Arquivo mensal outubro 2019

porpjbarreto

Além de realizar tratamentos o Hospital do Bem acolhe pacientes e desmistifica a velha máxima de que o diagnóstico de câncer é o fim

A maior lição da comemoração de um ano de funcionamento do Hospital do Bem – unidade oncológica que faz parte do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos – é de que a unidade não apenas realiza com eficiência tratamentos de câncer, mas, acolhe os pacientes de maneira diferenciada e põe fim a velha máxima de que um diagnóstico de câncer é o começo do fim da vida. Essas afirmações não foram feitas pela diretoria da unidade, nem por funcionários, nem ainda por representantes da Secretaria de Saúde Estadual, que estiveram na manhã da última segunda-feira (07), na unidade, comemorando o primeiro ano de atividades do Hospital do Bem. Foram pacientes que se trataram lá, estão curados e deram seus próprios testemunhos.

Renata Cristina Silva Gomes, de 31 anos, foi a primeira paciente do Hospital do Bem, de Patos, a dispor de um cateter venoso implantável. A cirurgia de implantação do dispositivo foi feita no dia 13 de fevereiro deste ano, pelo cirurgião oncológico, Dr. Wostenildo Crispim. A paciente que tratou um câncer de mama, fez uso do cateter poucos dias após o implante. Antes, Renata fez uma cirurgia de neoplasia de mama também no Hospital do Bem, onde fez todo o tratamento quimioterápico que consistiu de 20 sessões. Na segunda-feira (07), coincidentemente, Renata foi levar os últimos exames para a oncologista do Hospital do Bem, Dra. Nayarah Castro, que acompanha a paciente desde outubro do ano passado. Os exames constataram que não há mais doença no organismo da paciente e hoje ela tocou o sino da vitória que simboliza a eficácia do tratamento e, consequentemente, a cura.

A Técnica de Enfermagem, que estava acompanhado do noivo, Herick Fernandes, disse que o acolhimento e tratamento que recebeu do Hospital do Bem fizeram-na mudar de conceito sobre pacientes e serviços oncológicos. “O Hospital do Bem fez toda a diferença em meu tratamento e na forma de como encarar a doença. A acolhida, o carinho e a atenção e cuidados que tive aqui mudaram a minha visão sobre o paciente de câncer. A Fé em Deus, o apoio da família, de meu noivo também foram cruciais nesse processo que alcancei a cura. Agora tenho outra imagem de paciente oncológico e da conduta que devemos ter com eles”, disse Renata que, em breve, pretende retomar sua rotina de trabalho na UBS Roberto Oba.

A aposentada Marli Alves da Silva, de 68 anos, de São Mamede, inaugurou os serviços cirúrgicos do Hospital do Bem, em setembro do ano passado, com a retirada de um tumor no endométrio. Ela também foi a primeira paciente a ser internada na unidade. Depois, fez sessões de quimioterapia no Hospital e outras sessões de radioterapia em João Pessoa. Ela também comemorou a cura da doença e disse que a facilidade de tratamento perto de casa e o carinho da equipe do Hospital do Bem foram fundamentais para ela. “Da recepção aos médicos, tudo aqui funciona muito bem, não há o que falar. Tive tudo o que precisei na área médica e mais ainda. Todos aqui nos recebem com sorrisos e nos enchem de esperança. E não foi só comigo. Isso são com todos os pacientes”, afirmou Marli, que aproveitou a comemoração de um ano e fez uma maquiagem com uma das profissionais que, voluntariamente, hoje, por causa de uma ação do Outubro Rosa, estavam à disposição das pacientes da unidade para deixa-las ainda mais belas.

A dona de casa, Arlinda Pereira da Silva, 73 anos, da cidade da Santana dos Garrotes, também tocou o sino da cura, na manhã da segunda-feira (07). Acompanhada do marido, o Sr. Jorge Calixto, que sempre esteve com ela em todas as sessões de quimioterapia, e da filha, Rosa Romildo, ela também recebeu hoje a boa notícia de que está curada. No início, após o diagnóstico de câncer, segundo a Dra. Nayarah, a paciente Arlinda resistiu a fazer o tratamento, mas, logo que foi tranquilizada com explicações da conduta, encarou todos os procedimentos com dedicação e compromisso. “Quando soube que estava doente, eu não queria mesmo fazer o tratamento. Falam tantas coisas que fiquei com medo, mas, depois que a médica conversou comigo, resolvi fazer e deu certo, graças a Deus e ao tratamento”, disse a Sra. Arlinda.

Sobre o Hospital do Bem

Após um ano de sua inauguração, o Hospital do Bem comprova que está cumprindo sua missão de acolher e tratar os pacientes de câncer no interior do Estado. Absorvendo boa parte do contingente de pessoas que antes da unidade só tinham a opção de tratamento do câncer em Campina Grande ou em João Pessoa, o Hospital contabilizou, de setembro do ano passado até agosto deste ano, a realização de 759 sessões de quimioterapia, 3331 consultas ambulatoriais, 726 internamentos e ainda 422 cirurgias, em pacientes de 80 municípios do interior. A unidade foi inaugurada no dia 03 de setembro de 2018. O Hospital oferta atendimento ambulatorial, tratamento quimioterápico e cirúrgico, para quatro tipos de câncer: pele, próstata, mama e colo de útero, para pacientes regulados, ou seja, com consultas e procedimentos já agendados previamente, via Secretarias de Saúde dos municípios, através da Central de Regulação do Estado.

A unidade tem 25 leitos e uma sala de quimioterapia com capacidade para atender dez pacientes simultaneamente. Além dos serviços ambulatoriais, da quimioterapia e cirurgia, a unidade realiza diversos exames, tais como, ultrassonografia com Doppler; tomografia; colposcopia, colonoscopia, endoscopia; eletrocardiograma; exames laboratoriais e Raio X. Prioritariamente, os serviços do Hospital do Bem são direcionados para a população dos municípios que compõem a 3ª macrorregião de saúde do Estado. Os exames são feitos no Centro de Diagnóstico, também inaugurado no ano passado, e que funciona dentro das instalações do Complexo Hospitalar de Patos.

Assessoria de Imprensa 

porpjbarreto

9 de outubro – Especial Semana da Criança, parte 3

Música: “A Porta”, de Vinícius de Moraes, com Fabio Jr

Produção e apresentação – Luiz Cláudio Canuto

Agência Rádio Câmara

porpjbarreto

Dia da Padroeira do Brasil: prefeito de Cajazeiras antecipa feira livre do sábado (12) para à sexta-feira (11)

Em virtude do feriado nacional do dia 12 de outubro, o prefeito constitucional de Cajazeiras, José Aldemir Meireles de Almeida, assinou decreto municipal antecipando a feira livre, realizada tradicionalmente aos sábados, para a sexta-feira, dia (11).

A antecipação da feira do sábado, para a sexta-feira se deve às comemorações do Dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

O Dia de Nossa Senhora Aparecida, foi oficialmente instituído a partir do decreto de Lei nº 6.802, de 30 de junho de 1980.

Secom-Cz

porpjbarreto

Jeová diz a um vereador que não fará aliança com o grupo de Carlos Antônio. “Não me junto com esse povo, nem que meu pai pedisse”

“Não me junto com esse povo nem que meu amado pai se vivo estivesse, me pedisse”

Há um ano para ás eleições municipais, os ânimos já começam a dar o tom de rivalidade. Não é de se estranhar que as divergências políticas entre o grupo representado pelo deputado estadual Jeová Campos (PSB) e o grupo político representado pelos ex-prefeitos de Cajazeiras, Dr. Carlos Antônio (DEM), Dra. Denise (PSB), Carlos Filho (DEM) e o deputado estadual Júnior Araújo (Avante), estejam inflamadas e em desencontro.

Jeová teria dito a um vereador de Cajazeiras, que não se aproximará na campanha de 2020, nem tão pouco se alia com o grupo político de Carlos Antônio mesmo que seu pai se vivo estivesse, pedisse ao referido parlamentar sertanejo. “Não me junto com esse povo nem que meu amado pai se vivo estivesse, me pedisse”, confidenciou Campos.

Para Jeová, o nome do Vereador Marcos Barros tem seu aval e total apoio para ser colocado à disposição do seu grupo, para concorrer à Prefeitura de Cajazeiras, porém, devido os diversos processos judiciais e impedimento criminal, que o parlamentar-mirim está inserido no momento – dificilmente poderá ser candidato.

Na linha sucessória, figura o irmão do deputado, o ex-vice-prefeito de São José de Piranhas, Marcos Campos que recentemente transferiu seu domicílio eleitoral daquela cidade, para Cajazeiras.

Em contato com “Marquinhos Campos” na última sexta-feira (04) durante evento em sua residência, o irmão de Jeová chegou a afirmar que não caminha ao lado do projeto político de reeleição do prefeito José Aldemir (PP). “Não tenho atrito com nenhum grupo político, não tenho desavença com Zé Aldemir, com Dr. Carlos, nem com Dra. Denise, nem com Carlos Filho e nem tão pouco com o deputado Júnior Araújo, o nosso grupo é esse aqui (apontando para os suplentes que estavam presentes no café da manhã e, ao lado da conversa), vou para onde esses guerreiros me levar, eles que estiveram com a gente na campanha estadual do ano passado (2018), eles que vão dizer para onde e com quem eu vou”, afirmou Marcos Campos.

 

Redação – fmrural.com.br

porpjbarreto

Programa do MEC abrirá 1,5 milhão de vagas em educação profissional

Outra ação anunciada é a atualização catálogo de cursos técnicos

O Ministério da Educação (MEC) vai ofertar mais 1,5 milhão de vagas em educação profissional e tecnológica até 2023. O aumento das vagas faz parte do programa Novos Caminhos, lançado nesta terça-feira (08). Com o programa, as atuais 1,9 milhão de vagas passarão para 3,4 milhões em todo o país, representando um aumento de 80%. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, assinou quatro portarias para dar andamento ao programa.

Segundo o ministro, o objetivo é acabar com preconceitos em relação a cursos técnicos e melhorar a qualificação dos profissionais. “Um curso técnico bom permite ao jovem ter renda superior a alguém formado em curso superior, que não tem foco na realidade.”

Essas vagas deverão ser ofertadas tanto no ensino médio quanto para jovens e adultos que já estão fora da escola. A pasta pretende também articular a oferta dos cursos com a demanda do mercado de trabalho. “A educação tem que estar voltada para o mercado de trabalho, não pode dar as costas e ignorar as demandas do setor produtivo”, disse o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Ariosto Antunes Culau.

O programa prevê uma série de ações, que incluem mudanças na regulação da oferta de cursos técnicos, formação de professores e ampliação de cursos profissionais e técnicos. O novo programa se baseia em três eixos: Gestão e Resultados; Articulação e Fortalecimento, e Inovação e Empreendedorismo.

Formação de professores

A meta da pasta, além da abertura de novas vagas para estudantes é preparar 40 mil professores da rede pública até 2022 com aulas sobre atualização tecnológica, técnicas pedagógicas voltadas para a educação profissional, empreendedorismo e orientação vocacional e profissional. Serão abertas também 21 mil vagas para formação de professores de ciências e de matemática.

Deverão ainda ser reconhecidos mais de 11 mil diplomas de pessoas que concluíram a formação técnica na rede privada de ensino superior desde 2016, mas não tinham chancela da pasta por conta da ausência de ordenamento jurídico.

Pesquisa aplicada

O MEC pretende criar um escritório, que atuará na articulação entre os setores público e privado. Esse escritório deverá estimular a pesquisa aplicada, a inovação e a iniciação tecnológica. Serão lançados editais para estudantes, professores e pesquisadores com investimento total de R$ 60 milhões até 2022.

Além disso, a pasta anunciou a criação de cinco polos de inovação nos institutos federais voltados para empreendedorismo e pesquisas aplicadas.

Catálogo de cursos

A pasta vai atualizar o catálogo nacional de cursos técnicos, que orienta a oferta em todo o país. O catálogo vigente, segundo o MEC, foi atualizado em 2014, com base no cenário do Brasil em 2013. “[Vamos fazer a] identificação dos conhecimentos e habilidades, das novas profissões, que devem ser incorporadas ao catálogo”, disse o secretário Culau. Para a atualização, o setor produtivo deverá ser procurado para expor a atual demanda.

A pasta pretende também consolidar um novo marco regulatório para a oferta de cursos técnicos por instituições privadas de ensino superior.

Parceria com estados

Em parceria com os estados, a intenção é ofertar, até 2022, 2 mil vagas de mestrado profissional em redes estaduais.

Mais de 100 mil vagas voltadas para a qualificação profissional deverão ser ofertadas com recursos do Bolsa Formação, que estão, de acordo com o MEC, nas contas dos estados e do Distrito Federal. Para isso, serão repactuados R$ 550 milhões. Os entes federados poderão buscar parcerias com o Sistema S e com a rede federal.

Cenário internacional

De acordo com dados apresentados pelo MEC, o Brasil está distante da oferta de educação profissional e técnica de outros países. Enquanto no Brasil a oferta de ensino técnico chega a 8% das matrículas de ensino médio, no Reino Unido esse percentual é de 63%; na União Europeia, 48%; e, no Chile, 31%.

Agência Brasil

porpjbarreto

Fórum de Governadores: João Azevêdo defende investimentos para educação e segurança pública

O governador João Azevêdo participou, nesta terça-feira (08), em Brasília, do VII Fórum Nacional de Governadores, ocasião em que os gestores discutiram temas relacionados à educação, segurança pública e pacto federativo.

Em carta divulgada após o encontro, os governadores defenderam a manutenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e pleitearam à União a ampliação dos recursos para o programa como forma de reduzir as desigualdades educacionais. Eles ainda convocaram o Congresso Nacional, as entidades representativas e a sociedade civil para defender a educação.

“A educação é direito de todos. A defesa do Fundeb é dever de todos. Entendemos que essas medidas fortalecerão as políticas para a educação básica pública e a valorização dos profissionais de educação”, pontuaram no documento.

O governador João Azevêdo fez uma avaliação positiva da reunião e destacou que todos os chefes de Executivos estaduais apoiaram a proposta que tramita no Congresso Nacional sobre o Fundeb. Ele também defendeu novos investimentos da União para a segurança pública.

“Existe um fundo de R$ 1,7 bilhão, em que R$ 1,14 bilhão está contingenciado. Dos R$ 600 milhões que sobram, R$ 200 milhões vão para a Força Nacional e o restante é distribuído para os Estados. A tendência é de que esse valor seja reduzido ainda mais no próximo ano, de acordo com a previsão orçamentária que se apresenta, e a nossa preocupação é muito grande porque o governo federal precisa investir muito mais, principalmente naquilo que tange a sua responsabilidade constitucional acerca do tráfico de drogas e da segurança das fronteiras”, explicou.

Ele ainda pleiteou a manutenção da proposta anterior acerca da cessão onerosa, que passou por recentes modificações em relação à distribuição de recursos. “Nós esperamos que o acordo seja preservado para que os Estados possam receber os recursos, considerando que não houve apresentação de novos investimentos em função das limitações orçamentárias e financeiras do governo federal”, finalizou.

Secom-PB

porpjbarreto

Sousa: Câmara Criminal mantém decisão que inocentou editor de portal dos crimes de calúnia e difamação

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba, à unanimidade e em harmonia com o parecer ministerial, manteve a decisão que absolveu Geraldo da Silva Pereira dos crimes de calúnia e difamação. Ele foi alvo de uma queixa-crime movida por Gervásio Bernardo Abrantes, pelo fato de ter publicado reportagem intitulada: “Delegado abre inquérito para apurar denúncia contra ex-presidente do PT sousense que estaria usando nome da Faculdade São Francisco para “burlar” ingressos de alunos em Pós-Graduação”.

O fato aconteceu no dia cinco de janeiro de 2016. A Apelação Criminal nº 0124208-60.2016.815.0371, oriunda da 1ª Vara da Comarca de Sousa, teve a relatoria do desembargador Ricardo Vital de Almeida.

Narra a peça acusatória, que as notícias foram publicadas por meio dos sites  folhadosertao.com.br e reporterpb.com.br. Na sentença, o juiz José Normando Fernandes julgou improcedente o pedido expresso na queixa-crime e absolveu Geraldo da Silva Pereira, por considerar atípicas as condutas imputadas ao querelado, em virtude da ausência do animus caluniandi e do animus injuriandi.

Inconformado com a decisão, Gervásio recorreu, afirmando estar comprovada a intenção do querelado de caluniar e difamar, atribuindo falsamente a prática do crime de estelionato, consistente em suposta burla de ingressos de estudantes em curso de Pós-Graduação na Faculdade São Francisco.

O relator do processo ressaltou que a matéria jornalística não demonstrou, de forma incontestável, a intenção do apelado de macular a imagem de Gervásio, devendo, por conseguinte, ser mantida a sentença absolutória, vez que não há, no caderno processual, provas suficientes, produzidas sob o crivo do contraditório, para um édito condenatório, ônus que cabia ao querelante.

“Ademais, diante da inexistência de prova robusta a ensejar juízo condenatório, porquanto sem a comprovação do dolo no agir, é impossível o acolhimento da pretensão condenatória formulada pelo querelante”, afirmou o desembargador-relator. Cabe recurso da decisão.

Assessoria de imprensa -TJPB

porpjbarreto

Justiça mantém pena de 15 anos a réu que matou homem no velório em São José de Piranhas

Momento em que a vítima era socorria para o hospital.

Na sessão de julgamento desta terça-feira (8), a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento à Apelação Criminal nº 0000145-54.2018.815.0221 apresentada pela defesa do réu Aldeir José Vieira de Araújo. Ele foi condenado pelo Juízo da Vara Única da Comarca de São José de Piranhas a uma pena de 15 anos, por homicídio duplamente qualificado. O crime aconteceu durante um velório. A relatoria do recurso foi do desembargador e presidente do Colegiado, Ricardo Vital de Almeida. O voto foi em harmonia com o parecer do Ministério Público e a decisão unânime.

Segundo os autos, no dia 18 de março de 2018, por volta das 17h30, no Distrito de Piranhas Velhas, pertencente ao Município de São José de Piranhas, o apelante matou, por motivo fútil e dificultando a defesa da vítima, José Eudair Oliveira de Lima. Conforme foi apurado, o ofendido se encontrava em um velório, quando Aldeir José o apunhalou com um golpe de faca peixeira. Em seguida, o réu fugiu do local e teve sua prisão preventiva decretada no dia 20 de março de 2018. Os autos ainda informam que o motivo do assassinato teria sido uma discussão que o apelante e a vítima tiveram na manhã do dia do crime.

O magistrado de 1º Grau pronunciou o réu como incurso no artigo 121, § 2º, incisos I e IV, do Código Penal (homicídio duplamente qualificado).

O Conselho de Sentença da Comarca de São José de Piranhas reconheceu a materialidade e autoria delitiva e, por outro lado, rechaçou a tese defensiva de homicídio privilegiado – praticado por motivo de relevante valor social ou moral – condenando  Aldeir José Vieira de Araújo pelo crime de homicídio qualificado. Na sentença, o juiz Hermeson Alves Nogueira aplicou ao réu 15 anos de reclusão, fixando o regime fechado para o cumprimento inicial da pena, negando ao réu o direito de recorrer em liberdade.

A defesa do apelante alegou que a decisão dos jurados foi manifestamente contrária à provas dos autos e que, diante da fragilidade dos elementos probatórios, deve prevalecer o princípio do in dubio pro reu (na dúvida, a favor do réu). Com base nesses argumentos, requereu a anulação do julgamento. Pediu, ainda, a redução da pena ao patamar mínimo, defendendo a inidoneidade da fundamentação adotada quando da análise das circunstâncias judiciais.

Segundo o relator, a tese defensiva de homicídio privilegiado foi rechaçada pelos jurados, que acolheram a pretensão condenatória do crime duplamente qualificado apresentada pelo Ministério Público. “Essa opção por uma das versões arguidas em plenário, afastada a nulidade de decisão contrária à provas dos autos, deve ser mantida, em obediência ao princípio da soberania dos veredictos”, afirmou o desembargador Ricardo Vital de Almeida.

A respeito da redução da pena, o relator disse que, considerando a desfavorabilidade de dois vetores (culpabilidade e consequência do crime), bem como a pena em abstrato para o crime de homicídio qualificado (12 a 30 anos), a elevação da pena-base para 16 anos e seis meses de reclusão obedece aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, impondo-se a conformação. Ao final, o desembargador ressaltou a preponderância da atenuante da confissão, realizando uma compensação parcial e reduziu a pena em um ano e seis meses. Assim, realizada a subtração, a pena ficou definitiva em 15 anos de reclusão em regime fechado. Da decisão cabe recurso.

 

Fernando Patriota – Assessoria de Comunicação – TJPB

porpjbarreto

Veneziano sai em defesa da Embrapa e alerta para os prejuízos acarretados com os cortes orçamentários previstos pelo governo

Durante Sessão Plenária nesta segunda-feira, 7, o Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) mostrou sua preocupação diante da proposta do Governo Federal em promover corte de 45% no Orçamento previsto para 2020 da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa), num grave prejuízo, notadamente aos Estados das regiões Norte e Nordeste, que dependem muito do trabalho científico da Embrapa.

Veneziano afirmou que os Estados, de uma maneira geral, mais especialmente os das regiões Norte e Nordeste, padecerão com esses cortes orçamentários: “Nós sabemos o quanto é importante investir naquilo que é técnico, no que é avanço científico e o Governo Federal age com insensibilidade também nessa área e vai na contramão do desenvolvimento”.

Veneziano observou que a Embrapa contribuiu diretamente para que o país alcançasse os níveis de produção que detém, além dos indicadores que lhe permitem ser competitivo e o inserir entre os maiores exportadores de commodities. Para ele, falta sensibilidade ao Governo Federal, ao não olhar atentamente para uma empresa pública de ponta, que muito contribui para o desenvolvimento econômico e social da nação.

“Temos plena compreensão do quanto a Embrapa fez, faz e poderá fazer […]. Há cerca de um mês nós ouvíamos, líamos e recebíamos — como eu tive a oportunidade, pessoalmente, de receber — técnicos, pessoas, funcionários da ativa da Embrapa a demonstrarem suas ansiedades por força da diminuição drástica — mais do que significativa, drástica — no orçamento previsto para o próximo ano”, destacou o Senador paraibano.

A Proposta – Em 2019 os recursos destinados para a Embrapa foram de R$ 3,6 bilhões. A proposta do governo federal para o ano que vem é de R$ 1,9 bilhão e está em análise no Congresso Nacional. O texto já começou a ser discutido na Comissão Mista de Orçamento, que é composta por deputados e senadores. Eles vão dar o primeiro parecer sobre a previsão de gastos do governo federal para 2020.

Neste mês, os parlamentares devem apresentar as emendas ao projeto de orçamento. A votação final está prevista para dezembro. A direção da Embrapa disse, em nota, que há quatro anos o orçamento vem caindo e, por isso, tem feito cortes nas despesas.

Cita também a redução no número de centros de pesquisas e de unidades administrativas, mas reconhece que, se o orçamento for aprovado como está, pesquisas em áreas importantes poderão ser afetadas.

A nota diz ainda que alguns projetos correm riscos, como os de agricultura de precisão e automação, biotecnologia, sanidade animal.

Assessoria de Imprensa

porpjbarreto

Ex-candidato a deputado federal destaca impopularidade de Marina Silva durante visita a Paraíba

O ex-candidato a deputado federal, Antonio Gobira (REDE) lamentou o tratamento dado a ele pela ex-candidata à presidência da República, Marina Silva (REDE) que esteve em Cajazeiras no último sábado (05).

Gobira disse que não foi convidado com antecedência pela ex-senadora para acompanhá-la em entrevista concedida por ela  a uma emissora de televisão local, e segundo ele, o convite veio somente a poucos minutos e foi prontamente recusado por ele. LINK PATROCINADO.

Gobira disse que Marina foi blindada pelos assessores e com isso demonstrou uma verdadeira impopularidade. “Ela veio a Paraíba se esconder do povo.” Disse.

Por Alex Gonçalves – Tribuna10