – Hannover

Atacantes

Everton – Grêmio

Firmino – Liverpool

Gabriel Jesus – Manchester City

Malcom – Barcelona

Neymar – PSG

Richarlison – Everton

Reportagem: Raphael Costa

porAutor

The Economist estampa Bolsonaro na capa: “Mais recente ameaça da América Latina”

Revista norte-americana classifica o presidenciável como autoritário e ressalta ataque ao candidato

A revista norte-americana The Economist trouxe nos exemplares de setembro o candidato do PSL à presidência da República, Jair Bolsonaro, como destaque. Na capa, uma foto do presidenciável com os dizeres “Jair Bolsonaro, mais recente ameaça da América Latina”.

O artigo ressalta a atual crise política e econômica vivida pelo Brasil e diz que, caso Bolsonaro vença as eleições de outubro, a situação tem risco de ficar ainda pior. A revista afirma que o capitão reformado era apenas mais um deputado no Congresso brasileiro antes das denúncias da Lava Jato, e ganhou força com os desdobramentos dos escândalos de corrupção.

O texto lembra casos polêmicos envolvendo Bolsonaro, que vão desde o episódio com a deputada Maria do Rosário (PT-RS) até declarações hostis contra o público LGBT e negro. Aponta ainda que o presidenciável tem em sua equipe de governo um liberal para ficar à frente da economia.

Ao citar a posição de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto, a revista lembra que o ataque sofrido pelo candidato deu ainda mais força na corrida presidencial. Ao citar o estilo autoritário do candidato, o The Economist ressalta a admiração do presidenciável por Augusto Pinochet, ditador chileno que esteve no poder entre 1973 e 1990.

No final, o artigo lembra que o Brasil tem avançado em algumas questões, como a proibição de doação de dinheiro por empresas para campanhas eleitorais, mas que ainda precisa melhorar, e que Bolsonaro não é a pessoa que vai recolocar o Brasil no rumo do crescimento.

 

Reportagem: Thiago Marcolini