Categoria Vídeos

porpjbarreto

“Bacurau” entoa protesto a favor de vidas nordestinas esquecidas no sertão

Longa exibido na abertura do Festival de Cinema de Gramado, foi premiado no Festival de Cannes, em 2019

Foto: Divulgação

Após premiação no Festival de Cannes, “Bacurau” fez sua primeira exibição pública em solo brasileiro. No aclamado Festival de Cinema de Gramado, o longa dirigido pelos pernambucanos Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, foi aplaudido durante toda a passagem dos créditos finais.

O retrato do nordeste brasileiro tem se firmado a cada dia nas produções cinematográficas, e pode-se dizer que “Bacurau” realizou o trabalho com propriedade. O filme conta o cotidiano de um município que já nem se encontra no mapa, podendo-se dizer “esquecido” pelo restante do país.

Apesar de alguns personagens terem um papel mais significativo, nenhum deles é protagonista. Como o próprio nome já diz, o centro das atenções é a cidadezinha, que nem asfalto tem e é composta por pouco menos de 50 moradores.

Ao serem atacados por desconhecidos, os moradores de Bacurau se veem impelidos a lutar por sobrevivência. Cada morador executa o papel com maestria. Quem tem um papel de importância é o ator alemão Udo Kier (Melancolia), que por algum motivo está no sertão brasileiro. Ele interpreta um vilão bruto, mas que acaba respeitando alguns princípios pessoais.

A fotografia de Pedro Sotero em tons quentes e verdes tentou mostrar algo que pouco se vê nos longas que retratam o Nordeste do país. As plantas dão mais cor e vida em meio ao amarelo caloroso que parece desgastar os personagens. O contraste do tom de pele dos personagens, sejam eles pretos, pardos ou brancos, também contribui para uma fotografia ainda mais linda.

Parte importante do elenco, o ator Wilson Rabelo, que interpreta o professor Plínio no filme, comenta que se conectou com o personagem ao busca descobrir a origem de sua identidade como brasileiro. No início do longa, o personagem vê a própria mãe morrer e deixar um legado para os moradores da cidade.

“Em Bacurau, as pessoas têm uma maneira de integrar-se a partir das suas experiências. Eu me considero um educador, mais que um professor, um cidadão que troca seu conhecimento. O importante em Bacurau também para o Plínio é ser filho da Carmelita, que considero ser uma citação aos quilombos que existiam no Nordeste e são muito poucos referenciados. Considero o Plínio um representante do ‘quilombismo’ na região”, relembra o ator.

O curador do Festival de Cinema de Gramado, Marcos Santuário, explica a importância de ter um filme como “Bacurau”, que “provoque dentro do universo cinematográfico”. Para ele, o cinema brasileiro tem que dialogar com o melhor cinema feito em todo o mundo.

“No momento que o filme foi selecionado para Cannes já ficamos de olho, começamos o contato com Kleber, Juliano e a Emily, que é a produtora. Eles gostaram muito da experiência anterior que eles tiveram aqui com o filme Aquarius, a Sônia Braga também adorou estar aqui e foi homenageada naquele ano. A gente sabia que esse começo, neste ano, iria ser forte”, contou Rabelo.

A estreia do Bacurau em todas as salas de cinema brasileiras será no dia 29 de agosto. É um filme que vale a pena, faz refletir e dá até um gostinho de faroeste, com cenas de tiroteio e mortes sangrentas.

 

Repórter Sara Rodrigues – Agência do Rádio

porpjbarreto

Bolsonaro volta a pautar Campina Grande em sua “live” semanal e confirma agenda para inauguração do Conjunto Aluízio Campos

O presidente da República Jair Bolsonaro, mais uma vez, durante sua participação no programa semanal transmitido pelas redes sociais do Palácio do Planalto(foto), deu destaque a Campina Grande. Na “live”, acompanhado do ministro Marcos Pontes, de Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovação, Bolsonaro renovou o compromisso em sua agenda de participar da inauguração do Conjunto Residencial Aluízio Campos.

Em sua fala sobre Campina Grande, o presidente lembrou que já esteve várias vezes na cidade, mandou um abraço para o prefeito Romero Rodrigues e confirmou que, em outubro próximo, prestigiará a inauguração do Aluízio Campos, “um conjunto habitacional muito grande”, destacou ele.

Bolsonaro, mantendo a característica de informalidade presente nas transmissões de seu programa pela internet, acompanhou a exposição de Marcos Pontes sobre os investimentos do governo federal no laboratório da UFCG e os planos de, já neste segundo semestre, tomando por base a estrutura já criada na UFCG criar o Centro de Tecnologia de Água na cidade. Na unidade, segundo Pontes, haverá incubadora de empresas e vários escritórios: para receber projetos, de fundos, patentes, certificação e gestão para empresas startups.

O presidente da República demonstrou o interesse de visitar o Laboratório de Referência em Dessalinização (LABDES), na Universidade Federal de Campina Grande.

Inauguração

O Conjunto Aluízio Campos, que conta com 4,1 mil unidades habitacionais, entre casas e apartamentos, será inaugurado no próximo dia 11 de outubro. Trata-se da maior obra de de habitação do Brasil nos últimos anos. É resultado de convênio entre o governo federal e a Prefeitura de Campina Grande. Nesta quinta-feira, 1, na pirâmide do Parque do Povo, no Centro, foi realizado o sorteio eletrônico público, entre os futuros mutuários do conjunto, para definição dos imóveis e suas respectivas localizações.

Assessoria de Comunicação – PMCG

porpjbarreto

Documentário conta trajetória do guardião da história de Cajazeiras

“Aguinaldo Rolim, o guardião das histórias de Cajazeiras”. Este é o título do documentário aprovado no edital do Fundo Municipal de Incentivo à Cultura (Fuminc) 2018, que será desenvolvido neste ano de 2019, numa iniciativa da Prefeitura Municipal de Cajazeiras através da Secretaria de Cultura e Turismo. A propositura é do cineasta Janduy Acendino Cassemiro de Assis.

O objetivo geral do projeto é homenagear Aguinaldo Rolim em vida, através de um documentário que mostrará sua trajetória ao longo do tempo de preservar um riquíssimo acervo histórico da cidade de Cajazeiras, detalhando onde ele guarda, qual importância da preservação de tantos arquivos, qual o sentimento de ser um dos únicos a ter tantos arquivos de pessoas importantes da cidade de Cajazeiras, seja na religião, na cultura ou na política.

Será um documentário de curta metragem, formato HD, tamanho 1920×1080, sobre o professor e pesquisador Aguinaldo Rolim. O documentário pretende mostrar a relação e o cuidado com o que mesmo guarda e preserva fotos, documentos e vídeos históricos da cidade de Cajazeiras.

A justificativa lembra que Aguinaldo Rolim é detentor, há décadas, do maior arquivo histórico da cidade, numa espécie de guardião de vários documentos escritos à mão, datilografados, impressos, fotos, vídeos e outros arquivos. Aguinaldo já produziu diversos documentários e realiza edições históricas de revistas e jornais locais, relembrando fatos marcantes da terra do Padre Rolim. O período de realização do documentário vai de maio a outubro deste ano.

Os investimentos em cultura do governo municipal para 2019 serão em torno de R$ 217 mil. No ano passado, os investimentos foram de R$ 130 mil. A Prefeitura Municipal de Cajazeiras, na atual gestão, foi a primeira a respeitar a lei de incentivo a cultura, ao repassar ao Fuminc o percentual de 2% da arrecadação do município, conforme a lei 1891/201X.

Secom-Cz

porpjbarreto

Abertura do mercado de gás pode derrubar preço em até 40%, diz Guedes

Bolsonaro assina decreto que cria Comitê de Monitoramento para o setor

O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (23), em cerimônia no Palácio do Planalto, o decreto que institui o Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural (CMGN), com o objetivo de estimular a competição no setor. A estatal Petrobrás detém o controle tanto da produção como da distribuição do gás natural no país, apesar deste monopólio ter sido quebrado na legislação em 1997. O objetivo do governo com essa política é concretizar a abertura para novas empresas, o que não ocorreu ainda.

“É uma quebra de dois monopólios, basicamente. O monopólio de produção e exploração de gás natural, como recurso básico, e também dos monopólios estaduais na distribuição”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Apesar de não cravar um número definitivo, Guedes disse que técnicos do governo estimam uma queda no preço do produto em até 40% em dois anos.

“Tem gente muito boa que estima em até 40% em dois anos a queda do preço do gás natural no Brasil. Nós temos certeza que o preço vai cair, porque nós vamos aumentar brutalmente a oferta, com um choque de investimentos no setor. Então, que o preço vai cair, vai, agora se vai cair 20%, 30%, 40% ou mais, não sabemos”, disse.

Preço mais alto

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o preço do combustível no Brasil, que é um dos grandes produtores mundiais, é um dos mais altos entre os 20 países mais ricos do mundo, superiores a países que não produzem o combustível, como o Japão.

“Apenas para citar alguns exemplos, enquanto nos Estados Unidos o gás entregue para as distribuidoras custa, em média US$ 3,13 por milhão de BTU [unidade de medida internacional de gás], aqui o preço está acima de US$ 10 por milhão de BTU. Maior do que os preços praticados no Japão, país que importa a totalidade do gás consumido”, disse Bento Albuquerque.

Impacto na indústria

Segundo o ministro, o alto custo tem um forte impacto na indústria, que tem um uso intensiva deste insumo.

“No caso particular do gás, o que se viu foi a configuração de um mercado concentrado, tanto na oferta quanto na comercialização, resultando no elevado preço do gás ofertado, afetando diretamente os custos das empresas nacionais frente aos seus competidores estrangeiros. Vale salientar que o gás natural impacta de forma significativa o segmento industrial, representando, em alguns casos, até 50% dos custos de produção”, disse.

O processo de desconcentração do mercado de gás ainda deve levar alguns anos para ocorrer. Um acordo entre a Petrobras e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que obriga a estatal a vender ativos na área de distribuição e transporte, por exemplo só deve ser concluído em 2021.

“Tem toda uma questão de resoluções que vem. Quebra de monopólio não vai ocorrer da noite para o dia”, disse Juliana Falcão, especialista em energia na Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo ela, os segmentos que mais devem se beneficiar com a redução do preço do gás são as indústrias química, de cerâmica, de vidro, siderurgia, alumínio e papel celulose. Nesses setores, o consumo de gás chega perto de representar 50% dos custos. “O custo do gás é muito alto quando você compara com outros países, então Brasil perdeu muita competitividade por conta dessa questão”.

Atribuição

O Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural terá como principal atribuição a proposição de medidas ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Segundo o governo, os pilares do programa são a promoção da concorrência, harmonização das regulações estaduais e federal no setor, estímulo à integração do setor de gás com os setores elétrico e industrial e remoção de barreiras tarifárias que impedem a abertura do mercado e a competição.

O colegiado será composto por membros da Casa Civil da Presidência da República e dos Ministérios da Economia, de Minas e Energia, do Cade, da ANP e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Saiba mais na TV Brasil: Governo lança programa para reduzir preço do gás natural

 

Agência Brasil

porpjbarreto

Brasil concorre a título de Cidade Criativa com quatro municípios

Prêmio da Unesco destaca práticas com foco no desenvolvimento social

Quatro municípios brasileiros concorrem, este ano, ao título de Cidade Criativa, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A certificação é uma forma de reconhecer práticas que coloquem as indústrias criativas e culturais a serviço do desenvolvimento social local. Três capitais – Belo Horizonte, Fortaleza e Aracaju – disputam nas categorias gastronomia, design e música, respectivamente, e o município interiorano de Cataguases, em Minas Gerais, na de cinema.

 Abertura oficial do 20º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental.
Uma das categorias do prêmio é cinema, na qual concorre o município mineiro de Cataguases – Arquivo/Agência Brasil

Além das quatro categorias,a disputa inclui as categorias artesanato, artes folclóricas, literatura e artes midiáticas. De acordo com a Unesco, a relação dos vencedores será anunciado no final do ano.

Com 15 anos de existência, a Rede de Cidades Criativas congrega 180 cidades de 72 países, das quais oito estão no Brasil. Belém e Florianópolis, por exemplo, ganharam destaque na área da gastronomia, ao passo que Brasília e Curitiba entraram para a lista da Unesco devido à sua produção no campo do design.

Fábrica do Futuro

O diretor do Instituto Fábrica do Futuro, César Piva, relembra como Cataguases, cidade com cerca de 75 mil habitantes, tornou-se um polo de cinema. O movimento vem ocorrendo desde 2002, quando representantes de vários setores se aproximaram para fazer a ideia engrenar. Juntaram-se, em torno do mesmo desejo, lideranças locais, instituições do terceiro setor, fundações, grupos culturais, empresas privadas e gestores municipais. Naquele ano, o plano já dava frutos à comunidade, com a inauguração do Centro Cultural Humberto Mauro, que dispõe de um cineteatro de 272 lugares, um memorial que homenageia o cineasta, considerado um dos pioneiros do cinema brasileiro, e uma galeria de arte.

“Esse grupo anunciou um programa de cultura e desenvolvimento local que tinha a cultura, especialmente o audiovisual e as novas tecnologias, como uma diretriz para uma nova possibilidade de desenvolvimento para a região: o desenvolvimento social, cultural e econômico. A partir de lá, vários estruturantes foram realizados, essa rede de cooperação local, projetos de eventos, festivais de cinema, programas de formação de público, residências criativas, projetos experimentais junto a jovens talentos da região, programas de formação e capacitação. Ou seja, foi feito todo um trabalho de preparação da cidade para implantação do polo”, disse Piva, que também está à frente da agência do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais.

Piva destacou que uma obra, especificamente, ajudou a dar ainda mais projeção à iniciativa que coletivamente ganhava intensidade. Segundo ele, um dos fatos que chamaram a atenção do governo federal foi o lançamento da refilmatem de Meu Pé de Laranja Lima, em 2012. O longa-metragem foi rodado em Cataguases e tem direção de José de Abreu e Marcos Bernstein, que assinou, com João Emanuel Carneiro, o roteiro de Central do Brasil.

O diretor da Fábrica do Futuro ressalta que a recompensa pela mobilização chegou na forma de novas parcerias e de um edital, firmado com colaboração da Agência Nacional do Cinema (Ancine), no valor de R$ 10,5 milhões. Além disso, profissionais de toda a cadeia de produção puderam viajar Brasil afora e para o exterior, para ampliar seu conhecimento, acrescentou Piva. “Ou seja, um pequeno município que tem feito um trabalho estruturador, há quase 20 anos, se estabelece como um centro de produção audiovisual, reúne parcerias, instituições públicas e privadas e políticas públicas e se torna um arranjo capaz de atrair grandes produções para serem realizadas na região. Agora vamos lançar o edital, provavelmente um dos maiores do Brasil, no dia 2 de agosto, para que as produções continuem se realizando aqui. A previsão é de triplicar o número de filmes nos próximos anos.”

Balanço do Núcleo Inteligência Empresarial do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que, de 2008 a 2018, foram realizadas na cidade 27 produções audiovisuais. Somente este ano, 14 obras deverão ser produzidas, das quais seis são longas-metragens e cinco, curtas. Há, ainda, previsão de que uma série de televisão seja gravada no local.

O levantamento também indica que, no período, as produções geraram 1,5 mil empregos diretos e R$ 14 milhões em investimentos, provenientes de isenções fiscais de âmbito federal e estadual. No total, injetaram-se R$ 29 milhões na economia da região.

Para César Piva, a economia criativa é um ramo que produz “impactos importantíssimos na economia de qualquer país”, por fazer girar oportunidades. “É uma indústria limpa, ela é inesgotável, é sustentável, promove a autoestima de um país, de uma cidade, promove nosso patrimônio cultural, nossa diversidade cultural. Ela é considerada, no mundo todo, uma grande possibilidade de diversificação, inclusive, do desenvolvimento. Isso, por si só, deveria ser entendido como um grande valor a ser incentivado por qualquer pessoa no Brasil, no mundo e no governo. E acho que a gente está confirmando isso. A Rede Cidade Criativas confirma que, no Brasil, essa dimensão continental, essa riqueza regional, plural, essa diversidade cultural existe em todos os lugares, não só nos grandes centros, mas também nas pequenas e médias cidades.”

Agência Brasil

porpjbarreto

‘Longa’ paraibano é selecionado para Festival de Cinema de Caruaru

Filme conta a história de Leon, um homem em busca da verdade sobre o passado de sua família

O longa-metragem paraibano ‘Incursão’ foi um dos filmes selecionados dentre os 549 inscritos para a 6ª edição do Festival de Cinema Latino-Americano Contemporâneo de Caruaru.

Produzido pela Stairs Filmes de Campina Grande-PB e Orbe Produções Audiovisuais de Cabedelo-PB, em parceria com a Arquiteto Cinema de Curitiba-PR, o filme é uma produção independente do gênero drama/mistério, realizada com recursos próprios, apoio das prefeituras de Bananeiras-PB e Remígio-PB, e patrocínio de empresários locais.

O filme conta a história de Leon, um homem em busca da verdade sobre o passado de sua família, até que encontra uma pista sobre o sumiço de seu pai que o lança em uma “caça ao tesouro”, colocando-o em confronto com os poderosos da cidade.

O projeto tem a direção conjunta de Eduardo P. Moreira e Silvio Toledo com roteiro do próprio Eduardo P. Moreira. No elenco, grandes nomes paraibanos como Fábio Campos, Claudia Lira, Fernando Teixeira, Arly Arnaud, Dadá Venceslau, Raquel Rolim, Sebastião Formiga e Beto Quirino.

O lançamento comercial do longa está previsto para 2020 nas salas de cinema. Até lá, continuará a percorrer o circuito de festivais nacionais e internacionais. Para saber mais sobre o filme, visite a sua página oficial.

 

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Fuminc 2018/2019: Cine Açude Grande chega a terceira edição consolidado na cena cultural

Já consolidado no calendário cultural da Paraíba, o Cine Açude Grande terá, este ano, mais uma edição, cujo projeto foi também aprovado no edital do Fundo Municipal de Incentivo à Cultura (Fuminc) 2018, que será desenvolvido neste ano de 2019, numa iniciativa da Prefeitura Municipal de Cajazeiras através da Secretaria de Cultura e Turismo. A propositura é de Veruza Rolim Guedes.

O III Cine Açude Grande será realizado entre os dias 21 a 23 de agosto, oferecendo gratuitamente para a população de Cajazeiras e região oficinas, debates, sessões ao ar livre e sessões destinadas ao público infanto-juvenil nas escolas públicas municipais.

A estimativa de exibição é de 40 filmes de curta-metragem realizados na Paraíba e também produções nacionais. A proposta é democratizar o acesso a filmes de produções regionais e nacionais, por meio de sessões realizadas em Cajazeiras. A população terá a oportunidade de assistir gratuitamente aos mais recentes filmes brasileiros e paraibanos que não circulam nas grandes mídias nacionais, bem como a participação em oficinas e fóruns sobre audiovisual e sua difusão no estado.

As primeiras edições do Cine Açude Grande conseguiram atingir um número significativo de pessoas através de inscrições para as diversas oficinas oferecidas gratuitamente. Também atingiram, direta e indiretamente, por volta de 700 pessoas em mostras competitivas de filmes que aconteceram em diversos locais da cidade. A homenageada nesta edição é Virgínia Gualberto.

Os investimentos em cultura do governo municipal para 2019 serão em torno de R$ 217 mil, sendo que desse valor 15% são retidos para a manutenção do Fundo. No ano passado, os investimentos foram de R$ 130 mil. A Prefeitura Municipal de Cajazeiras, na atual gestão, foi a primeira a respeitar a lei de incentivo a cultura, ao repassar ao Fuminc o percentual de 2% da arrecadação do município, conforme a lei 1891/2010.

Secom-Cz

porpjbarreto

Empresário se suicida em evento com governador de Sergipe e ministro de Minas e Energia

Empresário do setor de cerâmica teria cometido ato após ter falido, por conta do alto preço do gás

O empresário Sadi Gitz (foto) se matou na frente do governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, e do Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

O homem deu um tiro na própria cabeça durante a abertura de um seminário sobre o mercado de gás que iniciou nesta quinta-feira (4), em Aracaju.

De acordo com fontes do governo estadual, Gitz era dono de uma fábrica de cerâmica e teria falido após entrar em hibernação, por causa do alto preço do gás.

A indústria de cerâmica Escurial passou a consumir gás com pagamento antecipado e há cerca de dois meses paralisou as atividades por falta de condições de caixa.

O governo de Sergipe emitiu nota nas redes sociais, lamentando o ocorrido e informou que o evento estava cancelado.

O Governo do Estado de Sergipe lamenta o ocorrido com o empresário Sadi Gitz, da cerâmica Escurial, que cometeu suicídio durante o evento.

Por conta do ocorrido, o Simpósio de Oportunidades para o novo cenário do gás natural em Sergipe está cancelado. pic.twitter.com/FaRkBcADu7

 

Repórter Juliana Gonçalves – Agência do Rádio

porpjbarreto

Novo “MIB: Homens de Preto” é bom, mas não se compara ao primeiro da franquia

Tessa Thompson e Chris Hemsworth repetem a química estabelecida em Thor: Ragnarok

Na quinta-feira (13), a temática alienígena retorna aos cinemas com “MIB: Homens de Preto Internacional”. O novo filme da franquia traz como protagonistas Tessa Thompson e Chris Hemsworth. Ambos já apresentaram ótima química em Thor: Ragnarok.

A dupla se conecta com a missão de combater um espião na sede do MIB em Londres. A química entre os atores é extremamente perceptível, não em termos românticos, mas no âmbito da atuação. As cenas conversam muito bem e não há o que questionar em relação aos atores.

O que incomoda é que, para quem conhece a trajetória dos Homens de Preto, à época existia muita novidade. Alienígenas, tecnologia de ponta e aventura eram novidade para o cinema, até então tinham produções pouco elaboradas. Por isso, trazer esses elementos no novo filme é apenas “mais do mesmo” apresentado hoje em dia.

Mas apesar da falta de novidade, o roteiro traz um humor diferente e personagens novos espetaculares, como é o caso de um alien pequenino chamado Pawny, que percorre grandes aventuras com os agentes. Ele é muito engraçado e pode fazer sucesso entre o público infantil.

Os efeitos especiais de armas e explosões deixam a desejar, acabam apresentando um pouco de desleixo e não são tão interessantes. Já o gráfico dos alienígenas é perfeito e a interação deles com os humanos na tela fica tão boa quanto entre pessoas reais. O filme estreia nesta quinta (13) nos cinemas brasileiros.

Outra novidade é a estreia de “Obsessão”, estrelado por Chlöe Grace Moretz (Se Eu Ficar) e Isabelle Huppert. As duas se conhecem em uma ação de boa vontade da jovem Francis, que acaba percebendo uma relação estranha por parte da viúva Greta. O filme é um suspense.

Sob a direção de Olivia Wilde, tem também o lançamento de “Fora de Série”. Duas amigas conhecidas por serem as “nerds” da escola, estão quase terminando o colegial. Elas conversam sobre os arrependimentos de terem estudado muito e terem aproveitado pouco. Então, elas decidem correr atrás de quatro anos perdidos em uma noite.

 

Repórter Sara Rodrigues – Agência do Rádio

porpjbarreto

Fortaleza é campeão da Copa do Nordeste 2019

CBF