Categoria Rural

porpjbarreto

Assembleia Legislativa da Paraíba realiza visita técnica ao Eixo Leste da Transposição

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), através do presidente da Comissão de Desenvolvimento, Turismo e Meio Ambiente, o deputado Moacir Rodrigues, realizou, na última quinta-feira (19), uma visita técnica ao Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco.

Ao lado do diretor do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Alberto Gomes; do coordenador do Eixo Leste da Transposição, Tavares Neto; de empresários, engenheiros e lideranças locais; o parlamentar constatou in loco como está a situação do projeto e apurou denúncia realizada por moradores de Monteiro, de que o esgoto cruza a cidade e corre para o desemboque da Transposição.

“Acompanhamos a recuperação de 500 m do trecho 22 e constatamos pessoalmente a barragem de Cacimba Nova em Custódia em Pernambuco. As obras da Transposição estão a todo vapor, sendo necessária obras de manutenção e complementares”, resumiu o deputado.

A Assembleia também já realizou uma visita técnica às obras do Eixo Norte da Transposição. Uma caravana comandada pelo deputado Jeová Campos (PSB), presidente da Frente Parlamentar da Água, foi até Cajazeiras no mês de março e seguiu para Salgueiro (PE), onde se reuniu com técnicos no escritório de representação do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Na ocasião também participaram da visita os deputados Galego Sousa e Moacir Rodrigues.

Assessoria de Imprensa – ALPB

porpjbarreto

Projeto de Lei de Jeová estadualiza estrada vicinal do Sítio Varzinha ao Distrito Bandarra em São João do Rio do Peixe

O Projeto de Lei 1.747/2018, de autoria do deputado estadual Jeová Campos (PSB), aprovado na sessão da última quarta-feira (18), por unanimidade, é um passo importante rumo a concretização de um antigo sonho das pessoas que moram no município de São João do Rio do Peixe ou nos sítios e distritos daquela região e utilizam a estrada vicinal, que inicia no entroncamento da BR-405, no Sitio Varzinha, e termina no Distrito de Bandarra. Isto porque, com a estadualização da estrada, a probabilidade que ela, em breve, seja pavimentada é muito grande.

“Essa estrada é uma via muito importante e quando for pavimentada vai beneficiar a população de muitas comunidades, haja vista que ela passa desde o entroncamento da BR-405, no Sitio Varzinha, em São João do Rio do Peixe, passando pelos Sítios Varzinha, Mundo Novo, Cachoeira da Moça, cruzando a Rodovia Estadual PB-391, em seguida passando pelos Sítios Água Branca, Engenho Velho, Açudinho e terminando no Distrito de Bandarra, ainda em São João do Rio do Peixe”, destaca o parlamentar.

O deputado autor do PL, que estadualiza a estrada em toda a sua extensão, lembra que com essa mudança, o governo estadual pode intervir nesta rodovia que cruza um conjunto significativo de sítios, que liga Cajazeiras a Uiraúna até o distrito de Bandarra, que é o maior de São João do Rio do Peixe que é, por sua vez, um dos maiores municípios em área territorial do estado da Paraíba. O PL segue agora para sanção do governador João Azevêdo.

Créditos (imagem/Google)

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Expofeira Paraíba Agronegócios também tem divulgação do trabalho de produção de insumos biológicos da Estação de Camaratuba

 Além de contar com a exposição de mais de três mil animais entre equinos, bovinos, caprinos e ovinos, além de outros negócios comuns a eventos desta natureza, quem for a Expofeira Paraíba Agronegócios 2019 poderá conhecer um pouco mais da produção de insumos biológicos da Estação Experimental de Camaratuba. Mantida pela Associação de Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), a Estação tem dois laboratórios que produzem insumos naturais capazes de controlar duas das principais pragas que atacam os canaviais no Estado: a Broca Comum e a Cigarrinha da Folha controlados, respectivamente, pela Cotesia flavipes (Vespas) e o Metahizium anisopliae (Fungo). A Feira começou no dia 15 e acontece até o próximo domingo (22), no Parque de Exposições Henrique Viera de Melo, no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa.

A Feira é promovida pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa)/Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). As informações sobre os insumos da Estação de Camaratuba podem ser conferidas no stand da Faepa, onde a Asplan tem um espaço reservado para essa divulgação. “Os visitantes da Feira que desejarem saber um pouco mais sobre essa produção terão todas as explicações do biólogo e coordenador dos laboratórios de controle de pragas, Roberto Balbino”, destaca o diretor técnico da Asplan, Neto Siqueira, lembrando que os insumos são distribuídos gratuitamente aos associados da Asplan e vendidos no mercado com preços competitivos.

Para o presidente da Asplan, José Inácio de Morais, a realização da Expofeira é importante para o setor produtivo da Paraíba. “Em eventos desta natureza além da realização de grandes negócios, acontece também o encontro e troca de informações e conhecimentos entre as pessoas que vivem da agricultura, da pecuária, da piscicultura, da fruticultura, enfim, dos vários segmentos do agronegócio. É uma oportunidade ímpar de fazer negócios e ajudar a fortalecer e divulgar um setor que é um dos mais importantes para a economia do país”, destaca o dirigente canavieiro.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

Presidente da Feplana diz que reunião com líderes partidários e representantes do governo federal foi produtiva e expectativa é boa

A reunião da terça-feira (17), entre líderes partidários e representantes do governo federal com representantes do setor sucroenergético, que tratou sobre o etanol importado dos EUA sem tarifa, em Brasília, na opinião do presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Alexandre Lima, além de muito prestigiada deve resultar numa flexibilização do governo em relação a essa questão.

“A reunião andou bem, o Projeto de Decreto Legislativo, de autoria do deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), aprovado na semana passada, em regime de urgência pelos deputados e que seria capaz de sustar a decisão do governo, vai ficar suspenso, até o retorno do líder do governo, Major Vitor Hugo, que nos assegurou que vai tratar de uma proposta junto ao presidente Bolsonaro, para minimizar a situação desfavorável que o aumento da cota de importação provocou no setor”, destacou Alexandre, adiantando que saiu da reunião muito esperançoso que haverá essa sensibilidade e contrapartida por parte do governo.

“O governo sabe que o aumento da cota e a isenção concedida para importação do etanol de milho dos EUA, autorizada por um decreto, no final de agosto, causa um  impacto muito negativo aos produtores brasileiros, especialmente, os do Nordeste para onde a maior parte desse etanol se destinaria e viu que o setor se mobilizou fortemente e que a busca de um consenso é um caminho mais sensato neste momento”, argumenta o presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida) e da Associação de Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), José Inácio de Morais, que a exemplo de Alexandre, também está otimista com um aceno positivo do governo a essa pauta de flexibilização proposta pelo setor.

Entre as propostas colocadas na pauta de negociação, o setor produtivo do Nordeste pede que essa cota de importação de 750 milhões de litros de etanol seja destinada aos mercados do Centro-Sul, durante três trimestres, já que lá esse volume representa apenas 2% da produção, bem diferente do peso que tem na região Nordeste, onde esse volume equivale a quase 88% da produção. “Nossa proposta é que o etanol importando, só chegue aos portos do Nordeste em junho, julho e agosto, do ano que vem, meses de entressafra na região”, destaca José Inácio.

Além do dirigente da Feplana, participaram da reunião o Presidente do Sindaçúcar-PE, Renato Cunha, Gerson Carneiro Leão, o senador Fernando Bezerra, líder do governo no Senado, além de industriais e parlamentares das bancadas federais de vários estados do Nordeste, a exemplo de Pernambuco, Alagoas e Paraíba.

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Polícia prende paraibano escondido em sítio no PE suspeito de construir e vender prédios que caíram no RJ

A prisão de José Bezerra de Lira, conhecido como Zé do Rolo, aconteceu na noite desta quarta-feira (18), em Pernambuco

Policiais da Operação Malhas da Lei do 23°BPM de Pernambuco prenderam nesta quarta-feira (17) José Bezerra de Lira, conhecido como Zé do Rolo. Ele é apontado como o líder do grupo responsável por vender apartamentos de dois prédios que caíram na Muzema, Zona Oeste do Rio, no dia 12 de abril, matando 24 moradores.

Zé do Rolo foi encontrado em um sítio na região de Afogados da Ingazeira, no Alto Pajeú, no Sertão de Pernambuco. Assim que foi capturado, o suspeito disse aos policiais que estava fugindo com medo de represálias da milícia à qual era ligado no Rio de Janeiro. Ele não resistiu à prisão. Com ele, foram encontradas duas espingardas e munições.

Segundo a delegada Adriana Belém, responsável pelas investigações, a transferência de Zé do Rolo para o Rio de Janeiro ainda não tem data para acontecer, mas os trâmites necessários já estão sendo realizados.Em abril, José Bezerra de Lira; Renato Siqueira Ribeiro; e Rafael Gomes da Costa tiveram a prisão temporária de 30 dias decretada pela Justiça. Os três foram indiciados por homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar.

Rafael foi preso em maio, quando se entregou na delegacia do Leblon e foi levado para a 16ª delegacia, na Barra da Tijuca, responsável pela investigação.

Segundo a polícia, Zé do Rolo, Rafael e Renato vão responder por homicídio doloso qualificado. Os investigadores dizem que, ao vender os apartamentos nos prédios que desabaram, eles assumiram o risco de matar alguém.

Eles também deverão responder pelas 24 mortes e serão investigados por organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Além dos prédios na Muzema, a polícia investiga se apartamentos em outras regiões do Rio e até em estados do Nordeste também pertencem aos integrantes dessa milícia.

Com informações G1

porpjbarreto

Fórum Nordeste se constituiu num importante espaço de debates sobre temas que impactam o nosso futuro afirma presidente da Unida

 “O Fórum Nordeste conseguiu reunir palestrantes com alto nível de conhecimento, abordar temas que interessam a todos nós, promover um debate qualificado sobre biocombustíveis e energia limpa e, mais ainda, propor caminhos e formas de como a gente deve se conduzir diante do desafio de mudar comportamentos e, sobretudo, valorizar uma matriz energética disponível em abundância em nosso país”, destacou o presidente da Presidente da União Nordestina de Produtores de Cana (Unida) e da Associação de Plantadores de Cana da Paraíba – Asplan, José Inácio de Morais. Acompanhado de diretores da entidade paraibana, o dirigente canavieiro parabenizou o Grupo EQM pela realização do evento, que aconteceu na última segunda-feira (16), em Recife (PE).

As ausências justificadas da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciada para a abertura do Fórum, em função dela estar em missão internacional, e do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, por problemas em sua agenda, nem foram tão sentidas pelos participantes do Fórum, muito pela qualificação dos palestrantes, também pelo conteúdo de suas explanações e ainda pela longa lista de autoridades que se fizeram presentes, a exemplo do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, o prefeito de Recife, Geraldo Júlio, o presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Alexandre Lima, vários deputados federais e estaduais, além do diretor geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Décio Oddone, o Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Hélvio Neves, o consultor Plínio Nastari, da Datagro, entre outros.

Na abertura do evento, o presidente do Sindaçúcar, Renato Cunha, fez uma fala criticando a ampliação da cota de importação do álcool de milho dos EUA, de 600 milhões de litros para 750 milhões, recentemente autorizado pelo Governo Federal. “Essa medida foi injusta com a indústria nacional e nós não entendemos como o governo autoriza uma operação onde só há desvantagens para o Brasil”, disse Renato, que hoje está em Brasília, junto com representantes do setor, para tentar buscar saídas e alternativas que possam minimizar os danos que essa decisão irá provocar, caso não haja medidas compensatórias para os produtores brasileiros.

O líder do governo no Senado Federal, senador por Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho, tentou justificar a decisão do governo, mas reconheceu que é preciso buscar alternativas que minimizem o impacto desta medida para os produtores do Nordeste. “Esse acordo foi importante para fortalecer as relações de livre comércio com os EUA e essa cota deverá ser distribuída de forma uniforme, durante os quatro trimestres, e o governo tem disposição para o diálogo com o setor”, destacou o senado, lembrado que participa do Fórum Nordeste  desde sua primeira edição. “Eu tive a alegria de participar do primeiro evento, como secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, no governo de Eduardo Campos e, ao longo do tempo, tenho participado de todas as suas edições”, disse ele.

Promovido pelo Grupo EQM, presidido pelo empresário, Eduardo Monteiro, o Fórum, que chega a sua 11ª Edição, acontece a cada dois anos. Em sua fala de saudação aos presentes, o anfitrião do encontro destacou que o seu grande objetivo é tirar do centro Sul/Sudeste o monopólio das discussões do setor sucroenergético. “Para nós é sempre uma iniciativa valorosa, na medida que a gente tira do eixo sul e trás para o Nordeste um debate tão contemporâneo que é o das energias renováveis para um mundo mais limpo e mais saudável”, afirmou Eduardo Monteiro.

Para José Inácio, as palestras foram interessantes, esclarecedoras e motivadoras. “Foi possível perceber que a ANP, por exemplo, está com uma nova política, onde os biocombustíveis ocupam lugar de destaque e que a Petrobras atua agora também com outras diretrizes, privilegiando uma política de transparência, que o setor energético também está com outro impulsionamento, inclusive, com abertura para o mercado de gás, através do Biogás e Biometano, e o mais importante de tudo é que saímos do evento cheios de boas expectativas de que o mercado de etanol, uma opção limpa e eficiente de nossa matriz energética enfim, voltará a ocupar lugar de destaque, com políticas públicas que o fortaleçam, sobretudo, a partir do Renovabio, que é uma resposta eficaz às políticas públicas brasileiras do ponto de vista ambiental”, destacou o dirigente da Unida e da Asplan, que estava acompanhado dos diretores Ocar Gouvêa, Raimundo Nonato, Pedro Jorge e Neto Siqueira, além do agrônomo da entidade, Luiz Augusto. O governador da Paraíba, João Azevêdo, foi representado no evento pelo secretário, Efraim Morais.

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Efraim Filho e o governador João Azevedo garantem termino das obras do Eixo Norte

“Eixo Norte retornamos o bombeamento da terceira estação elevatória, a água segue seu curso gravitacional até Jati, a previsão é que chegue em Jati até o final do primeiro trimestre”, afirma Efraim

Em reunião no Ministério do Desenvolvimento Regional, o coordenador da bancada da Paraíba no Congresso Nacional, deputado Efraim Filho (DEM), juntamente com o governador do Estado, João Azevedo e demais parlamentares federais e estadual, cobraram do ministro Gustavo Canuto providencias e liberação de recursos para finalização de diversas obras de segurança hídrica.

De acordo com o deputado Efraim Filho a reunião foi positiva e o ministro Canuto recebeu todas as demandas levadas pela bancada e esclareceu que não há nenhuma descontinuidade de obras, nem no Eixo Leste, nem no Eixo Norte.

Nas palavras do ministro o importante é que são boas as notícias. “Eixo Norte retornamos o bombeamento da terceira estação elevatória, a água segue seu curso gravitacional até Jati, a previsão é que chegue em Jati até o final do primeiro trimestre, de lá deve ir para o Ceará e depois segue seu curso até Caiçara, podendo abastecer a Paraíba por Morros e também pelo reservatório Caiçara”.  O ministro disse ainda que este é o objetivo e que nenhum imprevisto deverá acontecer. Ele desmentiu a notícia de que as obras estão paralisadas.

Quanto ao Eixo Leste o ministro Canuto explicou ao deputado Efraim Filho que a maior preocupação ao interromper o abastecimento foi a preocupação com a segurança da população ao longo do canal. “Foi esse o motivo da paralisação, um problema que aconteceu no reservatório de Cacimba Nova, o diagnóstico fica pronto no final do mês, saberemos de forma bem clara qual foi o problema e qual será a solução”. Declarou o ministro.

Gustavo Canuto tranquilizou a população dizendo: “Paraíba fique tranquila, Campina Grande fique tranquila, se a intervenção levar muito tempo, buscaremos uma alternativa para garantir que a água siga o seu curso e que não fique Monteiro sem receber as águas do Velho Chico.  O ministério não medirá esforços para que a água chegue o mais rápido e que não haja racionamento”.

Segundo Efraim Filho participaram também da audiência os deputados federais Wilson Santiago, Damião Feliciano, o deputado estadual Ricardo Barbosa e secretários de Estado do Governo da Paraíba Efraim Morais e Deusdete Queiroga.

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Seminário Regional da Câmara Federal sobre PL 3261 do Saneamento será realizado na Assembleia Legislativa da PB

Nas diversas ações do Sindicato do Urbanitarios em defesa da água e do Saneamento Básico, em umas das jornadas em  Brasília para lutar contra os efeitos retrógrados que exitem no  Projeto de Lei 3261/2019, que tramita na Câmara dos Deputados, o presidente do Sindicato dos Urbanitários da Paraíba – Stiupb, Wilton Maia Velez, conseguiu na Comissão Especial que analisa a proposta de atualização do marco legal do saneamento básico, que a Paraíba seja sede de um dos seminários para discutir o tema.

Conforme o dirigente sindical, o Seminário está confirmado para acontecer no próximo dia 27, a partir das 9 horas, na Assembleia Legislativa da Paraíba, onde estarão presentes políticos, representantes de entidades de trabalhadores e das empresas ligadas ao setor, bem como organismos que diretamente estão engajados nesse movimento contra a venda de estatais e em defesa do saneamento básico.

Senadores, deputados federais e estaduais estão sendo convidados para evento. Estarão presentes ainda representantes da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU); da Federação Regional dos Urbanitários do Nordeste (FRUNE); Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES); Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe); Assemae (Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento); do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), entre outros.

Até o dia 08 de outubro, a Comissão Especial destinada a proferir parecer ao citado Projeto de Lei estará realizando audiências públicas para aprofundar os debates e ouvir propostas. O Stiupb, por seus diretores, participou de várias em Brasília, bem como teve encontros com deputados em busca de apoio para modificar diversos pontos do PL 3261.

O Stiupb, juntamente com outras entidades, tem buscado mostrar aos parlamentares que o Governo Bolsonaro não busca a universalização do saneamento, mas tão somente entregar as empresas públicas de saneamento para a iniciativa privada, a exemplo do que foi feito com as companhias de energia elétrica no tempo do Governo FHC.

Wilton Maia afirmou que na maioria dos casos de privatização ou municipalização do saneamento, houve aumento de tarifas nas contas de água e muitas cidades regrediram em termos de investimentos em saneamento: “Não precisamos ir muito longe para mostrar um exemplo: aqui mesmo na Paraíba, na cidade de Sousa, a Prefeitura assumiu os serviços da Cagepa e os serviços são precários. Em várias partes do mundo as empresas estão sendo reestatizadas. Entendemos que muito precisa se melhorar nas empresas públicas, mas já avançamos muito, como o caso da nossa Cagepa, que todo ano vem apresentando superávit e é destaque como uma das mais eficientes do País”, destacou o presidente do Stiupb.

Assessoria de Imprensa – Stiupb

porpjbarreto

Asplan marcará presença no Fórum Nordeste onde estarão o governador da PB e a Ministra da Agricultura para debater o setor sucroenergético

Um grande evento em Recife (PE), na próxima segunda-feira (16), o Fórum Nordeste 2019, vai reunir governadores nordestinos; inclusive João Azevedo, da Paraíba, a Ministra da Agricultura, Teresa Cristina, o Ministro de Minas e Energia, Bento Câmara, o diretor – geral da Agência Nacional do Petróleo, Gas Natural e Biocombustivel, Décio Oddone, além de especialistas para discutir sobre os desafios e oportunidades nos setores de biocombustíveis e energias renováveis. O evento, que é uma iniciativa do Grupo EQM e do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar-PE), também contará com a presença do Presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba – Asplan, José Inácio de Morais, além de diretores da entidade.

Para José Inácio (foto), esse será um momento muito interessante porque juntará autoridades nordestinas e representantes da esfera Federal em um único lugar para discutir e pensar em soluções que impulsionem o Brasil e o Nordeste frente à crescente demanda por combustiveis limpos. “Vamos conhecer o que está sendo feito em relação a isso, as produções de Biocomhustiveis no Nordeste, debater sobre a sustentabilidade do setor e o plano do governo federal para desenvolver o setor energético nacional”, comentou o dirigente da Asplan.

O Fórum Nordeste 2019 traz uma programação com temas bastante atuais, entre eles: implementação da RenovaBio, investimentos em irrigação, combustíveis e o setor elétrico. Na lista dos palestrantes confirmados, estão, além de Décio Oddone, diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP); Reive Barros, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia; Plínio Nastari, da Datagro; Donizete Tokarsi, da Ubrabio e Renato Cunha, presidente do SIndaçúcar-PE e presidente executivo da Novabio. O Fórum será no Arcádia do Paço Alfândega, a partir das 9h, durante todo o dia.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

Governo Federal diz a deputados da Frente Interestadual que não há recursos para fazer o canal Caiçara-Engenheiro Ávidos

Os deputados que integram a Frente Parlamentar Interestadual em Defesa da Conclusão das Obras dos Eixos Leste e Norte da Transposição do Rio São Francisco, voltaram de Brasília preocupados, principalmente os que integram as bancadas da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Isto porque constataram que o Governo Federal não dispões de recursos para fazer o canal Caiçara-Engenheiro Ávidos, ligando a barragem de Caiçara, em Cajazeiras ao açude de Engenheiro Ávidos. Isto significa que sem essa obra, as águas da Transposição não chegarão ao sertão paraibano, nem em localidades do Rio Grande do Norte.

Essa triste afirmação que não existe previsão financeira foi colocada por técnicos do Ministério do Desenvolvimento Regional e referendada pelo secretário nacional de Infraestrutura e Segurança Hídrica, Marcelo Borges, durante audiência com parlamentares, na última quinta-feira (12). “Sem esse canal como é que a água vai chegar no Rio Grande do Norte se não for pelo Rio Piranhas?”, indaga o deputado estadual, Jeová Campos, um dos presentes à audiência.

O deputado questionou ainda como que o Rio Piranhas irá se alimentar se não da barragem de Caiçara, via Engenheiro Ávidos, que é a porta de perenização do Rio Piranhas. “O Marcelo foi categórico em afirmar que não há recursos para fazer essa obra. Eu penso que a gente precisa colocar isso em debate, porque sem ela não chegará a tão esperada água da Transposição”, destaca Jeová.

Sobre a suspensão do bombeamento das águas por causa de problemas em Cacimba Nova, o deputado Jeová disse que também viu muita sinceridade do interlocutor do governo. “Ele disse que houve uma avaria na parede de Cacimba Nova que foi consertada, mas, que quando foi feito o rebombeamento para Monteiro, o problema voltou a acontecer e por uma questão de prudência, os engenheiros decidiram suspender o bombeamento até que o problema seja resolvido definitivamente”, destacou Jeová.

Além do deputado paraibano Jeová Campos, integraram a comitiva da Frente os deputados Antônio Fernando (PSC-PE), Guilherme Landin (PDT-CE) e Francisco do PT (PT-RN). Jeová que voltou nesta sexta-feira de Brasília avalia que apesar da triste notícia, o balanço da viagem foi muito positivo. “Agora a gente sabe que tem que buscar outros meios para viabilizar essa obra, uma vez que o Governo Federal disse que não há disponibilidade de recursos para tal e que o que foi feito em Monteiro foi um procedimento técnico necessário para evitar maiores problemas”, finaliza o deputado que durante sua estada em Brasília ainda participou de reuniões na Agência Nacional de Águas (ANA) e de uma atividade na Câmara, sobre Ciência e Tecnologia, que debateu a convocação do ministro Paulo Guedes para explicar os cortes nas bolsas dos pesquisadores do CNPQ.

Assessoria de Imprensa