Presidente do Stiupb destaca empenho do governador da Paraíba contra privatização da Cagepa

porpjbarreto

Presidente do Stiupb destaca empenho do governador da Paraíba contra privatização da Cagepa

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (Stiupb), Wilton Maia Velez, enalteceu o empenho do governador da Paraíba, João Azevêdo, de se unir à causa urbanitária que luta para barrar Projeto do Governo Federal (PLV 8/2019), que objetiva privatizar serviços de saneamento e de água em todo o País.

Para Wilton Maia, a postura do governador não lhe causa surpresa, já que mesmo antes de assumir o Governo, João Azevêdo já havia assumido que não iria privatizar os serviços da Cagepa, durante encontro com os trabalhadores no próprio Stiupb.

“Temos um Governo que desde a gestão do então Governador Ricardo Coutinho já tinha saído em defesa da Cagepa e contra processos de privatizações em empresas públicas. Essa luta não é de hoje, mas desde o período quando o prefeito Romero Rodrigues enviou Projeto de Lei à Câmara para privatizar quase tudo na Prefeitura, inclusive os serviços da Cagepa. Conseguimos, com apoio dos trabalhadores, abortar essa iniciativa, mas ainda esse risco bate à nossa porta”, destacou Wilton Maia.

POSIÇÃO DO GOVERNO – No último dia 09, O governador se reuniu com o presidente da República e ministros do Governo Federal, além de outros governadores da região Nordeste e, na ocasião, expôs sua preocupação em relação à gestão das águas da transposição do Rio São Francisco e à Medida Provisória 868/18, que prevê a privatização do sistema de saneamento básico.

Após a reunião, João Azevêdo apontou a necessidade de se rever a Medida Provisória 868. “Esse texto que prevê a privatização das Companhias precisa ser revisto com o diferencial e as características de cada Estado, principalmente os Estados da Paraíba, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte, que são beneficiados com a transposição do Rio São Francisco. Precisamos saber como fica essa relação, o tratamento dos recursos que serão pagos à Codevasf, quem vai arcar com isso, ou seja, há a necessidade efetiva de se ter um tratamento e uma discussão mais detalhada”, observou.

Para o governador, alternativas para os Estados que não pretendem privatizar suas Companhias precisam ser apresentadas. “A Cagepa, por exemplo, é uma Companhia superavitária porque voltou a dar lucro nos últimos anos e, a partir do momento que se impõe, gera um problema muito grande, pois as empresas privadas buscarão os sistemas mais viáveis e se deixa de ter o subsídio cruzado, ou seja, sistemas de pequenas cidades que são inviáveis economicamente não terão interesse e são os que ficarão para as Companhias, o que tornará praticamente impossível porque você terá contas de água com benefício fiscal de R$ 10,00 a R$ 15,00 que passarão a R$ 40,00 ou R$ 50,00, impondo à população mais pobre uma condição para manter o sistema e ela não vai suportar”, avaliou.

Assessoria de Imprensa – Stiupb

Sobre o Autor

pjbarreto editor

1 comentário até agora

Guilherme FariaPostado em12:45 am - maio 16, 2019

Excelente artigo. Só informação de qualidade as que vem desse site, por isso que quando se trata de um assunto como esse, corro logo pra cá!

Deixe uma resposta